maratona piauí cbn de podcast

Os desafios e a rotina de contar histórias em podcast

Roteiro capaz de amarrar narrativas é segredo para um bom programa; dificuldade de financiamento é cotidiana

11maio2019_13h07
FOTO: BRUNO POPPE

Os podcasts narrativos foram o tema de abertura da Maratona Piauí CBN de Podcast. Esses programas usam uma estrutura dramática diferente para conquistar e manter a atenção do ouvinte, apostando na valorização das histórias de seus personagens. A maratona reúne realizadores de podcasts brasileiros neste sábado, 11, no Instituto Moreira Salles, no Rio de Janeiro.

Participaram da mesa Sarah Azoubel, apresentadora, produtora e diretora do podcast 37 graus; Gabriela Viana, apresentadora do podcast Vozes: Histórias e Reflexões, da Rádio CBN; e Rodrigo Vizeu, editor de podcasts da Folha de S.Paulo. A conversa foi mediada por Paula Scarpin, diretora de criação da Rádio Novelo.

“Para mim, fazer podcast narrativo é voltar à principal função do jornalismo. É ter a possibilidade de contar as histórias de outras pessoas pelo ponto de vista delas”, afirmou Viana. Ela conta que, desde que começou a trabalhar com podcasts na CBN, aprendeu “na marra” a editar e roteirizar os episódios do seu programa. “O trabalho de aprender a editar é contínuo. Saí da faculdade com zero noção do que estava por vir.”

A visão foi compartilhada pelos demais apresentadores. Rodrigo Vizeu, que nunca havia trabalhado em rádio antes de produzir o Presidente da Semana, diz que aprendeu à medida que o podcast era feito. “Foi um aprendizado em tempo real. Inclusive o podcast mudou ao longo da série, foi ficando mais dramático.” A cada episódio, o programa conta a história de um presidente brasileiro.

Responsável pelo 37 graus, podcast ligado a temas científicos, Sarah Azoubel conta que começou a gravar os episódios de forma amadora, em casa, com a outra apresentadora do programa, Beatriz Guimarães. “Nós gravávamos esperando o cachorro parar de latir e o vizinho sair do telefone”, contou Azoubel. “Hoje estamos a todo vapor, mas ainda nos perguntamos como vamos nos viabilizar financeiramente.”

Os três convidados reforçaram a importância central do roteiro nos podcasts narrativos. “Você tem controle absoluto da história que está contando. Tem controle sobre a ordem das informações, e até onde a música entra e sai”, disse Azoubel. Para Vizeu, os programas narrativos são “o império do roteiro.”

Foi um consenso, entre os apresentadores, que o Brasil ainda está distante de ter um mercado profissionalizado de podcasts como o que existe hoje nos Estados Unidos – onde há uma maior oferta de patrocínios e financiamentos para esse tipo de mídia. Mas, diante do crescimento recente da podosfera brasileira, eles dizem estar otimistas.

“Precisamos de gente com vontade de fazer e aprender, mas é também é preciso ter tempo. Tempo é fundamental para fazer um podcast narrativo”, sintetizou Gabriela Viana. “Falta gente com vontade de fazer. O resto é consequência.”



Leia Também

Últimas Mais Lidas

Ingressos à venda para o Festival Piauí GloboNews de Jornalismo

Estudantes e professores pagam meia-entrada, e assinantes da revista têm desconto

Saiba primeiro sobre os nossos eventos

Receba as novidades dos próximos projetos da piauí

Saiba como foi cada mesa da Maratona Piauí Serrapilheira

Vida, vulcões, clima, água e gestão da ciência: cinco grandes cientistas falaram sobre suas áreas de pesquisa

Jornalistas e divulgadores entrevistarão os pesquisadores convidados

Conheça os mediadores do evento que acontecerá dia 12 de maio, no Rio de Janeiro

Mais textos