questões da política

Os irmãos Machado

Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, aderiu à delação premiada para proteger três dos seus quatro filhos que estão na mira da Lava Jato

Julia Duailibi
07jun2016_12h51
Sergio Firmeza Machado  na festa de 50 anos de José Olympio Pereira em São Paulo em 2012
Sergio Firmeza Machado na festa de 50 anos de José Olympio Pereira em São Paulo em 2012 FOTO: ROGERIO LACCANA_EDITORA GLAMURAMA

Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, aderiu à delação premiada para proteger três dos seus quatro filhos que estão na mira da Lava Jato. Detalhes da sua delação  foram determinantes para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedir ao STF a prisão de Renan Calheiros, José Sarney, Eduardo Cunha e Romero Jucá.

Daniel Firmeza Machado, 40, o primogênito, é um próspero executivo, sócio de empresas do setor de educação (entre as quais algumas escolas) espalhadas pelo Nordeste, em estados como Pernambuco, Ceará e Paraíba. As participações nessas companhias chamaram a atenção dos investigadores, que passaram a se debruçar sobre os negócios dos Machado na área e levaram Daniel a firmar acordo de delação premiada. O caçula, Expedito Machado Neto, 31, o Did, era o responsável pelos investimentos da família em Londres, onde administrava um fundo num escritório cujo aluguel, segundo conhecidos, custaria cerca de 30 mil libras por mês (cerca de 153 mil reais). A Lava Jato suspeita de que cerca de 700 milhões de reais em propina para o PMDB  tenham sido lavados por lá. Entre os políticos do PMDB, a delação de Did é hoje mais temida do que a do próprio Machado.

O filho do meio, porém, é o caso mais bem-sucedido da linhagem. Sergio Firmeza Machado, 38, que foi acionista e, na prática, segundo o mercado, era o número dois do banco de investimentos Credit Suisse no Brasil, também teve de firmar acordo de delação premiada com os investigadores. Serginho, como é chamado no mercado, era o responsável pela área de operações estruturadas do banco, que investia em renda fixa (em termos gerais, emprestava dinheiro e reestruturava dívidas de empresas). Sob seu comando, o setor foi o mais lucrativo do Credit Suisse nos últimos anos. Agressivo e “fazedor de dinheiro”, Serginho, segundo seus pares, era o principal banqueiro da instituição no Brasil, abaixo apenas do presidente, José Olympio Pereira (a foto de Serginho que acompanha este post é do aniversário de 50 anos de Olympio, em 2012).

Paralelamente ao trabalho de executivo do banco, Serginho administrava investimentos imobiliários por meio de empresas das quais é sócio, embora o Credit Suisse estabeleça severas regras de compliance para evitar conflitos de interesse entre as atividades institucionais e os investimentos privados de seus executivos. Era conhecida sua predileção por comprar terrenos e apartamentos na zonas oeste e sul paulistana, como no bairro da Vila Olímpia.

Há cerca de um mês, desligou-se do banco discretamente, quando os investigadores da Lava Jato fechavam o cerco sobre seu pai. O setor sob sua responsabilidade teria sofrido uma reestruturação para se adequar aos tempos de crise e ao perfil do novo CEO do Credit, Tidjane Thiam – foi essa a explicação oficial. Serginho, no entanto, considerado uma estrela por seus pares, poderia ter sido reaproveitado em outra área. Como isso não ocorreu, o mercado inferiu que seu afastamento tinha a ver com a Lava Jato. Os investigadores querem que ele fale sobre orientações de investimentos dadas ao seu irmão mais novo, Did, responsável, segundo as apurações, pela aplicação do dinheiro oriundo da propina do petrolão. Did é sócio com 0,01% em uma das empresas.

Sergio Firmeza Machado começou a trabalhar no Credit Suisse em 2000. Fez carreira na área de Investment Banking, onde atuou em operações de fusões e aquisições e emissões de títulos no Brasil e no exterior. Passou a cuidar da área de renda fixa em 2004. No final de 2015, quando a Polícia Federal fez uma operação de busca e apreensão na casa de seus pais, Serginho dava expediente no escritório do banco, no Itaim, bairro que concentra o setor financeiro de São Paulo. O executivo chegou a comentar com colegas a respeito da manobra da PF.

Questionado pela piauí, o CS disse que Serginho reportou “atividades realizadas fora do banco” durante o período em que era funcionário da instituição, mas que tais atividades “não tinham conflito com os negócios do Credit Suisse”. Procurado, o ex-executivo afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não poderia comentar sua delação, mas que nenhuma de suas empresas era objeto de investigação da Lava Jato.

Se os filhos de Machado herdaram do pai o tino para os negócios, agora precisarão recorrer à lábia de político do progenitor para convencer os investigadores de que agiram dentro da lei. Dos três, Did é o que está, até agora, mais encrencado.

Julia Duailibi

Julia Duailibi trabalhou na piauí, na TV Bandeirantes, na Folha de S.Paulo, na Veja e n’O Estado de S. Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Mais textos
2

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

6

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo