anais da vida selvagem

Ouça cinco animais ameaçados de extinção no Brasil

De mamíferos a invertebrados, país tem quase 1.200 espécies sob risco

Julia Sena
08maio2019_16h31

Relatório divulgado esta semana pela Organização das Nações Unidas (ONU) lista 1 milhão de espécies ameaçadas de extinção no mundo. No Brasil, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) cataloga 1.182 espécies animais que correm risco de desaparecimento. Segundo João Gabriel Ribeiro, ecólogo e mestre em Zoologia, a caça, a extração de madeira, o tráfico de animais e o desmatamento são os fatores que mais põem em risco a biodiversidade brasileira. “A conversão da floresta em matéria-prima para outro processo produtivo elimina as espécies, o habitat e seus serviços. Precisamos repensar nossos hábitos”, afirma.

Ouça as “vozes” de cinco animais ameaçados de extinção no Brasil.

Mutum-de-bico-vermelho

Pode viver solitário, em dupla ou em grupos de quatro indivíduos. Para diferenciar o gênero é simples: a barriga do macho é branca, enquanto a da fêmea é vermelha, num tom parecido com o do bico. É encontrado desde o sul da Bahia até o Rio de Janeiro.

 

****

Onça-pintada

O maior felino das Américas se adapta a diferentes tipos de ambiente, da Floresta Amazônica aos campos, da Mata Atlântica ao Cerrado. Hoje há menos de dez mil onças-pintadas no Brasil. O animal é ativo tanto de dia quanto à noite. A fêmea pode gerar ninhadas de até quatro filhotes.

 

****

Baleia-azul

Raramente avistada no Brasil, é não apenas a maior de todas as baleias, mas o maior animal do planeta. As fêmeas são maiores do que os machos. O maior exemplar já registrado, com 35 metros de comprimento, foi avistado na Antártida. A baleia-azul vive de  80 a 90 anos.

 

****

Sapinho-da-barriga-vermelha

Assim como o mutum-de-bico-vermelho e a perereca-de-alcatrazes, é um animal endêmico no Brasil, ou seja, só existe aqui. Costuma habitar a região Sul do país, em áreas com solos arenosos.

 

****

Perereca-de-alcatrazes

Encontrada somente na ilha de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo, essa perereca está na categoria crítica de extinção. A espécie é avistada geralmente em bromélias. A ilha de Alcatrazes é usada para exercícios militares: a Marinha pintou ali alvos para o treinamento de tiros de canhão.

 

Fontes: Fonoteca Neotropical Jacques Vielliard, da Unicamp; dados sobre as espécies retirados do Livro Vermelho do ICMBio 2018

* Texto alterado às 17h do dia 26 de julho para esclarecer que a onça-pintada não é um animal endêmico do Brasil.



Julia Sena (siga @ajuliasena no Twitter)

Colaboradora da piauí. Antes, trabalhou no FOX Sports Brasil

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder perguntas vitais que permanecem sem resposta desde o começo da pandemia

A sutil arte de ligar o BBB

Com 77 milhões de menções no Twitter, programa deixou para trás Bolsonaro, Covid, vacina e futebol; Globo acolhe Karol Conká em “operação descancelamento”

Vacina atrasada, variante acelerada

Ritmo lento de imunização aumenta risco de disseminação de mutações do Sars-CoV-2

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

5

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

8

Menino do Rio

Um urbanista praiano nas alterosas

9

A Caminho da eternidade – e daqui a cem mil anos?

Não é preciso mencionar a gravidade do que ocorre diariamente neste país e a persistente incapacidade de resolver problemas graves que vem de longe e se eternizam, para justificar o espanto ao saber que na Finlândia há quem esteja preocupado com o que poderá ocorrer daqui a cem mil anos.

10

O fazedor de santos

Um expert em canonizações