anais da vida selvagem

Ouça cinco animais ameaçados de extinção no Brasil

De mamíferos a invertebrados, país tem quase 1.200 espécies sob risco

Julia Sena
08maio2019_16h31

Relatório divulgado esta semana pela Organização das Nações Unidas (ONU) lista 1 milhão de espécies ameaçadas de extinção no mundo. No Brasil, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) cataloga 1.182 espécies animais que correm risco de desaparecimento. Segundo João Gabriel Ribeiro, ecólogo e mestre em Zoologia, a caça, a extração de madeira, o tráfico de animais e o desmatamento são os fatores que mais põem em risco a biodiversidade brasileira. “A conversão da floresta em matéria-prima para outro processo produtivo elimina as espécies, o habitat e seus serviços. Precisamos repensar nossos hábitos”, afirma.

Ouça as “vozes” de cinco animais ameaçados de extinção no Brasil.

Mutum-de-bico-vermelho

Pode viver solitário, em dupla ou em grupos de quatro indivíduos. Para diferenciar o gênero é simples: a barriga do macho é branca, enquanto a da fêmea é vermelha, num tom parecido com o do bico. É encontrado desde o sul da Bahia até o Rio de Janeiro.

 

****

Onça-pintada

O maior felino das Américas se adapta a diferentes tipos de ambiente, da Floresta Amazônica aos campos, da Mata Atlântica ao Cerrado. Hoje há menos de dez mil onças-pintadas no Brasil. O animal é ativo tanto de dia quanto à noite. A fêmea pode gerar ninhadas de até quatro filhotes.

 

****

Baleia-azul

Raramente avistada no Brasil, é não apenas a maior de todas as baleias, mas o maior animal do planeta. As fêmeas são maiores do que os machos. O maior exemplar já registrado, com 35 metros de comprimento, foi avistado na Antártida. A baleia-azul vive de  80 a 90 anos.

 

****

Sapinho-da-barriga-vermelha

Assim como o mutum-de-bico-vermelho e a perereca-de-alcatrazes, é um animal endêmico no Brasil, ou seja, só existe aqui. Costuma habitar a região Sul do país, em áreas com solos arenosos.

 

****

Perereca-de-alcatrazes

Encontrada somente na ilha de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo, essa perereca está na categoria crítica de extinção. A espécie é avistada geralmente em bromélias. A ilha de Alcatrazes é usada para exercícios militares: a Marinha pintou ali alvos para o treinamento de tiros de canhão.

 

Fontes: Fonoteca Neotropical Jacques Vielliard, da Unicamp; dados sobre as espécies retirados do Livro Vermelho do ICMBio 2018

* Texto alterado às 17h do dia 26 de julho para esclarecer que a onça-pintada não é um animal endêmico do Brasil.

Julia Sena (siga @ajuliasena no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no FOX Sports Brasil

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

5

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

8

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

9

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana