anais da vida selvagem

Ouça cinco animais ameaçados de extinção no Brasil

De mamíferos a invertebrados, país tem quase 1.200 espécies sob risco

Julia Sena
08maio2019_16h31

Relatório divulgado esta semana pela Organização das Nações Unidas (ONU) lista 1 milhão de espécies ameaçadas de extinção no mundo. No Brasil, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) cataloga 1.182 espécies animais que correm risco de desaparecimento. Segundo João Gabriel Ribeiro, ecólogo e mestre em Zoologia, a caça, a extração de madeira, o tráfico de animais e o desmatamento são os fatores que mais põem em risco a biodiversidade brasileira. “A conversão da floresta em matéria-prima para outro processo produtivo elimina as espécies, o habitat e seus serviços. Precisamos repensar nossos hábitos”, afirma.

Ouça as “vozes” de cinco animais ameaçados de extinção no Brasil.

Mutum-de-bico-vermelho

Pode viver solitário, em dupla ou em grupos de quatro indivíduos. Para diferenciar o gênero é simples: a barriga do macho é branca, enquanto a da fêmea é vermelha, num tom parecido com o do bico. É encontrado desde o sul da Bahia até o Rio de Janeiro.

 

****

Onça-pintada

O maior felino das Américas se adapta a diferentes tipos de ambiente, da Floresta Amazônica aos campos, da Mata Atlântica ao Cerrado. Hoje há menos de dez mil onças-pintadas no Brasil. O animal é ativo tanto de dia quanto à noite. A fêmea pode gerar ninhadas de até quatro filhotes.

 

****

Baleia-azul

Raramente avistada no Brasil, é não apenas a maior de todas as baleias, mas o maior animal do planeta. As fêmeas são maiores do que os machos. O maior exemplar já registrado, com 35 metros de comprimento, foi avistado na Antártida. A baleia-azul vive de  80 a 90 anos.

 

****

Sapinho-da-barriga-vermelha

Assim como o mutum-de-bico-vermelho e a perereca-de-alcatrazes, é um animal endêmico no Brasil, ou seja, só existe aqui. Costuma habitar a região Sul do país, em áreas com solos arenosos.

 

****

Perereca-de-alcatrazes

Encontrada somente na ilha de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo, essa perereca está na categoria crítica de extinção. A espécie é avistada geralmente em bromélias. A ilha de Alcatrazes é usada para exercícios militares: a Marinha pintou ali alvos para o treinamento de tiros de canhão.

 

Fontes: Fonoteca Neotropical Jacques Vielliard, da Unicamp; dados sobre as espécies retirados do Livro Vermelho do ICMBio 2018

* Texto alterado às 17h do dia 26 de julho para esclarecer que a onça-pintada não é um animal endêmico do Brasil.

Julia Sena (siga @ajuliasena no Twitter)

Colaboradora da piauí. Antes, trabalhou no FOX Sports Brasil

Leia também

Últimas

O mantra do negacionismo namastê

Praticantes de um estilo de vida supostamente saudável recorrem à desinformação e recusam a vacina

A única semelhança

Cientista de dados negro, preso por engano no Rio depois de reconhecimento por foto, narra os dias no cárcere e a dificuldade para ser solto

Nos erros de reconhecimento facial, um “caso isolado” atrás do outro

Presos por engano, cientista de dados, mototaxista e motorista têm algo mais em comum: são negros

Foro de Teresina #169: O vírus mal-disfarçado do bolsonarismo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na crise climática, Congresso tira o corpo fora

Metade dos parlamentares se diz muito preocupada com o meio ambiente no Brasil, mas só 7% acham que seus colegas têm o mesmo interesse; maioria atribui a crise ao governo

O adeus de Merkel, a anti-Trump

Enquanto nos Estados Unidos e no Brasil debate público virou briga de rua, política alemã mostrou com sua chanceler a assepsia de um seminário de pós-graduação – o que também está longe do ideal

Mais textos