questões da política

Para Lula, mais importante é derrotar aliado de Cunha na eleição da Câmara

Apesar de contraditório, ex-presidente acredita que apoio a político do DEM seja essencial para derrotar o peemedebista

Carol Pires
12jul2016_20h16
FOTO: LULA MARQUES/FOLHAPRESS

Apesar de ter Rodrigo Maia na sua lista de adversários mais contumazes, o ex-presidente Lula ainda acreditava, hoje pela manhã, que seria melhor para o PT apoiar o deputado do DEM para a presidência da Câmara. A eleição será amanhã. A notícia de que Lula advogava o apoio a Maia repercutiu mal entre os movimentos sociais e passou a ser desmentida por petistas. Mesmo assim, em viagem pelo Nordeste, onde busca aliados contra o impeachment de Dilma Rousseff, Lula reforçou que, apesar de ser contraditório o aval do PT a um político do DEM, o mais importante neste momento seria derrotar um candidato ligado a Eduardo Cunha. Rogério Rosso, um dos favoritos na disputa, tem endosso do governo interino e é o nome dos sonhos de Cunha.

Dirigentes petistas discordam de Lula e devem anunciar apoio a Marcelo Castro, do PMDB. Acreditam que Rodrigo Maia não pode ser considerado um candidato fora da órbita de Eduardo Cunha. O DEM apoiou a eleição do peemedebista para presidente da Câmara em 2014, e Maia foi escolhido a dedo pelo próprio Cunha como relator da comissão da reforma política em plenário. Os dois só se afastaram nos últimos meses, quando Cunha apoiou André Moura, do PSC, para líder do governo na Câmara. Maia almejava o cargo, mas foi preterido pelo governo de Michel Temer. “Seria uma contradição maior ainda a gente denunciar o golpe e depois apoiar um golpista na eleição”, me disse um parlamentar petista.

O Palácio do Planalto esperava ter um candidato único da base aliada, para não fragmentar a disputa, mas foi pego de surpresa com a indicação da bancada peemedebista para que Marcelo Castro, ex-ministro da Saúde, entre no pleito. Aliado de primeira hora de Eduardo Cunha, Castro foi o primeiro relator da comissão especial da reforma política, mas rompeu com o peemedebista depois de produzir um relatório que contrariava os interesses dele. O então presidente da Câmara chegou a dizer que faltava “inteligência política” a Castro, que revidou afirmando que Cunha deveria ter escolhido um relator mais submisso. Depois disso, Marcelo Castro se aproximou do governo Dilma, acabou nomeado ministro e votou contra o impeachment.

No início da tarde, Carlos Lupi, presidente do PDT, também recebeu o telefonema de uma liderança petista pedindo “cautela” ao decidir quem apoiar na eleição da Câmara: “Vamos perder de qualquer forma. Então, temos ao menos que pensar na nossa história”. O PDT cogitava igualmente apoiar Rodrigo Maia para evitar a eleição de Rogério Rosso, mas agora o mais provável é que apoie Marcelo Castro.

O candidato eleito amanhã só ficará no cargo até fevereiro de 2017, quando haverá eleição para a Mesa Diretora do novo biênio. O pleito, no entanto, interessa muito ao governo interino, de olho na aprovação de propostas importantes, como a de emenda à Constituição que fixa um limite para os gastos públicos. Rosso, do PSD de Kassab, é o preferido do governo interino por ser visto como único capaz de unir o centrão, formado por PSD, PTB, PP, PR e PSC, área de influência de Eduardo Cunha. Para evitar que Castro, apoiado pela base aliada do governo afastado, chegue ao segundo turno, os apoiadores de Rodrigo Maia tentarão, até amanhã, dissuadir Julio Delgado, do PSB, de disputar a eleição. Assim, Maia se tornaria o candidato único da antiga oposição, formada por PPS, PSDB, DEM e PSB.



Carol Pires

É jornalista, roteirista, colaboradora do New York Times e colunista da Época online. Foi repórter da piauí de 2012 a 2016

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje