=igualdades

Pelo preço de um iPhone compra-se o quíntuplo de arroz no Brasil que nos Estados Unidos

Amanda Gorziza e Renata Buono
31maio2021_10h16

Com a moeda brasileira desvalorizada, os produtos eletrônicos têm preços elevados por aqui. O preço de um iPhone 12 é US$ 1.491,49, o quarto mais alto entre os 84 países pesquisados pelo site GlobalProductPrices.com, que rastreia os preços de varejo dos mais variados produtos nos países. Com esse valor, um brasileiro compra 1.222 kg de arroz. Já nos Estados Unidos, que têm o preço mais baixo do celular da Apple, compram-se 229 kg de arroz com o valor do telefone. Ou seja, ao deixar de comprar um iPhone, um brasileiro compra cinco vezes mais quilos de arroz do que um norte-americano. 

Além do iPhone, o Apple Watch 6, MacBook Pro, Ipad e Playstation 5 também saem caros no Brasil. O relógio da Apple custa 77% acima da média global e tem o segundo valor mais alto do levantamento realizado em 77 países, perdendo apenas para a Argentina. 

*Nota metodológica: o preço dos produtos pode variar em função da taxa de conversão para o dólar norte-americano; aqui foi usada a conversão pelo dia 25 de maio. 

Fonte: GlobalProductPrices.com

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

Celebridade versus Mito

Trupe de artistas e influencers contra Bolsonaro cresce nas redes, faz barulho e amplia a base de oposição

A importância do cinema brasileiro

Patrimônio merece ser preservado e protegido, não destruído

Desiguais até na infelicidade

Entre os 40% mais pobres da população brasileira, sensação de bem-estar geral caiu mais; para os 20% de renda mais alta, sentimento é de que a vida até melhorou

Lugar de militar é no quartel

Emenda que barra militares da ativa na administração pública é insuficiente, mas um bom começo para tirar Forças Armadas da política

Nome aos números

No dia em que o Brasil ultrapassa a marca de 500 mil mortos pela Covid-19, um pouco da história de 133 deles

Doria x Ciro, o duelo pelo terceiro lugar

O que funciona ou não nas estratégias de quem se vende como “alternativo”

Mais textos