=igualdades

Pensões de filhos, netos e enteados de militares bancariam a merenda de 14,7 milhões de crianças

Taís Seibt, Bernardo Baron, Maria Vitória Ramos e Renata Buono
16jul2021_09h30

O governo federal gastou, em 2020, R$ 9,7 bilhões líquidos com pensões de filhos, enteados e netos de militares que morreram. Esse valor seria suficiente para custear, por um ano inteiro, a merenda escolar de 14,7 milhões de crianças. O valor líquido médio recebido por cada filho ou neto de militar em 2020, em torno de R$ 67,5 mil no ano, seria suficiente para bancar a merenda escolar de 102 estudantes. O cálculo foi feito considerando o custo mensal das merendas no estado de São Paulo, que foi de R$ 55 por aluno no programa Merenda em Casa, durante a pandemia. 

Foram pagas 143,7 mil pensões desse tipo no ano passado, sendo que alguns herdeiros acumulam mais de uma pensão, de forma que o número exato de beneficiários pode ser um pouco menor do que a quantidade de pagamentos. Os dados foram divulgados no Portal da Transparência no final de junho, após a agência de dados Fiquem Sabendo cobrar reiteradamente o Tribunal de Contas da União (TCU), que já havia determinado, em janeiro de 2020, que o governo tornasse públicas essas informações.

Fonte: Agência Fiquem Sabendo, com dados do Portal da Transparência; Governo do Estado de São Paulo

Taís Seibt

Repórter e gerente de projetos da Fiquem Sabendo, agência de dados independente especializada no acesso à informação. Foi repórter e editora do Zero Hora, colaborou com diversos veículos e lidera a iniciativa Afonte Jornalismo de Dados, que promove o conhecimento sobre dados no jornalismo

Bernardo Baron

Cientista de dados da Fiquem Sabendo, agência independente especializada no acesso à informação. Também trabalha na Impulso Gov e é embaixador de tecnologia cívica da Open Knowledge Brasil

Maria Vitória Ramos

Cofundadora e diretora da Fiquem Sabendo, agência de dados independente especializada no acesso à informação. Foi repórter da Ponte Jornalismo e é autora de Indigentes: o Estado que enterra sem avisar

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

A noite mais fria, na capital mais fria

As histórias de quem vive nas ruas geladas de Curitiba  - e por que muitos ainda recusam acolhimento nos abrigos públicos

O limbo brasileiro em Cannes

No maior festival de cinema do mundo, protestos contra Bolsonaro e apreensão com o futuro dos filmes no país

Após o fogo, o remendo

Um dia depois do incêndio em galpão da Cinemateca Brasileira, governo publica chamada aguardada há quase um ano para tentar resolver crise da instituição; proposta inclui até cobrança de taxa para quem quiser guardar filmes no acervo

Foro de Teresina #161: Bolsonaro, o Arenão e suas obras

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Cinemateca Brasileira em chamas

Filmes e documentos foram relegados a abandono criminoso; incêndio de hoje se tornou tragédia anunciada

A farra das emendas pix no Congresso

Deputados e senadores já liberaram mais de 1 bilhão de reais em dinheiro público transferido diretamente para o caixa de estados e municípios, sem finalidade definida nem transparência

‘Bico’ proibido emprega ao menos 47 mil guardas e policiais

Pesquisa inédita revela que 6% dos profissionais da segurança pública admitem trabalhar por fora em segurança privada - o que é barrado por lei

Mais textos