festival

Piotr Pacewicz e a defesa dos direitos humanos na Polônia

No Festival ele vai falar de jornalismo investigativo e a imprensa durante dominação comunista no país

26ago2019_16h58

 

O polonês Piotr  Pacewicz  é formado em psicologia e chegou a lecionar na área. Nos anos 80, integrou a equipe do Tygodnik Mazowsze, histórica revista de oposição ao domínio comunista soviético, vinculada ao sindicato Solidariedade. Além de assinar textos, foi arquivista e editor da publicação.

Sua formação como psicólogo prevalece em trabalhos como o livro Zakazane miłości. Seksualność i inne tabu (Amor proibido: sexualidade e outros tabus), no qual é coautor, e no comitê de política para a questão das drogas na Polônia.

Atualmente, Pacewicz é colunista do jornal liberal Wyborcza e editor-chefe do oko.press, um portal de jornalismo investigativo e checagem de fatos.

Ele também foi colaborador da série documental de tevê Czwarta Władza, que em livre tradução significa “quarto poder”, sobre jornalistas que acidentalmente flagram o transporte de mercadorias ilegais, e é sobre esses trabalhos recentes que ele vai conversar com o editor da piauí Alcino Leite Neto e com a repórter da Folha de São Paulo Patrícia Campos Mello, no primeiro dia do Festival Piauí de Jornalismo.

 



Leia Também

Relacionadas Últimas

Austerlitz – colapso da memória

Filme registra os passeios turísticos aos campos de concentração e mostra a falta de cerimônia dos visitantes, que fazem selfies nos fornos crematórios

Extrema direita chega ao poder com Bolsonaro

Foro de Teresina discute as consequências da guinada conservadora no país

A hora dos descontentes

Por medo da diversidade, o Leste Europeu deixou de ver o liberalismo como modelo

O pior está por vir

Polarização, teorias conspiratórias, ataques à imprensa – como uma democracia pode acabar

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Interação com o público ajuda a ganhar e manter audiência

Fidelidade de ouvintes pode se transformar em financiamento coletivo e ajudar a manter podcasts

Os desafios e a rotina de contar histórias em podcast

Roteiro capaz de amarrar narrativas é segredo para um bom programa; dificuldade de financiamento é cotidiana

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

A Copa industrializada

Revendo algumas imagens, graças ao santo youtube, é fácil notar que a Copa de 66, na Inglaterra, teve um jeitão todo inglês. A de 70, no México, foi mexicana até o último burrito. O raciocínio parece óbvio, mas ele melhora se pegarmos as copas disputadas neste século: todas foram iguais, sem qualquer sabor local. Por incrível que pareça, conseguiram fazer uma Copa na África idêntica a uma Copa na Alemanha. A Fifa acha isso bom. Eu acho péssimo.

6

Touchdowns no ABC

A batalha de São Bernardo Cougars contra Sorocaba Vipers

7

Princesa Kate: “Edison Lobão foi minha desgraça.” 

PALÁCIO DE BUCKINGHAM – Aos prantos, três horas após aceitar como seu legítimo esposo William Arthur Philip Louis, duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, Kate Middleton confessou ao pai: “Amo Edison Lobão.” A notícia, não confirmada pela Casa de Windsor, causou perplexidade no Reino Unido e já é considerada a pior crise da monarquia desde a renúncia de Eduardo VIII, em 1936.

8

Furo: a exemplo de falso fotógrafo exposto pela BBC, famoso blogueiro também copiava textos

A história era de grudar os olhos na tela: um blogueiro brasileiro se lançara às principais zonas de guerra do Brasil, entre elas Brasília, São Bernardo do Campo, Guarujá e Atibaia, para registrar o sofrimento humano

10

Chico Buarque é visto vendendo miçanga na praia para sobreviver

LEBLON - O fim do Ministério da Cultura fez com que artistas consagrados finalmente começassem a trabalhar.