questões das teles

Quem manda na Oi

Em um plano revelado nesta segunda, os atuais controladores perdem espaço na operadora em crise. Pela nova proposta, os credores também poderão dar ordens

Consuelo Dieguez
11dez2017_20h09
A mudança era tudo o que o empresário Nelson Tanure tentava evitar. Seus adversários ganham poder até mesmo para indicar conselheiros
A mudança era tudo o que o empresário Nelson Tanure tentava evitar. Seus adversários ganham poder até mesmo para indicar conselheiros FOTO: DIVULGAÇÃO_OI

A diretoria da Oi, presidida por Eurico Teles, comunicou aos acionistas controladores da empresa – os portugueses da Pharol e o empresário Nelson Tanure, do grupo Société Mondiale –, na tarde desta segunda-feira, que eles terão sua participação na companhia diluída, o que significa que perdem poder no controle da operadora. A comunicação foi feita na reunião que começou às 17 horas, no oitavo andar da sede da empresa, no Leblon, na Zona Sul do Rio. Pela manhã, a diretoria da Oi havia se reunido também com os principais bondholders – detentores de títulos da dívida da empresa – e seus maiores credores, e os avisou que, em troca da redução dos créditos que têm a receber, eles passarão a ser também acionistas. Agora, poderão interferir na gestão da companhia.

A perda de poder do grupo de Tanure e a entrada dos credores no controle da Oi é o principal ponto do plano de recuperação judicial da empresa que será apresentado até amanhã à noite ao juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro. Dessa forma, a diretoria acredita na possibilidade de a proposta ser finalmente aprovada na assembleia marcada para o dia 19 de dezembro.

Era tudo o que Tanure e a Pharol vinham tentando evitar. A entrada dos bondholders no controle da Oi – com a redução de participação dos atuais acionistas majoritários – era o ponto principal em uma briga que se desenrola desde que a operadora entrou em recuperação judicial, em junho do ano passado. Pela proposta, os bondholders ganham poder, podendo indicar conselheiros, por exemplo. Já os atuais controladores terão que dividir as decisões sobre o negócio com os novos sócios.

A Pharol tem hoje 22,5% do capital da empresa, enquanto Tanure, cerca de 5%. A redução da participação dos acionistas majoritários no capital da empresa – que no jargão do mercado significa “diluição” – se dá por meio da emissão de novas ações. A nova estrutura de comando só será definida quando houver uma decisão sobre quem fica com maior número de ações da companhia.

 

Uma dívida impagável de 65,4 bilhões de reais, que poderia provocar sua falência, foi o que levou a Oi – a maior operadora de telefonia fixa do país, com 50 milhões de clientes em todo o país – a entrar em recuperação judicial. Com a medida, os pagamentos aos cerca de 60 mil credores da empresa foram suspensos, o que deu fôlego para a companhia continuar operando. A decisão estabelecia, no entanto, um prazo para que os credores e acionistas entrassem em acordo e apresentassem um plano para tirar a empresa da recuperação. Pelo acerto com a Justiça, esta proposta deveria ter sido apresentada até agosto deste ano. A recusa dos controladores de reduzir seu poder na empresa em troca da diminuição da dívida, porém, inviabilizou uma solução para a companhia.

Desde o começo das negociações, os bondholders, credores de 32,3 bilhões de reais em títulos da dívida da empresa, defendiam que, em troca de abrirem mão de quase 80% dos seus créditos, passassem a ter participação acionária na Oi. Mas o projeto esbarrava na resistência dos controladores, que não aceitavam ter sua participação diluída. Vários planos chegaram a ser apresentados, mas nada que se aproximasse de um acordo. O impasse levou o juiz da 7ª Vara a retirar do conselho de acionistas o poder de negociar a recuperação, já que os controladores barravam qualquer alternativa que significasse perda de sua participação.

Com a disputa, a situação da Oi piorava a cada dia. Para agravar, além da briga com os credores, o conselho entrou em guerra com os gestores da empresa. A operação da Oi, com isso, ficou errática. Abalada pela sua enorme dívida, a companhia perdeu clientes e passou a ter problemas para tocar ações rotineiras, como atrair novos consumidores. Diante de tamanha beligerância, o governo – detentor de uma dívida de quase 20 bilhões de reais através do BNDES, do Banco do Brasil, da Agência Nacional de Telecomunicações e de outros bancos públicos – chegou a ameaçar intervir na empresa. É uma solução arriscada, já que a dívida da operadora acabaria transferida para a União se a recuperação não desse certo. Por isso, técnicos do governo e da diretoria trabalharam em conjunto para chegar à proposta que foi apresentada nesta segunda aos credores e aos acionistas.

A expectativa agora é de que, no dia 19, o plano seja aprovado. Isso se os acionistas, entre eles Nelson Tanure, o mais agressivo de todos eles, não resolverem complicar a negociação por meio de ações judiciais, prática que ele costuma adotar sempre que vê ameaçada sua posição em empresas em situação falimentar, nas quais ele compra participação a preço mínimo para obter ganhos máximos na hora de se desfazer de suas ações. O jogo, na verdade, ainda não chegou ao final.

*

Errata: diferentemente do que havia sido publicado, a Oi deve ao governo quase 20 bilhões de reais, e não 15 bilhões de reais.

Consuelo Dieguez (siga @consuelodieguez no Twitter)

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

6

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

7

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

8

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira

9

A volta do concurso literário mensal da piauí

Além da frase “Eduardo, meu filho, esse hambúrguer é orgânico?” o texto de outubro deve ter o seguinte ingrediente improvável: 'Oswaldo Montenegro'