questões político-judiciais

Polícia aprova guarda da CUT/MST em atos pró-Lula; MBL chama de “milícia”

Para subcomandante da Brigada Militar de Porto Alegre, o recrutamento de 2 mil “seguranças populares” pelas entidades é medida “positiva”, desde que não “cometam atos arbitrários”

Naira Hofmeister e Alexandre de Santi
23jan2018_22h12
Manifestantes do MST e da Via Campesina, integrantes da chamada “segurança popular”, usando as braçadeiras verde e amarelas, em ato nesta segunda-feira, 22 de janeiro, em Porto Alegre
Manifestantes do MST e da Via Campesina, integrantes da chamada “segurança popular”, usando as braçadeiras verde e amarelas, em ato nesta segunda-feira, 22 de janeiro, em Porto Alegre FOTO: MARCELO G. RIBEIRO/JC

Osubcomandante da Polícia Militar gaúcha, coronel Mário Ikeda, aprovou a iniciativa da Central Única dos Trabalhadores e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra de criar uma “equipe de segurança popular”, em Porto Alegre, principalmente para vigiar e conter manifestantes que considerarem “infiltrados” nos atos de defesa do ex-presidente em Porto Alegre. “É positiva, desde que ocorra conforme foi combinado, sem exceder as suas funções, sem cometer atos arbitrários e violentos. Atuando na manutenção da tranquilidade e segurança do movimento”, disse à piauí.

A expectativa da Brigada Militar, como é chamada a PM gaúcha, é que os guardas atuem apontando vândalos e manifestantes mascarados na multidão. Ikeda também vê como positivo o canal de comunicação aberto com a polícia e o fato de os 2 mil “guardas populares” serem identificados com braçadeiras verde e amarelas. “As entidades parecem preocupadas e trabalhando para que os eventos ocorram de maneira pacífica e não haja depredação”, afirmou. O subcomandante alerta para os limites de atuação desses voluntários. “Não podem exceder suas funções, cometer atos arbitrários e violentos. Devem atuar exclusivamente na manutenção da tranquilidade. A intervenção deve ser pacífica”.

A coordenadora do Movimento Brasil Livre, o MBL, no Rio Grande do Sul, Paula Cassol, disse que o grupo também se comunica com a Brigada em manifestações, como o CarnaLula, ato contra o ex-presidente marcado para às 18 horas desta quarta-feira, na capital gaúcha. Cassol afirmou que o grupo também tem voluntários para atuar como seguranças dos militantes, mas preferiu não fornecer mais detalhes sobre o esquema. “A gente não vai expor. Não é uma força de segurança. O que temos são integrantes que conhecem todos os organizadores, pessoas que estão desde 2014 conosco. Mas não é como se fosse uma milícia – isso quem tem é o MST, não a gente”, disse a coordenadora do MBL gaúcho.

Naira Hofmeister

Alexandre de Santi

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Irlandês – memória e maldição

Filme de Scorsese alcança grandeza ao fazer acerto de contas do diretor com sua obra

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

7

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira