questões político-judiciais

Polícia aprova guarda da CUT/MST em atos pró-Lula; MBL chama de “milícia”

Para subcomandante da Brigada Militar de Porto Alegre, o recrutamento de 2 mil “seguranças populares” pelas entidades é medida “positiva”, desde que não “cometam atos arbitrários”

Naira Hofmeister e Alexandre de Santi
23jan2018_22h12
Manifestantes do MST e da Via Campesina, integrantes da chamada “segurança popular”, usando as braçadeiras verde e amarelas, em ato nesta segunda-feira, 22 de janeiro, em Porto Alegre
Manifestantes do MST e da Via Campesina, integrantes da chamada “segurança popular”, usando as braçadeiras verde e amarelas, em ato nesta segunda-feira, 22 de janeiro, em Porto Alegre FOTO: MARCELO G. RIBEIRO/JC

Osubcomandante da Polícia Militar gaúcha, coronel Mário Ikeda, aprovou a iniciativa da Central Única dos Trabalhadores e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra de criar uma “equipe de segurança popular”, em Porto Alegre, principalmente para vigiar e conter manifestantes que considerarem “infiltrados” nos atos de defesa do ex-presidente em Porto Alegre. “É positiva, desde que ocorra conforme foi combinado, sem exceder as suas funções, sem cometer atos arbitrários e violentos. Atuando na manutenção da tranquilidade e segurança do movimento”, disse à piauí.

A expectativa da Brigada Militar, como é chamada a PM gaúcha, é que os guardas atuem apontando vândalos e manifestantes mascarados na multidão. Ikeda também vê como positivo o canal de comunicação aberto com a polícia e o fato de os 2 mil “guardas populares” serem identificados com braçadeiras verde e amarelas. “As entidades parecem preocupadas e trabalhando para que os eventos ocorram de maneira pacífica e não haja depredação”, afirmou. O subcomandante alerta para os limites de atuação desses voluntários. “Não podem exceder suas funções, cometer atos arbitrários e violentos. Devem atuar exclusivamente na manutenção da tranquilidade. A intervenção deve ser pacífica”.

A coordenadora do Movimento Brasil Livre, o MBL, no Rio Grande do Sul, Paula Cassol, disse que o grupo também se comunica com a Brigada em manifestações, como o CarnaLula, ato contra o ex-presidente marcado para às 18 horas desta quarta-feira, na capital gaúcha. Cassol afirmou que o grupo também tem voluntários para atuar como seguranças dos militantes, mas preferiu não fornecer mais detalhes sobre o esquema. “A gente não vai expor. Não é uma força de segurança. O que temos são integrantes que conhecem todos os organizadores, pessoas que estão desde 2014 conosco. Mas não é como se fosse uma milícia – isso quem tem é o MST, não a gente”, disse a coordenadora do MBL gaúcho.

Naira Hofmeister

Alexandre de Santi

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia