questões político-judiciais

Polícia aprova guarda da CUT/MST em atos pró-Lula; MBL chama de “milícia”

Para subcomandante da Brigada Militar de Porto Alegre, o recrutamento de 2 mil “seguranças populares” pelas entidades é medida “positiva”, desde que não “cometam atos arbitrários”

Naira Hofmeister e Alexandre de Santi
23jan2018_22h12
Manifestantes do MST e da Via Campesina, integrantes da chamada “segurança popular”, usando as braçadeiras verde e amarelas, em ato nesta segunda-feira, 22 de janeiro, em Porto Alegre
Manifestantes do MST e da Via Campesina, integrantes da chamada “segurança popular”, usando as braçadeiras verde e amarelas, em ato nesta segunda-feira, 22 de janeiro, em Porto Alegre FOTO: MARCELO G. RIBEIRO/JC

Osubcomandante da Polícia Militar gaúcha, coronel Mário Ikeda, aprovou a iniciativa da Central Única dos Trabalhadores e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra de criar uma “equipe de segurança popular”, em Porto Alegre, principalmente para vigiar e conter manifestantes que considerarem “infiltrados” nos atos de defesa do ex-presidente em Porto Alegre. “É positiva, desde que ocorra conforme foi combinado, sem exceder as suas funções, sem cometer atos arbitrários e violentos. Atuando na manutenção da tranquilidade e segurança do movimento”, disse à piauí.

A expectativa da Brigada Militar, como é chamada a PM gaúcha, é que os guardas atuem apontando vândalos e manifestantes mascarados na multidão. Ikeda também vê como positivo o canal de comunicação aberto com a polícia e o fato de os 2 mil “guardas populares” serem identificados com braçadeiras verde e amarelas. “As entidades parecem preocupadas e trabalhando para que os eventos ocorram de maneira pacífica e não haja depredação”, afirmou. O subcomandante alerta para os limites de atuação desses voluntários. “Não podem exceder suas funções, cometer atos arbitrários e violentos. Devem atuar exclusivamente na manutenção da tranquilidade. A intervenção deve ser pacífica”.

A coordenadora do Movimento Brasil Livre, o MBL, no Rio Grande do Sul, Paula Cassol, disse que o grupo também se comunica com a Brigada em manifestações, como o CarnaLula, ato contra o ex-presidente marcado para às 18 horas desta quarta-feira, na capital gaúcha. Cassol afirmou que o grupo também tem voluntários para atuar como seguranças dos militantes, mas preferiu não fornecer mais detalhes sobre o esquema. “A gente não vai expor. Não é uma força de segurança. O que temos são integrantes que conhecem todos os organizadores, pessoas que estão desde 2014 conosco. Mas não é como se fosse uma milícia – isso quem tem é o MST, não a gente”, disse a coordenadora do MBL gaúcho.

Naira Hofmeister

Alexandre de Santi

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde