vultos da república

Políticos dominam agenda de Moro

Parlamentares pularam de 7% para 39% dos compromissos oficiais do ministro da Justiça entre janeiro e maio

José Roberto de Toledo e Emily Almeida
30jul2019_22h16

Levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra uma mudança do perfil das pessoas recebidas pelo ministro Sergio Moro desde que ele assumiu o Ministério da Justiça. Em janeiro, 69% dos compromissos oficiais de Moro foram reuniões técnicas com assessores e funcionários do ministério. Esse tipo de agenda interna caiu mês a mês, até chegar a 11% em maio. Ao mesmo tempo, os encontros de Moro com parlamentares cresceram ao ponto de ocuparem a maior parcela da agenda do ministro na segunda metade do semestre passado. O recorde foi em maio: 39%.

Nem o presidente Jair Bolsonaro dedicou tanto espaço aos parlamentares. Salvo em abril, quando somaram 22% dos compromissos presidenciais, deputados e senadores sempre consumiram menos de um quinto do tempo de Bolsonaro. Os maiores frequentadores da agenda presidencial foram ministros: ocuparam de 30% (junho) a 55% (fevereiro) dos espaços. O levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública revela ainda que Hamilton Mourão é, dos três, quem mais abre espaço para receber empresários e representantes de entidades empresariais. Também foi o que recebeu, proporcionalmente aos outros compromissos, mais jornalistas para entrevistas, embora cada mês menos.

As informações foram capturadas das agendas oficiais publicadas nas páginas da Presidência da República e do Ministério da Justiça na internet. Cada cor representa um tipo de visitante: parlamentares, diplomatas, empresários etc. As taxas somam 100% e seguem a proporção que cada tipo de visitante alcançou, mês a mês, nas agendas do ministro, do presidente e do vice-presidente. O levantamento faz parte do “Fonte Segura”, um produto que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública deve lançar na primeira quinzena de agosto. “Nossa ideia é oferecer uma solução que busque conectar o debate factual sobre segurança pública com os rumos e desafios da economia e da política”, afirma Renato Sérgio de Lima, diretor-presidente do Fórum.

Made with Flourish

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Leia também

Últimas

A noite mais fria, na capital mais fria

As histórias de quem vive nas ruas geladas de Curitiba  - e por que muitos ainda recusam acolhimento nos abrigos públicos

O limbo brasileiro em Cannes

No maior festival de cinema do mundo, protestos contra Bolsonaro e apreensão com o futuro dos filmes no país

Após o fogo, o remendo

Um dia depois do incêndio em galpão da Cinemateca Brasileira, governo publica chamada aguardada há quase um ano para tentar resolver crise da instituição; proposta inclui até cobrança de taxa para quem quiser guardar filmes no acervo

Foro de Teresina #161: Bolsonaro, o Arenão e suas obras

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Cinemateca Brasileira em chamas

Filmes e documentos foram relegados a abandono criminoso; incêndio de hoje se tornou tragédia anunciada

A farra das emendas pix no Congresso

Deputados e senadores já liberaram mais de 1 bilhão de reais em dinheiro público transferido diretamente para o caixa de estados e municípios, sem finalidade definida nem transparência

‘Bico’ proibido emprega ao menos 47 mil guardas e policiais

Pesquisa inédita revela que 6% dos profissionais da segurança pública admitem trabalhar por fora em segurança privada - o que é barrado por lei

Mais textos