anais da epidemiologia

Políticos, vetores e pandemia

Governantes ao redor do mundo estão entre os contaminados pelo novo coronavírus

José Roberto de Toledo e Thais Bilenky
12mar2020_21h57
Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde  Henrique Mandetta durante live no Facebook
Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde Henrique Mandetta durante live no Facebook Reprodução

 Horas após a Organização Mundial da Saúde declarar pandemia de coronavírus, os presidentes da Câmara e do Senado caminhavam lado a lado pelos corredores do Congresso Nacional – logo atrás, um séquito de seguranças e assessores; à frente, um amontoado de jornalistas. Quando o grupo dobrou um dos muitos ângulos retos do labiríntico Parlamento brasileiro, um retardatário da comitiva divisou um recém-instalado dispenser de álcool gel na quina da parede. Repetindo o gesto que dezenas de centristas, petistas e bolsonaristas haviam feito nas horas anteriores, o assessor apertou o botão e esfregou as mãos, a esquerda borrifando a direita, a direita espalhando na esquerda. A preocupação era suprapartidária e não conhecia hierarquia. “Coronavírus” era a palavra que mais escapava das conversas fugidias dos passantes, fossem as funcionárias da limpeza ou Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre. Os dois presidentes caminhavam simbolicamente juntos rumo a um plenário onde ouviriam o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, pedir dinheiro para combater a Covid-19, doença provocada pelo novo vírus. Políticos e seus auxiliares são vetores de soluções, de problemas, e, vez por outra, são vetores epidemiológicos. É o caso da “coronandemia”.

A comitiva que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro na sua quarta visita aos Estados Unidos em catorze meses de mandato está em isolamento. Precisaram passar por exames laboratoriais depois que o secretário de Comunicação Social Fabio Wajngarten testou positivo para o SARS-CoV-2, como o novo coronavírus foi batizado. A Casa Branca teve que divulgar nota dizendo que o presidente Donald Trump não seria testado já que teve contato mínimo com o brasileiro contaminado. Precisou porque os mercados já estavam em histeria, com a pior queda da Bolsa de Nova York desde 1987. Nada mal para aquilo que Bolsonaro, dias antes, havia qualificado de “fantasia da imprensa”.

Trump disse “não estar preocupado” com eventual contágio, mas o senador americano pela Flórida Rick Scott e o prefeito de Miami Carlos Gimenez, que também se reuniram com os brasileiros, decidiram se isolar em casa por precaução. “Não acho que tenha interagido com a pessoa infectada, mas ela estava na mesma sala que eu”, justificou-se o prefeito. O mesmo acabou fazendo o próprio Bolsonaro. Cancelou viagem ao Rio Grande do Norte na quinta-feira, trancou-se no Palácio da Alvorada, desaconselhou amigos a visitarem-no e se submeteu aos exames que detectam a doença. Também o fez seu filho deputado federal, Eduardo, e sua mulher, Michelle, que integraram a comitiva à Flórida. No fim do dia, o presidente fez uma “live” no Facebook usando máscara cirúrgica.

Antes de os resultados do exame de Bolsonaro se tornarem públicos, o que se espera para esta sexta-feira, espalhou-se no mercado financeiro a versão segundo a qual o presidente testou positivo. A Bolsa de São Paulo fechou o dia em queda de quase 15% depois de duas paralisações do pregão forçadas pelos maus resultados das negociações. O dólar encerrou o dia valendo R$ 4,78, após atingir o pico de R$ 5.



Trump e Bolsonaro não são os únicos governantes que a Covid-19 andou espreitando. O senador americano Ted Cruz, do Texas, se impôs uma quarentena depois de ter apertado a mão de uma pessoa infectada no CPAC, a conferência conservadora realizada nos Estados Unidos no final de fevereiro, da qual também participou o deputado Eduardo Bolsonaro.

Semanas atrás, metade do gabinete que governa o Irã adoeceu da Covid-19, inclusive o ministro da Saúde dois parlamentares e um conselheiro do líder supremo morreram. Na Itália, o vírus pegou o presidente de um dos partidos da coalizão governista. Uma deputada britânica, que também é secretária de Saúde, foi infectada. O ministro da Cultura da França e ao menos outros cinco deputados do país também. A Espanha fechou sua Câmara depois que o secretário-geral do partido Vox foi diagnosticado com a doença. O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, se impôs isolamento depois que sua mulher apresentou sintomas similares aos da Covid-19.

Por que há tantos governantes infectados? Por dever profissional, políticos mantêm mais contatos interpessoais do que a média da humanidade. Vivem com um séquito à sua volta, atendem dezenas de pessoas diariamente e são insistentemente instados a cumprimentar todos que encontram pelo caminho. Não podem recusar aperto de mão, beijo, abraço nem selfie. Frequentam lugares lotados, como comícios, congressos e festas, quase todo dia. Logo, estão expostos a muito mais oportunidades de contágio do que um não político. O contato pessoal é a principal forma de contágio do SARS-CoV-2. Além disso, o vírus saiu da Ásia para a Europa de avião. Começou a circular no Ocidente entre pessoas que têm alto poder aquisitivo ou ocupações que as obrigam a ir e voltar do exterior. É justamente o tipo de profissional que trabalha em governos ou que se relaciona com burocratas e governantes. Daí a políticos se tornarem vetores da pandemia não demora.

Se os riscos que correm são semelhantes, as reações dos governantes podem ser bem diferentes. Já no final de fevereiro, com duas mortes pelo coronavírus confirmadas na França, o presidente Emmanuel Macron entendeu a gravidade do que estava por vir, “uma epidemia está chegando”, declarou na época. Na semana passada, a chanceler da Alemanha Angela Merkel decidiu encarar publicamente o problema com o ceticismo que a velocidade de sua propagação desperta. Quando três mortes e 1.296 casos haviam sido confirmados em seu país, a maior economia europeia, Merkel não tergiversou. O consenso entre especialistas, ela antecipou, é que de 60% a 70% da população deve ser infectada enquanto perdurar o quadro atual, em que não há vacina ou tratamento disponíveis.

No canto oposto ficaram as reações dos governantes brasileiros. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, fez troça da possibilidade de a presidente do Todos pela Educação ter estado com suspeita da doença – o evento que a organização promoveu foi suspenso no meio da programação para evitar contágios, depois que Rodrigo Maia já havia participado. No Twitter, citou um salmo da Bíblia que diz: “O Senhor fará recair sobre eles a sua própria iniquidade, e os destruirá na sua própria malícia; o Senhor nosso Deus os destruirá”. Os exames laboratoriais de Priscila Cruz, a presidente do Todos pela Educação, acabaram por descartar a infecção. Já a contraprova de Wajngarten, um colega de Weintraub, deu positivo. Iniquidades da pandemia.

Até dias antes desafiado pelo Executivo, o Congresso está agora sendo bajulado pelo governo federal. Bolsonaro e equipe precisam dos parlamentares para aprovar medidas emergenciais, como a liberação de verba extra para o sistema de saúde. Alvo preferencial dos memes bolsonaristas nas redes, Rodrigo Maia, como presidente da Câmara, tem o poder de pautar ou não a votação dos pedidos emergenciais do governo. Indagado se, como Bolsonaro e sua equipe, ele iria se submeter ao teste da Covid-19, Maia disse que não. Há vantagens em manter uma relação distante com o presidente da República.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Desespero e solidariedade em Manaus

Rapaz que perdeu três parentes para a Covid relata os dias em que lutou para que sua mãe pudesse ter oxigênio 

2020 – Deletar ou nunca esquecer?

Esquecimento apaga a avaliação de erros e responsabilidades; urgente é construir memorial em homenagem às vítimas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.