questões pouco diplomáticas

Primeiro Bannon, depois os generais

Na véspera do levante na Venezuela, chanceler brasileiro discutiu intervenção no país vizinho com guru da extrema direita dos EUA

Thais Bilenky
03maio2019_11h17
O general Augusto Heleno, Araújo e Bannon
O general Augusto Heleno, Araújo e Bannon INTERVENÇÃO DE PAULA CARDOSO SOBRE FOTOS DE ANTONIO CRUZ E MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Depois de um dia de trabalho na Casa Branca, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, encerrou a segunda-feira passada, 29 de abril, a quatro quilômetros da sede do governo americano. No sobrado de três andares que usa como apoio em Washington, apelidado de embaixada, o estrategista americano Steve Bannon recebeu o chanceler brasileiro. O assunto discutido ao longo do dia se estendeu até a noite. A atuação do Brasil na crise da Venezuela precisaria ser cautelosa, advogou o americano.

Ex-assessor do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e ideólogo da extrema direita em ascensão, Bannon fez ponderações à tese intervencionista insinuada por Araújo e por aquele com quem divide informalmente o título de chanceler, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro. Em situações como a venezuelana, disse, pode ser mais fácil entrar do que sair. Seria um problema para o Brasil se uma eventual intervenção no país vizinho tivesse o mesmo destino que a americana no Afeganistão, comparou. Lá se foram dezoito anos, um trilhão de dólares e 2 300 soldados americanos mortos, com benefícios aquém dos esperados por Trump.

O ministro mencionou ações que estudava tomar para cooperar com o autoproclamado presidente Juan Guaidó a romper com a ditadura de Nicolás Maduro. Ele falou em ajuda logística, transporte de bens de consumo imprescindíveis, concessão de asilo a desertores venezuelanos e até mesmo uma iniciativa militar se a situação no país se deteriorasse muito rapidamente. Em fevereiro, o Itamaraty patrocinou uma ajuda humanitária, mas a ação não teve um bom desfecho. Caminhonetes com alimentos e medicamentos avançaram apenas alguns metros em solo venezuelano e então tiveram de recuar depois de um tumulto e bloqueio por ordem de Maduro.

A ala ideológica do governo Bolsonaro, composta por simpatizantes do polemista Olavo de Carvalho como Araújo, sabe que uma intervenção militar enfrenta enorme resistência do grupo de ministros generais. Por isso, não escancara quaisquer intenções nesse sentido. O chanceler, oficialmente, negou que a viagem tinha o objetivo de tratar da Venezuela. A principal pauta, alegou, era dar continuidade ao que fora discutido por Bolsonaro e Trump, em março, na Casa Branca.

Mas, na segunda-feira, o chanceler deixou escapar a expectativa com o desenrolar das manifestações convocadas por Guaidó contra Maduro. Ao longo do dia, Araújo estivera com as principais autoridades americanas simpáticas, como ele, a ações militares na Venezuela para a derrubada do ditador. Na agenda oficial do chanceler foram anotadas reuniões com Mike Pompeo, secretário de Estado americano, e John Bolton, conselheiro de segurança nacional.

“A esperança é sempre muito presente de que essa extraordinária mobilização popular que está havendo na Venezuela se consolide e que haja realmente o recomeço da democracia”, declarou em Washington, depois de se encontrar com Pompeo. “Mas é preciso ser prudente e não esperar demais nesse momento. Se for nesses dias (a queda do regime) seria realmente extraordinário”, completou.

Os americanos também comentaram a possibilidade de Maduro ser encurralado. O conselheiro de segurança nacional, Bolton, citou nominalmente os militares de alta patente da Venezuela que teriam, segundo ele, se comprometido a abandonar Maduro, entre eles, o ministro da Defesa, Vladimir Padrino.

Depois do dia cheio, Araújo voou de volta para o Brasil. Na terça-feira, 30 de abril, quando chegou a Brasília, Guaidó havia conclamado a população a ir às ruas apoiá-lo, uma vez que, assegurava, as Forças Armadas do país já não eram mais leais a Maduro. Naquela manhã, Araújo continuava otimista. “Nos parece que é positivo que haja um movimento de militares que reconhecem a constitucionalidade do presidente Juan Guaidó. Cumprem seu dever constitucional de lealdade ao presidente legítimo. Precisamos ver a dimensão disso”, afirmou.

Militares aliados à oposição já estavam nas ruas de Caracas acompanhados de cidadãos civis, numa manifestação que parecia caminhar para a tomada de poder. Bolsonaro, nas redes, reiterou seu apoio a Guaidó.

Às 11h45 da terça, o chanceler rumou para o Palácio do Planalto, onde tinha agendado um encontro no qual apresentaria ao presidente Bolsonaro o bilionário venezuelano Gustavo Cisneros, opositor do regime venezuelano desde os tempos de Hugo Chávez. Um interlocutor disse que a visita no dia em que a oposição ia às ruas contra Maduro fora apenas uma coincidência “até feliz”.

Terminada a conversa com Cisneros, Araújo permaneceu no Planalto. Fora convocado pouco antes para uma reunião de emergência sobre a Venezuela. Além dele, os ministros generais Augusto Heleno, do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), e Fernando Azevedo, da Defesa, falariam da escalada de tensão no país. Na saída, a cacofonia do governo voltou a estrilar. Heleno tinha informações divergentes das de Araújo e um discurso oposto.

“Foi anunciado pelo Guaidó um maciço apoio das Forças Armadas. Logo depois disso foi colocado na dimensão correta, ou seja, havia um certo apoio das Forças Armadas, mas isso não chegava a atingir os altos escalões. Ficava ali, no escalão mais baixo”, disse Augusto Heleno. Patrino, o ministro da Defesa que Bolton dissera estar comprometido a abandonar Maduro, apareceria em público para jurar lealdade ao ditador. O vice-presidente, general Hamilton Mourão, negou uma intervenção militar brasileira na Venezuela. “Não existe possibilidade”, declarou.

A versão de militares do Planalto contrastava com a de Araújo. O serviço de inteligência brasileiro nunca trabalhou com a informação de que algum general de alta patente estivesse disposto a abandonar Maduro. Ao contrário. Os fardados mais graduados temem se engajar na derrubada de Maduro e depois não se beneficiarem de uma anistia negociada com o eventual governo de transição. Há ainda aqueles envolvidos com tráfico de drogas, aos quais não interessaria uma mudança de regime.

Desde a véspera, a ala militar estava cética. Por isso, a equipe do GSI não alterou sua rotina diante da expectativa de manifestações na Venezuela, inicialmente marcadas para dia 1º de maio, depois adiantadas por Guaidó para o dia 30. O Brasil monitora a situação, afirmou um militar, e pode oferecer ajuda humanitária, se necessário. Mas só.

Bolsonaro, mais uma vez, aderiu ao tom olavista. No Twitter, às duas horas da tarde, disse que “a situação preocupa a todos”, e sugeriu que poderia tomar medidas mais drásticas. “Qualquer hipótese será decidida exclusivamente pelo presidente da República, ouvindo o Conselho de Defesa Nacional”, determinou.

Políticos reagiram, e Rodrigo Maia, presidente da Câmara, lembrou Bolsonaro que o Congresso precisa autorizar eventual declaração de guerra, de acordo com a Constituição.

No final da terça-feira, estava claro que Guaidó não tinha o apoio que anunciou ter. Bannon contou a amigos que ele também estava um pouco surpreso com o resultado da ação do opositor venezuelano. Olavistas reclamaram dos generais brasileiros, que de pronto rechaçaram a intervenção. Militares se disseram preocupados com o entusiasmo de Araújo com os americanos e a ação contra Maduro. Mais um dia de idas e vindas no governo Bolsonaro.

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

As salgaterias do sertão

Migrantes aprendem a fazer salgados em São Paulo, voltam para o interior da Paraíba e viram empreendedores locais 

Domingo carioca com astronauta na Lua

Como o Rio viu do MAM, entre futebol, ansiedade e vaias, o pouso da Apollo 11 em solo lunar

Foro de Teresina #60: A canetada de Toffoli, a chapa de Eduardo e o cachê de Dallagnol

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Estou me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar – descobrindo o desconhecido

Os desencontros entre o documentarista e seus personagens

Zero Três vira o Zero Um entre Bolsonaros 

Eduardo é nome preferido do pai para embaixada em Washington, no lugar de diplomata mais ligado ao grupo de Flavio e a olavistas

Boatos sobre políticas públicas serão o foco da nova edição do projeto Comprova

Iniciativa, no ar a partir de hoje, conta com a participação da piauí e de mais 23 veículos de todo o país

Falta de verbas e governo Bolsonaro ameaçam legado do SUS

Cientistas projetam piora de indicadores de saúde pública caso haja estagnação dos recursos para a área

Foro de Teresina #59: A popularidade de Bolsonaro, o Congresso após a Previdência e o espólio de Moro

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

As salgaterias do sertão

Migrantes aprendem a fazer salgados em São Paulo, voltam para o interior da Paraíba e viram empreendedores locais 

2

Zero Três vira o Zero Um entre Bolsonaros 

Eduardo é nome preferido do pai para embaixada em Washington, no lugar de diplomata mais ligado ao grupo de Flavio e a olavistas

4

Domingo carioca com astronauta na Lua

Como o Rio viu do MAM, entre futebol, ansiedade e vaias, o pouso da Apollo 11 em solo lunar

5

O pranto dos livros

Texto de 17 de janeiro de 1997, extraído de um dos quase cem cadernos deixados pelo autor de Formação da Literatura Brasileira

7

O corpo crítico

Por que me rebelei contra o sistema médico-hospitalar

8

Foro de Teresina #60: A canetada de Toffoli, a chapa de Eduardo e o cachê de Dallagnol

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Jeitinho sobre rodas

O bolsonarismo e o trânsito