festival

A prisão forjada do repórter russo Ivan Golunov

A acusação por porte de drogas foi considerada uma tentativa de silenciar o jornalista do portal "Meduza"

06set2019_16h05

O repórter russo Ivan Golunov já passou pelas redações do canal de tevê independente Dozhd (também conhecido como tv Rain), do jornal econômico Vedomosti, do site Republic, do conglomerado de mídia RBK e já publicou reportagens na revista norte-americana Forbes.

Hoje, integra a equipe do portal Meduza como correspondente especial, onde assina reportagens especialmente sobre escândalos de corrupção. E também é onde, nos dois últimos meses, se tornou o jornalista mais conhecido do país.

Isso aconteceu quando teve a prisão decretada por tráfico de drogas em grande escala, por supostamente ter na mochila cerca de 4 g de mefedrona (uma droga sintética), e depois disseram ter encontrado 6 g de cocaína no apartamento que ele estaria em Moscou. A acusação foi considerada uma tentativa de silenciar o profissional, que investigava o pagamento de propina para agentes que administravam ilegalmente os cemitérios públicos de Moscou.

Entre os indícios da acusação forjada estão o fato de que os agentes demoraram cerca de catorze horas para informar sobre a detenção do repórter e publicaram na internet fotos do suposto material confiscado: foi comprovado que a maior parte dessas fotos era falsa e elas foram apagadas posteriormente. A acusação poderia manter o jornalista preso por um período entre dez e vinte anos.



Ele ficou detido por quase uma semana e depois aguardou julgamento em prisão domiciliar. A acusação acarretou a mobilização da imprensa nacional e internacional e resultou em manifestações de setores e da população. Na sequência, o processo contra o jornalista foi encerrado.

No Festival Piauí de Jornalismo ele vai contar mais detalhes desse episódio na conversa com a repórter da piauí Thaís Bilenky e o colunista da Folha de SP Jaime Spitzcovsky.

Leia Também

Relacionadas Últimas

O jornalismo de oposição na Nicarágua e o exílio de Carlos Chamorro

O fundador e editor do portal "Confidencial", na Nicarágua, vive desde o começo do ano exilado na Costa Rica

Rania Abouzeid e a cobertura da guerra na Síria

A neozelandesa filha de imigrantes libaneses produz conteúdo sobre a região para diversos veículos

Festival Piauí de Jornalismo – Quando a imprensa se torna o adversário

Editor-executivo do site da piauí e curador do Festival, José Roberto de Toledo comenta o tema desta edição

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Interação com o público ajuda a ganhar e manter audiência

Fidelidade de ouvintes pode se transformar em financiamento coletivo e ajudar a manter podcasts

Os desafios e a rotina de contar histórias em podcast

Roteiro capaz de amarrar narrativas é segredo para um bom programa; dificuldade de financiamento é cotidiana

Mais textos
4

Maria Vai Com as Outras #4: Gênero, número e raça

Empresária do ramo da beleza e uma doutora em psicologia explicam como as grandes empresas veem, recebem e remuneram a mulher negra

6

Camaradas!

O PCB existe, luta e não entrega os pontos

7

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

9

Em defesa dos adjetivos

Ditadores e generais costumam dispensar tudo o que não seja verbo e substantivo

10

Maitê Proença tira sutiã contra botox de Álvaro Dias

FINA ESTAMPA - O sucesso do vídeo contra a usina de Belo Monte botou em polvorosa os atores globais. Nos últimos quatro dias, 14.329 vídeos foram gravados com opiniões contra e a favor da unha encravada, da comida orgânica, da ilha de Capri, de assessores de imprensa e de cremes para as mãos, entre outras dezenas de assuntos. "A população brasileira não pode ficar às cegas", explicou William Bonner, que gravou um depoimento defendendo as mechas brancas nos cabelos de âncoras de telejornais do horário nobre.