anais do desastre

A profundidade da lama

Pesquisadores vão a campo estimar até onde chega a catástrofe ambiental provocada pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho

Consuelo Dieguez
29jan2019_16h47
INTERVENÇÃO DE ISABELA DA SILVEIRA EM FOTO DE ISAC NÓBREGA/AGÊNCIA BRASIL

Os cientistas da Universidade Federal de Juiz de Fora montaram uma força-tarefa para analisar a natureza dos rejeitos da lama de minério da barragem do Feijão, em Brumadinho, pertencente à Vale, que rompeu na sexta-feira, 25 de janeiro. O rompimento despejou 12,7 milhões de metros cúbicos de rejeito na natureza e provocou a morte de 65 pessoas, além de 279 desaparecidos até o final da noite desta segunda-feira. O grupo de cientistas está em contato com pesquisadores do comitê de bacias hidrográficas, que estão em Brumadinho recolhendo amostras de água e sedimentos deixados pelos rejeitos de minério de ferro.

Ainda que a lama pesada fique sedimentada no fundo do rio Paraopeba e não chegue até o rio São Francisco, afirma o geógrafo Miguel Felippe, da UFJF, os danos para a natureza já são devastadores. Felippe explicou que lama de minério possui três camadas: a densa, que fica no fundo dos rios, a mais fina, que boia na superfície, e a química, misturada à água, com alto poder de contaminação. Os cientistas estão pesquisando se a natureza do rejeito de Brumadinho é o mesmo da barragem de Fundão, em Mariana, que rompeu em 2015. Caso seja, a contaminação dos rios – primeiro o Paraopeba e depois, possivelmente, o São Francisco – será semelhante à do rio Doce, para onde vazou o minério daquela barragem. Isso significa que os rios podem ficar impróprios para pesca e uso da água, como ocorre com o Doce.

No caso do rio Doce, segundo Felippe, os principais contaminantes foram ferro, alumínio e manganês. Mas alguns grupos de cientistas encontraram também bário, mercúrio e arsênio. “Se forem comprovados estes contaminantes, haverá mudança química na água dos rios”, alertou Felippe. Já o sedimento mais pesado, que é a lama, tem o efeito de sufocação. Felippe não acredita que isso venha a ocorrer com o São Francisco, já que a lama, por ser em menor quantidade que os 55 milhões vazados em Fundão, tende a se dissipar no caminho. O impacto maior deve ser mesmo no Paraopeba, um dos principais afluentes do São Francisco.

Ainda assim o efeito é dramático para a dinâmica dos rios, que será certamente alterada. “Muda o ambiente fluvial que é criadouro de vida. Acaba com os hábitos dos animais, sejam peixes ou outras espécies”, disse. “As consequências são graves. A transformação do rio é de médio e longo prazos e a sua recuperação não se dá de um dia para o outro.”

Ele alertou para o acúmulo de rejeitos nas margens do rio Paraopeba. Esse material é carregado de ferro e outros contaminantes. A cada chuva, os sedimentos correm para os rios, e agravam a contaminação. Felippe não acha menos preocupante o fato de os rejeitos pesados ficarem retidos no fundo do lago da barragem de Três Marias, sem prosseguirem pelo São Francisco. “Ainda que a lama não passe, os contaminantes atingirão o rio.”

Na tarde de segunda-feira, o Operador Nacional do Sistema Elétrico fechou a barragem de Retiro Baixo, onde espera conter parte dos rejeitos de minério de ferro que descem o Paraopeba. A decisão foi tomada para não comprometer as turbinas da usina. A expectativa era de que a lama não chegasse até a barragem de Três Marias, a 70 quilômetros dali, o que obrigaria o ONS a tirá-la também de operação. Enquanto a de Retiro Baixo gera apenas 20 megawatts, a de Três Marias gera cerca de 300 megawatts. Todo o sistema nacional produz, em conjunto, 109 mil megawatts.

A Cemig, empresa controladora da barragem de Três Marias, embora não acredite na possibilidade de a lama ter força para chegar à usina, está monitorando o movimento dos rejeitos. A assessoria de imprensa da empresa explicou que, se a lama chegar à represa, as comportas teriam que ser abertas para evitar a destruição das turbinas. “Não há muita saída”, explicou o porta-voz da Cemig, Carlos Santiago. “Mesmo porque, se a represa retiver a água, coloca a barragem em risco de estourar.” Afora isso, se a água fosse retida, a vazão do São Francisco ficaria comprometida.

A Vale afirmou nesta segunda-feira que vai construir um dique em Pará de Minas, a cerca de 75 quilômetros de Brumadinho, ainda antes de Retiro Baixo, para tentar segurar os rejeitos. O objetivo, conforme afirmou em coletiva de imprensa o diretor financeiro da companhia, Luciano Siani, é “reter os coloides, partículas muito grossas [de minério], e permitir a continuidade da captação de água” nas cidades ao longo do leito do Paraopeba. Siani informou também que a empresa vai pagar 100 mil reais para cada família das vítimas, a título de auxílio, enquanto não se discute como será feita a indenização.

Durante a tarde desta terça-feira, a equipe de cientistas da Universidade Federal de Juiz de Fora tentava entender o que significa a proposta da Vale de colocar o dique – uma “membrana”, como definiu Siani – para conter a passagem dos rejeitos e evitar que a lama chegue até o São Francisco. “O que Samarco fez, à época do rompimento daquela estrutura, em Mariana, foi construir um dique no rio Santarem. Isto é impossível de ser feito no Paraopeba, por ser um rio muito maior”, afirmou Miguel Felippe, “Mas as informações divulgadas pela Vale até aqui são insuficientes para uma avaliação mais precisa.” A piauí pediu à assessoria de imprensa da Vale que detalhasse a técnica da membrana. A empresa não respondeu até a publicação desta reportagem.

Outra alternativa tentada pela Samarco em 2015, para evitar que a lama chegasse até o mar do Espírito Santo, foi colocar barreiras esféricas usadas para a contenção de vazamentos de petróleo no mar. Não funcionou. O óleo tem uma viscosidade diferente da lama. É possível que o combustível grude nessas barreiras, em forma de bolas, mas a lama passou por elas sem ser detida.

Integrante da força-tarefa de cientistas no rompimento de Fundão, Felippe contou que ele tentou argumentar com os técnicos da empresa que instalavam os balões, a Ocean Pact, contratada pela Samarco, Vale e BHP, de que a técnica não funcionaria para a lama. “Quase me enxotaram de lá”, contou. “Evidentemente, a técnica não funcionou”, disse. Aquela, segundo ele, foi uma tentativa das três empresas de dar uma justificativa à Justiça que ameaçava multá-las caso não conseguissem deter os rejeitos. A lama não foi contida, e menos de 6% das multas ambientais foram pagas.

De qualquer forma, explicou o cientista, ainda que seja eficaz uma membrana para conter resíduos físicos, ela não é capaz de reter os contaminantes misturados à água. Isso significa que tanto o Paraopeba quanto o São Francisco serão contaminados por substâncias tóxicas contidas na lama.

O geógrafo Luiz Jardim, da Universidade do Estado do Rio Janeiro, usou de uma imagem dramática para explicar o que aconteceria caso a lama chegasse espessa à barragem de Três Marias, que fica no início do rio São Francisco. “Seria uma escolha de Sofia. Decidir como matar o São Francisco. Ou por sufocamento, permitindo que as comportas fossem abertas, arrastando a lama para o rio, ou pela retenção da água.” O rio Paraopeba é um dos principais afluentes do São Francisco e impedir que a água seguisse seu curso reduziria sua vazão.


As ações da Vale desabaram, na segunda-feira, dia 28, no Brasil e na bolsa de Nova York, e a companhia perdeu 72 bilhões de reais de seu valor de mercado. Os maiores controladores da Vale são os fundos de pensão das empresas estatais – Previ, Petros e Funcef – e o BNDES, com cerca de 27% das ações com direito a voto, sendo seus maiores acionistas, e a Bradespar, braço de participação do Bradesco, e a japonesa Mitsui, com cerca de 11% das ações com direito a voto. Embora a empresa tenha sido privatizada em 1997, o Estado brasileiro continua como seu maior acionista.

Até o acidente da barragem de Fundão, em Mariana, a Vale fazia parte do Índice de Sustentabilidade Empresarial, o ISE, da B3 (que é a fusão da Bolsa de Valores de São Paulo e da BM&F). Neste índice, são negociadas as ações das trinta empresas com maior liquidez no mercado, isto é, as mais atraentes para os investidores, por serem empresas comprometidas com a sustentabilidade. Com a procura cada vez maior dos investidores por ações de empresas que respeitam o meio ambiente, pertencer ao ISE é um atestado de qualidade que ajuda na valorização da companhia. Durante três anos, a Vale ficou de fora do ISE, e voltou a fazer parte do seleto grupo este ano. A pergunta do mercado é se ela será novamente retirada. Este seria mais um baque para a Vale que, nos últimos dois anos, fez pesados investimentos em comunicação para tentar recuperar a sua imagem, prejudicada com o rompimento da barragem da Samarco, em 2015, controlada por ela e pela anglo-australiana BHP Billiton, o que foi considerado o maior desastre ambiental brasileiro e o maior desse tipo na mineração mundial.

Consuelo Dieguez (siga @consuelodieguez no Twitter)

Consuelo Dieguez, repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Relacionadas Últimas

Tragédia que vale por dez

“Era lógico que isso iria acontecer”, diz procurador que investigou o desastre de Mariana sobre rompimento de barragem da Vale em Brumadinho

Foro de Teresina #48: O avanço da Previdência, os ataques de Carluxo e a redução da pena de Lula

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“PSL é a Geni do governo Bolsonaro”

Líder do partido no Senado diz que ministros são mal-educados com a base e que nunca falou com Santos Cruz

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

3

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

4

O apocalipse dos insetos

O futuro sinistro de um mundo sem mosquitos nem abelhas

5

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

6

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

7

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

8

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

9

O chanceler do regresso

Os planos de Ernesto Araújo para salvar o Brasil e o Ocidente

10

Ordem no bandejão

Universitários se reúnem para celebrar o conservadorismo