questões eleitorais

Projeto Comprova começa a verificar as eleições no Brasil

Pelo número de WhatsApp (11) 97795-0022, o público poderá questionar conteúdos relacionados à corrida eleitoral

06ago2018_20h13

O projeto Comprova dá início nesta segunda-feira às operações de combate à desinformação e a conteúdos enganosos na internet durante a campanha eleitoral. Coordenada pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), a partir de uma iniciativa do First Draft, um projeto do Centro Shrestein da Harvard Kennedy School, a coalizão reúne 24 organizações de mídia de todo o país, incluindo a revista piauí.

Por meio de um número de WhatsApp – (11) 97795-0022 –, o público poderá denunciar conteúdos suspeitos relacionados às eleições. O objetivo da coalizão é verificar a origem de textos, áudios e imagens virais. Não haverá verificação de declarações dadas por candidatos, pois isso não se enquadra no escopo do projeto.

De olho na importância que as redes sociais terão nos resultados desta eleição, o objetivo da iniciativa é engajar eleitores no combate à desinformação durante a campanha e limitar a circulação de boatos de teor eleitoral no WhatsApp e em outras redes. Os leitores serão encorajados a compartilhar a informação checada com seus contatos.

Os interessados devem salvar o número (11) 97795-0022 na lista de contatos de seu celular e então enviar uma mensagem com o pedido de checagem. Todos os conteúdos verificados pelo projeto estarão disponíveis no site projetocomprova.com.br em formato de ficha técnica. O material terá licença Creative Commons, ou seja, poderá ser republicado por qualquer veículo interessado, desde que haja atribuição ao Comprova e o conteúdo não seja alterado.

Para Daniel Bramatti, presidente da Abraji, abrir um canal de participação de usuários do WhatsApp é uma iniciativa que reforça e amplia o caráter colaborativo do projeto. “Como o WhatsApp não é uma rede aberta e seu conteúdo é criptografado, só com a ajuda dos usuários poderemos responder ao conteúdo enganoso que circula na plataforma”, observou.

As organizações jornalísticas envolvidas no Comprova são: AFP, Band News, Band TV, Canal Futura, Correio do Povo, Exame, Folha de S.Paulo, GaúchaZH, Gazeta Online, Gazeta do Povo, Jornal do Commercio, Metro Brasil, Nexo Jornal, Nova Escola, NSC Comunicação, O Estado de S. Paulo, O Povo, Poder360, Rádio Band News FM, Rádio Bandeirantes, piauí, SBT, UOL e Veja.

O Comprova conta com o apoio do Projor, entidade que trabalha para fortalecer o jornalismo no Brasil. A Google News Initiative e o Projeto de Jornalismo do Facebook ajudaram a financiar o projeto, e ambas as empresas estão fornecendo suporte técnico e treinamento para as equipes envolvidas.

Parceiros institucionais incluem a Abraji, a ANJ (Associação Nacional de Jornais), o escritório do Centro David Rockefeller para Estudos Latino-Americanos da Universidade de Harvard, o Projor, a agência Aos Fatos e a RBMDF Advogados. Os parceiros de tecnologia incluem CrowdTangle, NewsWhip, Torabit, Twitter e WhatsApp.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Tempo eleitoral: modos de usar

Os dilemas do PSDB e do PT numa disputa atípica

Produtor de soja do MS é autor de “outdoor rural” pró-Bolsonaro

Projeto Comprova descobriu quem é o responsável pela imagem que viralizou e circula na internet desde o ano passado

A culpa do alto clero

Arranjo institucional do país aumenta a influência do dinheiro na política

O Grenal das vices

20 perguntas para mostrar as muitas diferenças e os poucos pontos em comum entre as gaúchas Manuela D’Ávila e Ana Amélia

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

Maria vai com as outras #6: Lugar de homem

Adinaildes Gomes, dona de uma empresa de construção civil e motorista de aplicativo, e Karla de Souza, vigilante patrimonial, contam como é atuar em profissões historicamente masculinas

O medo e o mito

A relação entre Bolsonaro e um hit do axé

No sofá, com a crise

Desempregados passam a lavar carros em ruas do Rio e serviço conta até com sofá para os clientes. Um deles pergunta: “Prefere que eu assalte?”

Com Deus, sem Lula

Impressões sobre o primeiro debate dos presidenciáveis

O debate traduzido para o mercado financeiro

Em pesquisa para bancos, Ciro foi apontado como o candidato mais simpático, e Bolsonaro, o mais alvejado; piauí acompanhou o programa em consultoria que monitora redes sociais para as instituições

Mais textos