questões eleitorais

Projeto Comprova vai desmistificar boatos nas eleições

Grupo de 24 veículos brasileiros, entre eles a piauí, fará checagem para combater notícias falsas na campanha

28jun2018_12h35
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Um grupo de jornalistas de 24 veículos brasileiros vai desmistificar boatos e notícias falsas durante a campanha eleitoral deste ano. A piauí faz parte do projeto colaborativo, chamado Comprova, que será lançado nesta quinta-feira no Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). A partir de 6 de agosto e até o fim do pleito, os veículos parceiros vão detectar e verificar rumores nas redes sociais, site e conteúdo que circula no WhatsApp.

Pioneira no Brasil, a coalizão foi idealizada pelo Projeto Information Disorder e pela First Draft International, do Centro Shorenstein para Mídia, Política e Políticas Públicas, da Universidade de Harvard. A iniciativa brasileira segue o exemplo de outros projetos internacionais, como o CrossCheck, também criado pela First Draft, que fez checagem de notícias falsas nas eleições francesas em 2017.

“O volume de conteúdo problemático circulando no Brasil é grande demais para que um único veículo lide com ele, e não faz sentido que diferentes redações dupliquem esforços para investigar os mesmos casos de conteúdo problemático”, disse Claire Wardle, diretora do First Draft. “Ao treinar redações e unir esforços, acreditamos que um projeto como este possa ter impacto duradouro no Brasil.”

A coalizão checará apenas rumores que digam respeito à eleição presidencial. Para que nenhum desmentido dê fôlego a boatos com menor relevância, só será feita checagem quando este alcançar repercussão nas redes. O Comprova publicará as checagens apenas após a aprovação de pelo menos três veículos do grupo. Os relatos estarão no site do Comprova, no Facebook, Twitter e no canal de YouTube do projeto. Cada redação poderá compartilhá-los em seus canais. “O desafio do combate à desinformação exige uma ação coordenada”, disse Daniel Bramatti, presidente da Abraji e coordenador do Comprova. “Nunca tantos veículos concorrentes se uniram em um projeto colaborativo como este, e a Abraji se orgulha de fazer parte desta iniciativa.”

 

Além da piauí, vão participar da coalizão a AFP, Band (emissoras de tevê e rádios do grupo), UOL, Canal Futura, Correio do Povo, Exame, Folha de S.Paulo, Zero Hora, Gazeta do Povo, Gazeta Online, Jornal do Commercio, Metro Brasil, Nexo Jornal, Nova Escola, NSC Comunicação, O Estado de S. Paulo, O Povo, Poder360, SBT e Veja.  O Google News Initiative e o Facebook Journalism Project ajudam a financiar o projeto e oferecem treinamento e apoio técnico. Os parceiros institucionais da iniciativa são Associação Nacional de Jornais (ANJ), RBMDF Associados, Escritório da Universidade de Harvard no Brasil, Projor, Torabit, Ideal H+K Strategies e Twitter.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

Valores permanentes, circunstâncias efêmeras

Cinema, apesar de tudo, mas em que condições?

Traduzindo a pandemia

Sem aulas na quarentena, professores e estudantes universitários criam núcleos de tradução para divulgar artigos científicos e combater informações falsas sobre a Covid-19

Quarentena evita um bilhão de toneladas de carbono na atmosfera

Emissão de poluentes caiu 17% no mundo; no Brasil, queda chegou a 25% em 20 de março, mas regrediu a 8% no fim de abril

A Terra é redonda: Imunização racional

Enquanto o mundo aguarda uma vacina contra o novo coronavírus, ativistas insistem em questionar a segurança e a eficácia desses compostos

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Tem cloroquina?

Um balconista de farmácia conta seu dia a dia durante a pandemia

3

O que move a CNN Brasil

Com dois sócios que sempre estiveram ao lado do poder, a nova emissora tenta mostrar que pode ser independente

4

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

5

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

6

Pesquisa revela 12 vezes mais infectados que dados oficiais

Estudo em seis distritos de São Paulo feito por epidemiologistas, laboratório Fleury e Ibope encontra 5% de moradores com anticorpos para SARS-CoV-2

7

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

10

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos