questões eleitorais

Projeto Comprova vai desmistificar boatos nas eleições

Grupo de 24 veículos brasileiros, entre eles a piauí, fará checagem para combater notícias falsas na campanha

28jun2018_12h35
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Um grupo de jornalistas de 24 veículos brasileiros vai desmistificar boatos e notícias falsas durante a campanha eleitoral deste ano. A piauí faz parte do projeto colaborativo, chamado Comprova, que será lançado nesta quinta-feira no Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). A partir de 6 de agosto e até o fim do pleito, os veículos parceiros vão detectar e verificar rumores nas redes sociais, site e conteúdo que circula no WhatsApp.

Pioneira no Brasil, a coalizão foi idealizada pelo Projeto Information Disorder e pela First Draft International, do Centro Shorenstein para Mídia, Política e Políticas Públicas, da Universidade de Harvard. A iniciativa brasileira segue o exemplo de outros projetos internacionais, como o CrossCheck, também criado pela First Draft, que fez checagem de notícias falsas nas eleições francesas em 2017.

“O volume de conteúdo problemático circulando no Brasil é grande demais para que um único veículo lide com ele, e não faz sentido que diferentes redações dupliquem esforços para investigar os mesmos casos de conteúdo problemático”, disse Claire Wardle, diretora do First Draft. “Ao treinar redações e unir esforços, acreditamos que um projeto como este possa ter impacto duradouro no Brasil.”

A coalizão checará apenas rumores que digam respeito à eleição presidencial. Para que nenhum desmentido dê fôlego a boatos com menor relevância, só será feita checagem quando este alcançar repercussão nas redes. O Comprova publicará as checagens apenas após a aprovação de pelo menos três veículos do grupo. Os relatos estarão no site do Comprova, no Facebook, Twitter e no canal de YouTube do projeto. Cada redação poderá compartilhá-los em seus canais. “O desafio do combate à desinformação exige uma ação coordenada”, disse Daniel Bramatti, presidente da Abraji e coordenador do Comprova. “Nunca tantos veículos concorrentes se uniram em um projeto colaborativo como este, e a Abraji se orgulha de fazer parte desta iniciativa.”

Além da piauí, vão participar da coalizão a AFP, Band (emissoras de tevê e rádios do grupo), UOL, Canal Futura, Correio do Povo, Exame, Folha de S.Paulo, Zero Hora, Gazeta do Povo, Gazeta Online, Jornal do Commercio, Metro Brasil, Nexo Jornal, Nova Escola, NSC Comunicação, O Estado de S. Paulo, O Povo, Poder360, SBT e Veja.  O Google News Initiative e o Facebook Journalism Project ajudam a financiar o projeto e oferecem treinamento e apoio técnico. Os parceiros institucionais da iniciativa são Associação Nacional de Jornais (ANJ), RBMDF Associados, Escritório da Universidade de Harvard no Brasil, Projor, Torabit, Ideal H+K Strategies e Twitter.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

5

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

9

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

10

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana