questões eleitorais

Projeto Comprova vai desmistificar boatos nas eleições

Grupo de 24 veículos brasileiros, entre eles a piauí, fará checagem para combater notícias falsas na campanha

28jun2018_12h35
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Um grupo de jornalistas de 24 veículos brasileiros vai desmistificar boatos e notícias falsas durante a campanha eleitoral deste ano. A piauí faz parte do projeto colaborativo, chamado Comprova, que será lançado nesta quinta-feira no Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). A partir de 6 de agosto e até o fim do pleito, os veículos parceiros vão detectar e verificar rumores nas redes sociais, site e conteúdo que circula no WhatsApp.

Pioneira no Brasil, a coalizão foi idealizada pelo Projeto Information Disorder e pela First Draft International, do Centro Shorenstein para Mídia, Política e Políticas Públicas, da Universidade de Harvard. A iniciativa brasileira segue o exemplo de outros projetos internacionais, como o CrossCheck, também criado pela First Draft, que fez checagem de notícias falsas nas eleições francesas em 2017.

“O volume de conteúdo problemático circulando no Brasil é grande demais para que um único veículo lide com ele, e não faz sentido que diferentes redações dupliquem esforços para investigar os mesmos casos de conteúdo problemático”, disse Claire Wardle, diretora do First Draft. “Ao treinar redações e unir esforços, acreditamos que um projeto como este possa ter impacto duradouro no Brasil.”

A coalizão checará apenas rumores que digam respeito à eleição presidencial. Para que nenhum desmentido dê fôlego a boatos com menor relevância, só será feita checagem quando este alcançar repercussão nas redes. O Comprova publicará as checagens apenas após a aprovação de pelo menos três veículos do grupo. Os relatos estarão no site do Comprova, no Facebook, Twitter e no canal de YouTube do projeto. Cada redação poderá compartilhá-los em seus canais. “O desafio do combate à desinformação exige uma ação coordenada”, disse Daniel Bramatti, presidente da Abraji e coordenador do Comprova. “Nunca tantos veículos concorrentes se uniram em um projeto colaborativo como este, e a Abraji se orgulha de fazer parte desta iniciativa.”

Além da piauí, vão participar da coalizão a AFP, Band (emissoras de tevê e rádios do grupo), UOL, Canal Futura, Correio do Povo, Exame, Folha de S.Paulo, Zero Hora, Gazeta do Povo, Gazeta Online, Jornal do Commercio, Metro Brasil, Nexo Jornal, Nova Escola, NSC Comunicação, O Estado de S. Paulo, O Povo, Poder360, SBT e Veja.  O Google News Initiative e o Facebook Journalism Project ajudam a financiar o projeto e oferecem treinamento e apoio técnico. Os parceiros institucionais da iniciativa são Associação Nacional de Jornais (ANJ), RBMDF Associados, Escritório da Universidade de Harvard no Brasil, Projor, Torabit, Ideal H+K Strategies e Twitter.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Quem ri com Bolsonaro

Na porta do Alvorada, empresário apoia agressão a jornalista; nas redes, estratégia bolsonarista amplia alcance de ataques

Seguro sinistro

Despachante de "associações de proteção" oferece prêmio a policiais para recuperar carros roubados no Rio

Foro de Teresina #89: As mentiras de Bolsonaro, a caserna no Planalto e os tiros contra Cid Gomes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

Greve, motim e chantagem pelo poder

Bolsonaro usa demandas dos policiais para enfraquecer governadores, em especial os de oposição

“A jornalistas, oferecem dinheiro ou chumbo”

Repórter reconstitui assassinato do jornalista Léo Veras e lembra rotina de violência do narcotráfico na região

O Farol – fantasia extravagante 

Escassez de opções e presença de Willem Dafoe levam colunista a cair no conto do “horror cósmico com toques sobrenaturais”

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem

Maria Vai Com as Outras #1: A necessidade faz o sapo pular

A camelô Maria de Lourdes e a costureira Alessandra Reis falam da rotina como profissionais autônomas num mercado informal: o das calçadas do Centro do Rio e o da Marquês de Sapucaí

Mais textos
1

Greve, motim e chantagem pelo poder

Bolsonaro usa demandas dos policiais para enfraquecer governadores, em especial os de oposição

2

Quem ri com Bolsonaro

Na porta do Alvorada, empresário apoia agressão a jornalista; nas redes, estratégia bolsonarista amplia alcance de ataques

3

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

5

A pensão de 107 anos

Herdeiros de servidor público receberam legalmente benefício da Previdência de 1912 a 2019 – atravessando nove moedas e trinta presidentes brasileiros

6

Seguro sinistro

Despachante de "associações de proteção" oferece prêmio a policiais para recuperar carros roubados no Rio

7

Foro de Teresina #89: As mentiras de Bolsonaro, a caserna no Planalto e os tiros contra Cid Gomes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

“A jornalistas, oferecem dinheiro ou chumbo”

Repórter reconstitui assassinato do jornalista Léo Veras e lembra rotina de violência do narcotráfico na região

9

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem