=igualdades

Quase metade da humanidade ainda não tem acesso a vacinas contra a Covid-19

Amanda Gorziza e Renata Buono
25jan2021_10h27

A vacinação contra a Covid-19 é a única solução viável para dar fim à pandemia. No dia 17 de janeiro, o Brasil finalmente começou a vacinar sua população. Com isso, entrou tardiamente no rol de mais de cinquenta países que já haviam começado suas campanhas de imunização. Ao todo, esses países concentram 56% da população mundial. Isso significa que 44% da humanidade não tem, até agora, acesso a uma vacina contra a Covid.

Enquanto nas regiões mais ricas do planeta, como a Europa, a grande maioria dos países já iniciou a vacinação, a África vive um cenário desolador. As Ilhas Seychelles é o único país do continente a ter iniciado uma campanha de vacinação contra a Covid-19. Os Emirados Árabes Unidos doaram ao arquipélago cerca de 50 mil doses da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinopharm. 

Para diminuir a desigualdade no acesso às vacinas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu um projeto chamado Covax, que tem por objetivo fornecer imunizantes para países mais pobres. O Brasil é um dos participantes da iniciativa. O programa garante vacinar 20% da população vulnerável do mundo – isto é, profissionais da saúde e doentes. A previsão da OMS é que sejam distribuídas 145 milhões de doses no primeiro trimestre de 2021.

Fonte: Our World In Data

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

Infelizes como nunca

Pesquisa mostra que o brasileiro jamais se sentiu tão infeliz como na pandemia – e que o país é desigual até na infelicidade

Cinco anos para proteger dados sobre manutenção de veículos da Marinha e pesquisas aeroespaciais

Marinha mantém em sigilo por cinco anos documentos sobre veículos – mesmo tempo pelo qual a Agência Espacial Brasileira (AEB) oculta pesquisas sobre foguetes

Mais médicos mal formados

Em duas décadas, Brasil abriu 247 cursos de medicina – uns de excelência e outros onde falta de tudo, de microscópio a paciente para o aluno aprender procedimentos complexos

Até cem anos de sigilo para vacina de Bolsonaro e 41 para documentos americanos sobre ditadura no Brasil

Carteira de vacinação do presidente ficará em sigilo por até cem anos; papéis americanos sobre ditadura brasileira foram mantidos ocultos por 41 anos e 11 meses

Sangue e audiência

Plataformas de streaming apostam em crimes de repercussão nacional e, após sucesso de O Caso Evandro no Globoplay, Netflix responde com série documental sobre Elize Matsunaga

Atraso e confusão na segunda dose da vacina

Promessa de acelerar calendário de vacinação terá de concluir imunização de quem parou na primeira dose – pelo menos 1 milhão de pessoas em apenas oito estados do país

Até cem anos de proteção a Pazuello e cinco para quem denunciou milícia no Rio

Justificativa foi de que documentos continham informação pessoal; o de Pazuello ganhou sigilo de um século, e as cartas, de cinco anos

Mais textos