=igualdades

Quase metade da humanidade ainda não tem acesso a vacinas contra a Covid-19

Amanda Gorziza e Renata Buono
25jan2021_10h27

A vacinação contra a Covid-19 é a única solução viável para dar fim à pandemia. No dia 17 de janeiro, o Brasil finalmente começou a vacinar sua população. Com isso, entrou tardiamente no rol de mais de cinquenta países que já haviam começado suas campanhas de imunização. Ao todo, esses países concentram 56% da população mundial. Isso significa que 44% da humanidade não tem, até agora, acesso a uma vacina contra a Covid.

Enquanto nas regiões mais ricas do planeta, como a Europa, a grande maioria dos países já iniciou a vacinação, a África vive um cenário desolador. As Ilhas Seychelles é o único país do continente a ter iniciado uma campanha de vacinação contra a Covid-19. Os Emirados Árabes Unidos doaram ao arquipélago cerca de 50 mil doses da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinopharm. 

Para diminuir a desigualdade no acesso às vacinas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu um projeto chamado Covax, que tem por objetivo fornecer imunizantes para países mais pobres. O Brasil é um dos participantes da iniciativa. O programa garante vacinar 20% da população vulnerável do mundo – isto é, profissionais da saúde e doentes. A previsão da OMS é que sejam distribuídas 145 milhões de doses no primeiro trimestre de 2021.

Fonte: Our World In Data



Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Parados na contramão

Cidades brasileiras rejeitam um debate urgente: cobrar de usuários de carros custo da infraestrutura pública e destinar recursos ao transporte coletivo

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e sequenciamento do vírus para saber qual tipo prevalece no Brasil

Mais textos
1

Proust, moscas, nada:

no tríduo momesco, uma folia de silêncio

2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

6

Tabloide – doença mental na América

Errol Morris define Tabloide, exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio, como sua “primeira história de amor desde Gates of Heaven [Portais no céu, seu primeiro filme, feito em 1978, sobre dois cemitérios de animais de estimação, na California], uma história de amor estranha, mas muito romântica.” É uma definição desconcertante, ainda mais quando Morris diz estar “contente por ter feito um filme engraçado.”

7

Na piauí_130

A capa e os destaques da edição de julho

8

Polícia Militar não consegue calcular o número de ministérios de Dilma

PASÁRGADA - O Departamento de Cálculo de Multidões da Polícia Militar convocou uma coletiva de imprensa para declarar que não logrou êxito na tarefa de contabilizar o número de ministérios da presidente. "Temos experiência com grandes aglomerações humanas, mas para tudo nessa vida há limite", desabafou, desesperado, o tenente-coronel Oswald de Souza Bolsonaro.