maratona piauí cbn de podcast

Quatro em cada dez internautas já ouviram podcast no Brasil

Pesquisa inédita do Ibope foi divulgada neste sábado na Maratona Piauí CBN de Podcast

11maio2019_15h01

No Brasil, dos cerca de 120 milhões de internautas, 40% já ouviram podcast – são 50 milhões de pessoas que já escutaram algum programa de áudio pela internet. Os dados integram pesquisa inédita realizada pelo Ibope e divulgada neste sábado, 11, na Maratona Piauí CBN de Podcast.

O outro lado dessa moeda é que 32% dos internautas, 38,4 milhões de pessoas,  nem sabem o que é um podcast. O Ibope entrevistou duas mil pessoas entre os dias 15 e 18 de janeiro. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Jovens, homens e integrantes  das classes A e B são os principais interessados em podcasts. Entre os homens, 45% já ouviram podcast ao menos uma vez; entre as mulheres, o índice cai para 36%. A familiaridade com esse tipo de mídia cresce em proporção inversa à idade: entre os jovens, 47% já ouviram podcast; entre os mais velhos, apenas 30%. Mulheres e pessoas com mais de 55 anos são os que menos ouvem podcasts.

“O que a pesquisa mostra é o potencial dos podcasts. E, se nos basearmos na tendência de outros países, é um grande potencial”, disse a CEO do Ibope Inteligência, Marcia Cavallari. Nos Estados Unidos, por exemplo, os podcasts são conhecidos por 70% dos internautas – ou seja, sete em cada dez pessoas. Cavallari participou de uma mesa com Greice Matos, analista de inteligência de mercado da rádio CBN. A conversa foi mediada por José Roberto de Toledo, editor do site da piauí.

O levantamento do Ibope também revela a frequência com que os entrevistados ouvem podcasts. No Brasil, um público fiel de 16 milhões de internautas – ou 19% do total – ouve podcasts três vezes ou mais por semana. Ao todo, 21,5 milhões têm o hábito de ouvir podcast ao menos uma vez a cada sete dias. Por outro lado, 43% dos entrevistados não costumam ouvir programas com regularidade.

Os ouvintes mais assíduos de podcasts, segundo a pesquisa, são jovens de 16 a 24 anos: quase metade deles (47%) escuta programas de áudio ao menos uma vez por semana, e 27% ouvem três vezes ou mais. Entre os mais velhos, por outro lado, 50% não costumam ouvir podcasts com frequência.

O Ibope também fez uma pesquisa qualitativa sobre os hábitos e preferências dos ouvintes. Os podcasts são ouvidos, em geral, enquanto o internauta faz outras atividades (da faxina de casa aos deslocamentos urbanos). A preferência dos ouvintes é por episódios curtos e objetivos.

O celular é, de longe, o equipamento mais usado pelos brasileiros para ouvir podcasts: três em cada quatro ouvintes (75%) utilizam o aparelho. Em seguida vêm o computador, com 40% das preferências, e o tablet, restrito a apenas 8% dos internautas.

A plataforma mais usada por quem ouve podcasts é o YouTube, escolhido por 42% dos entrevistados. Logo atrás vem o Spotify, acessado por 32% dos ouvintes. Juntas, as duas plataformas detêm 74% do público de podcasts no Brasil.

Mas a mesa também tratou de quem faz podcast no Brasil. Greice Matos, da CBN, divulgou uma pesquisa sobre o perfil dos produtores dos programas de áudio no país. O levantamento mostra um cenário ainda pouco profissional: 73,5% dos podcasters gravam seus programas em casa, sem qualquer ambiente especial, e 26,7% gravam em casa, mas improvisando um ambiente de estúdio. Apenas 1,5% dos produtores alugam um estúdio profissional para gravar. A pesquisa está disponível para download no site da Associação Brasileira de Podcasters (ABPod).

O estudo apresentado por Greice mostra também que a produção de podcasts ainda é muito restrita aos homens, que são 87,1% dos podcasters no Brasil. Mas, segundo a analista da CBN, esse é um cenário em transformação. “Já temos um número muito maior de mulheres participando do meio de podcasts hoje. Acredito que isso vá crescer ao longo do tempo.”



Leia também

Últimas Mais Lidas

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Parados na contramão

Cidades brasileiras rejeitam um debate urgente: cobrar de usuários de carros custo da infraestrutura pública e destinar recursos ao transporte coletivo

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e sequenciamento do vírus para saber qual tipo prevalece no Brasil

Mais textos
1

Proust, moscas, nada:

no tríduo momesco, uma folia de silêncio

2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

6

Tabloide – doença mental na América

Errol Morris define Tabloide, exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio, como sua “primeira história de amor desde Gates of Heaven [Portais no céu, seu primeiro filme, feito em 1978, sobre dois cemitérios de animais de estimação, na California], uma história de amor estranha, mas muito romântica.” É uma definição desconcertante, ainda mais quando Morris diz estar “contente por ter feito um filme engraçado.”

7

Na piauí_130

A capa e os destaques da edição de julho

8

Polícia Militar não consegue calcular o número de ministérios de Dilma

PASÁRGADA - O Departamento de Cálculo de Multidões da Polícia Militar convocou uma coletiva de imprensa para declarar que não logrou êxito na tarefa de contabilizar o número de ministérios da presidente. "Temos experiência com grandes aglomerações humanas, mas para tudo nessa vida há limite", desabafou, desesperado, o tenente-coronel Oswald de Souza Bolsonaro.