festival

A relevância do trabalho de Jane Mayer para a imprensa americana

Chefe da sucursal da revista The New Yorker em Washington, ela foi pioneira na cobertura da Casa Branca

26ago2019_18h22

Num perfil publicado este ano na revista Elle, Jane Mayer é citada, logo de cara, como uma das jornalistas investigativas de maior relevância dos Estados Unidos.

Desde 1995 na New Yorker , Mayer hoje chefia a sucursal  da revista em Washington, cobrindo política, cultura e segurança nacional. É autora dos livros Dark Money, sobre os bilionários que estão por trás da ascensão da extrema-direita norte-americana, e Dark Side, baseado em artigos seus publicados na New Yorker sobre o impacto da chamada “guerra contra o terror” adotada pelos Estados Unidos depois do 11 de Setembro.

Quando se fala de Jane Mayer o mais comum é encontrar reportagens sobre esses temas assinadas pela jornalista, entretanto, ela também esteve à frente de uma cobertura de repercussão mundial da qual não é comum estar associada: as investigações e reportagens sobre assédio na indústria cinematográfica que resultaram no maremoto do #MeToo. O mais recorrente é que o o jornalista Ronan Farrow seja considerado o protagonista desse marco da imprensa americana – o que não está errado – mas o trabalho jornalístico de Mayer também foi fundamental para esta cobertura.

E se hoje Jane Mayer faz história em uma das revistas semanais mais tradicionais dos Estados Unidos, pelo Wall Street Journal , onde atuou nas coberturas da Guerra do Golfo e da queda do Muro de Berlim, ela foi a primeira correspondente feminina a cobrir a Casa Branca, isso em 1984.

Mayer também pode ser encontrada nos corredores de Universidade Princeton, onde é professora no curso de jornalismo, e em outubro estará em São Paulo, para a sexta edição do Festival Piauí de Jornalismo. A norte-americana conversará com Malu Gaspar, repórter da piauí, e com o jornalista André Petry.

Leia Também

Relacionadas Últimas

Hanna Rosin fala sobre o uso das redes sociais no movimento feminista

Na conversa com a jornalista Branca Vianna lembra da importância da internet para o movimento MeToo

A América de Jack Bauer bate sem dó nem piedade

No seriado 24 Horas a tortura dá mais resultado do que no Iraque

Jornalistas e divulgadores entrevistarão os pesquisadores convidados

Conheça os mediadores do evento que acontecerá dia 12 de maio, no Rio de Janeiro

Adriana Alves estuda os vulcões extintos no Brasil

A geóloga falará sobre como a atividade vulcânica pode ter afetado o clima global e as formas de vida em nosso território

Antonio Coutinho encerra a programação de encontros entre jornalistas e cientistas

O médico imunologista é um dos cientistas portugueses com maior número de citações na literatura científica

Tasso Azevedo falará sobre mudanças climáticas

O engenheiro florestal discutirá a contribuição do Brasil para o aquecimento global e novas tecnologias para o monitoramento ambiental

Douglas Galante investiga se pode haver vida fora da Terra

Paulistano é chefe da 'Garatéa', primeira missão brasileira à Lua

Mais textos