polêmica

Respostas a Benamê Kamu Almudras

Professores contestam o texto Parece revolução, mas é só neoliberalismo

11fev2021_08h39
Intervenção de Paula Cardoso sobre foto de Hirotoshi Ito de sua obra Escárnio
Intervenção de Paula Cardoso sobre foto de Hirotoshi Ito de sua obra Escárnio

Desde que o texto Parece revolução, mas é só neoliberalismo foi publicado na piauí_172, de janeiro de 2021, a revista tem recebido manifestações por escrito de diversos professores universitários contestando as ideias expressas pelo autor. Para estimular o debate, a piauí publica nos links abaixo as respostas ao texto.

O artigo original defende que muitas das contestações de estudantes contra as práticas da universidade pública brasileira e seu corpo docente são fruto de uma atitude “neoliberal”, que entende a escola como “um supermercado ou um restaurante” e os professores como “serviçais privados”, cuja função é satisfazer os desejos do aluno-cliente. Para o autor, essa atitude resvala, inclusive, no autoritarismo, praticado por estudantes tanto à direita do espectro político como à esquerda.

Dada sua dimensão polêmica, o texto vem assinado pelo pseudônimo Benamê Kamu Almudras, que se identifica apenas como docente de uma universidade pública em São Paulo. “Nestes tempos de cruzadas autoritárias moralistas e de narcisismo midiático neoliberal, uma crítica como a que fiz aqui tem de lançar mão da privacidade autoral como escudo e refúgio”, diz o autor.

 

Leia as respostas ao texto de Benamê Kamu Almudras:

PARECE DEMOCRÁTICA, MAS É AUTORITÁRIA

A universidade precisa aprender a lidar, na prática, com as desigualdades estruturais do Brasil

ÉRICO ANDRADE

*

NEM REVOLUCIONÁRIOS NEM NEOLIBERAIS

Dialogar com os alunos à luz das demandas atuais é essencial para o futuro da universidade pública

MARCUS AURELIO TABORDA DE OLIVEIRA

*

DIÁLOGOS POSSÍVEIS

É preciso ampliar o debate acadêmico para escapar das lógicas binárias que produzem os conflitos entre estudantes e professores

PROFESSORAS DA USP



Leia também

Últimas Mais Lidas

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Parados na contramão

Cidades brasileiras rejeitam um debate urgente: cobrar de usuários de carros custo da infraestrutura pública e destinar recursos ao transporte coletivo

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e sequenciamento do vírus para saber qual tipo prevalece no Brasil

Mais textos
1

Proust, moscas, nada:

no tríduo momesco, uma folia de silêncio

2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

6

Tabloide – doença mental na América

Errol Morris define Tabloide, exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio, como sua “primeira história de amor desde Gates of Heaven [Portais no céu, seu primeiro filme, feito em 1978, sobre dois cemitérios de animais de estimação, na California], uma história de amor estranha, mas muito romântica.” É uma definição desconcertante, ainda mais quando Morris diz estar “contente por ter feito um filme engraçado.”

7

Na piauí_130

A capa e os destaques da edição de julho

8

Polícia Militar não consegue calcular o número de ministérios de Dilma

PASÁRGADA - O Departamento de Cálculo de Multidões da Polícia Militar convocou uma coletiva de imprensa para declarar que não logrou êxito na tarefa de contabilizar o número de ministérios da presidente. "Temos experiência com grandes aglomerações humanas, mas para tudo nessa vida há limite", desabafou, desesperado, o tenente-coronel Oswald de Souza Bolsonaro.