=igualdades

Risco de morrer depois de um ataque de abelhas é 360 vezes o de ter alergia pós-vacina da Pfizer

Amanda Gorziza, Pedro Siemsen, Fernanda Nunes e Renata Buono
27abr2021_09h11

A possibilidade de morrer depois de um ataque de abelhas é 360 vezes maior que a de ter alergia depois de receber a primeira dose da vacina da Pfizer contra Covid-19. No Brasil, uma pessoa morre a cada 250 ataques de abelhas, mas apenas um a cada 90.160 vacinados com a primeira dose tiveram anafilaxia, ou seja, uma reação alérgica forte.

Os benefícios ligados à vacina contra a Covid-19 superam os mínimos riscos que elas carregam. Em entrevista, Nancy Messonnier, chefe dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos Estados Unidos, afirmou que casos de anafilaxia em decorrência da vacina são extremamente raros e que as complicações da Covid-19 apresentam um perigo muito maior à saúde.

Fontes: Ministério da Saúde via Unesp; CDC



Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Pedro Siemsen (siga @pedrosgiestas no Twitter)

É fundador do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de história na Universidade de Columbia, em Nova York

Fernanda Nunes (siga @fernandasenun no Twitter)

Repórter do Pindograma, site de jornalismo de dados, é formada em ciência política e jornalismo pela Universidade de Nova York.

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

“Queima” de cloroquina pré-CPI

Após 337 dias no ar, Ministério da Saúde apagou recomendação para uso da droga às vésperas de comissão ser instalada no Senado

Mais nebuloso e mais conservador

Professores respondem a tréplica de Benamê Kamu Almudras

Pseudônimo para quem?

De que forma um monólogo pode se esconder por detrás de um diálogo

Paulo Gustavo mirava carreira internacional com Amazon a partir de 2022

Humorista estava de saída do Grupo Globo e já tinha assinado contrato de cinco anos com plataforma de streaming

Lava-se de tudo – sangue, pó e propina

Empresa de cobrança virou lavanderia de dinheiro para contrabandistas e PCC; esquema movimentou pelo menos 700 milhões de reais em quatro anos

Valores em desuso

Dois Tempos celebra amizade e afeto ao som de violões

A médica e o burocrata

No Brasil profundo, pequenos poderes se misturam com preconceito e Covid para compor uma tragédia

Mais textos