questões da futurologia

Robôs tiram sono de 90% dos jovens no Brasil

Pesquisa da Pew Research mostra que, entre os brasileiros, os mais preocupados com a automação do seu trabalho têm de 18 a 29 anos

Roberto Lameirinhas
13set2018_20h24
SKYNESHER_GETTY IMAGES

O ritmo das mudanças provocadas por robôs e computadores nas profissões vai se intensificar nas próximas décadas, e os trabalhadores têm poucas ilusões sobre o que esse futuro lhes reserva. Uma pesquisa do Pew Research Center, com sede em Washington, divulgada nesta quinta-feira, mostra que a maior parte dos trabalhadores de dez países – incluindo o Brasil – acredita que a crescente automação em quase todos os setores da economia deve piorar a qualidade do emprego e a remuneração.

Segundo o estudo, 90% dos brasileiros de 18 a 29 anos acreditam que em cinquenta anos as máquinas farão a maior parte do trabalho hoje exercido por humanos. Esta faixa etária está significativamente mais preocupada com os efeitos da automação sobre as profissões do que as gerações anteriores – entre trabalhadores de 30 e 49 anos, a porcentagem é de 77%. Entre os maiores de 50 anos, ela cai para 73%. 

A pesquisa Pew foi realizada em dez países de economia avançada ou emergente: além do Brasil, África do Sul, Argentina, Canadá, Estados Unidos, Grécia, Hungria, Itália, Japão e Polônia. Em todos eles, pelo menos duas em cada três pessoas acreditam que sistemas informatizados e de inteligência artificial vão fechar postos de trabalhos hoje ocupados por humanos. Os gregos são os mais convencidos disso (91%); entre os americanos, a crença de que as máquinas substituirão a maior parte dos trabalhadores de carne e osso é menor, embora significativa: chega a 65% dos entrevistados. No Brasil, essa porcentagem é de 79%.

 

Paulo Lopes, morador da Zona Leste de São Paulo, de 28 anos, convive há onze anos com as mudanças que as inovações tecnológicas provocam na economia. Bancário desde os 16 anos, lembra da profusão de agências do Banco Real, onde começou a trabalhar como auxiliar de serviços gerais, quase sempre lotadas, principalmente em dias de pagamento. “As agências começaram a se esvaziar na medida em que os serviços bancários pela internet se popularizavam. E fui promovido à função de caixa pouco antes desse esvaziamento se intensificar”, explicou Lopes.

O receio de substituição no banco por uma máquina ou aplicativo levou Lopes a tentar empreender. “Quando o Real foi vendido para o [holandês] ABN Amro, achei que perderia o emprego. Bateu um certo desespero. Juntei as economias que tinha com as de um irmão e meu pai e abrimos uma loja de perfumes franqueada no bairro do Tatuapé. Foi um fracasso”, lamentou. Nessa mesma época, o jovem sentiu no bolso o impacto da automação: serviços que antes ele vendia – e pelos quais recebia bônus – passaram a ser oferecidos via aplicativo. “O Real foi absorvido pelo Santander e passou a vender seguros, crédito pessoal, título de capitalização, tudo pelo app, e os ganhos reduziram ainda mais. Tive de vender o carro e fazer empréstimos para pagar as dívidas”, contou o funcionário, que diz ter sorte por “não ter sido demitido depois do fechamento de centenas de agências” pelo Brasil.

Lopes está certo de que os empregos no seu setor se reduzirão ainda mais no futuro com a popularização dos bancos virtuais, as chamadas fintechs, que atuam exclusivamente por meio dos aplicativos. E sonha com um posto menos instável e mais bem pago, no setor público. “Sou freguês de carteirinha de cursinhos preparatórios para concursos.”

Mas a realidade é que não cabe todo mundo nas repartições e gabinetes. Os dados sobre o Brasil da pesquisa Pew mostram que as mulheres são ainda mais pessimistas em relação à criação de empregos e melhora salarial com o avanço da automação. Apenas 32% delas acreditam neste tipo de benefício. Entre os homens, a credulidade é maior: 42%.   

 

 

O ritmo do processo de automação pelo mundo não é homogêneo, ressalta o relatório do centro Pew. Na Coreia do Sul, por exemplo, há mais de 600 robôs em atividade para cada 10 000 trabalhadores em instalações industriais. No Japão são mais de 300 e nos Estados Unidos, aproximadamente 200. No Brasil, estima-se que esse número seja de 10 robôs para cada 100 mil operários, em razão do relativo baixo custo da mão de obra na indústria.

Mas a hora trabalhada de um autômato vem ficando cada vez mais barata. A operação de um robô industrial tem custo médio de 4 dólares (pouco mais de 16 reais) por hora. O custo médio de um operário da indústria alemã é de 49 dólares por hora. Nos Estados Unidos, é de 36 dólares. No Brasil, o salário mensal nominal médio na indústria é de 2.659 reais na região Sudeste – que corresponderia a 11 reais por hora trabalhada –, de acordo com dados do IBGE referentes ao segundo trimestre de 2018. O valor relativamente baixo do salário não estimula o investimento em máquinas. A tendência, no entanto, é que o custo da hora dos robôs se reduzam à medida que a tecnologia avança, o que amplia o potencial de demissões.

O estudo do Pew mostra que a maior parte dos entrevistados acredita que o maior uso de robôs e computadores vai aprofundar a desigualdade entre ricos e pobres. Mais de oito em dez na Grécia, na Argentina, no Japão e no Brasil expressam essa visão, assim como mais de sete em dez no Canadá, na África do Sul, nos Estados Unidos e na Hungria. Ao mesmo tempo, há um ceticismo generalizado sobre os potenciais benefícios econômicos da automação. Somente no Japão, Polônia e Hungria, metade ou mais dos entrevistados acredita que a automação permitirá que sua economia se torne mais eficiente.

Na Argentina, oito em cada dez entrevistados pelo Pew disseram acreditar que a maior responsabilidade de atenuar os problemas causados pelo avanço da automação deve ser do governo – que deveria assegurar as condições para o desenvolvimento de habilidades e a educação para que seus cidadãos enfrentem o desafio. Em países como Brasil e África do Sul, a maior parte dos entrevistados também apontou que esta seria uma responsabilidade governamental. Nos Estados Unidos, a maioria considera que a questão é individual.

Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE, citados pelo relatório do Pew, estimam que 14% dos postos de trabalho das economias avançadas devem se tornar obsoletos pelo avanço da automação, enquanto outros 32% devem ser substancialmente afetados pela mudança. Ou seja, quase a metade dos empregos com os salários mais altos do planeta passará por turbulências de potencial catastrófico nos próximos anos.

A ideia quase unânime, porém, é que o futuro reserva um contingente cada vez maior de desempregados, que deve se confrontar com sistemas de bem-estar social cada vez mais pressionados e exauridos.

Roberto Lameirinhas

Roberto Lameirinhas é jornalista especializado em temas internacionais e reportagens de guerra.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Mais textos
1

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

2

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

3

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

4

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

5

SUS salva Bolsonaro por R$ 367,06

Pago pelo sistema público brasileiro, cirurgião de veias e artérias de Juiz de Fora é tirado de almoço de família para achar e conter hemorragia no candidato

6

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

7

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

8

O mínimo e o justo

Menos Estado gera mais justiça social?

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras