questões do futebol

Salve geral

“Fim de papo! Kleber, Loureiro!” Era assim que o rubro-negro vozeirão de Jorge Curi anunciava o final dos clássicos no Maracanã, dando a deixa para que os repórteres de campo da Rádio Globo – Kleber Leite e Loureiro Neto – invadissem o gramado para as entrevistas de praxe.

E é assim, pegando carona em um dos mais conhecidos bordões das transmissões radiofônicas do futebol carioca, que anuncio o final da minha participação aqui.

Jorge Murtinho
16mar2015_18h44

“Fim de papo! Kleber, Loureiro!” Era assim que o rubro-negro vozeirão de Jorge Curi anunciava o final dos clássicos no Maracanã, dando a deixa para que os repórteres de campo da Rádio Globo – Kleber Leite e Loureiro Neto – invadissem o gramado para as entrevistas de praxe.

E é assim, pegando carona em um dos mais conhecidos bordões das transmissões radiofônicas do futebol carioca, que anuncio o final da minha participação aqui.

Em maio de 2013, quando eu e o editor do site da piauí tratamos do lançamento do enquanto traçávamos um honesto filé à Oswaldo Aranha na Taberninha da Glória, combinamos publicar um post por semana durante seis meses, prazo que se esgotaria em novembro do mesmo ano e o que daria algo entre 24 e 30 posts.

Fomos muito além do que imaginávamos. Espichamos o período até dezembro de 2014 e publicamos um número de posts quatro vezes maior do que o previsto: 124.

Claro que há um carinho especial por alguns textos, e escolhi dez deles para re-linkar aqui, a fim de satisfazer a curiosidade de quem chegou ao blog só agora e não leu nenhum deles.

Gosto do Pra que time você torce: o do Uram ou o do Delcir?, que trata dessa modernidade de empresário ser dono de jogador.

Do Futebol muito mais simpático, sobre a transmissão pela tevê do jogo entre Guarani e Madureira, pela série C.

Do Injustiçados, em que lembro algumas passagens divertidas protagonizadas por meu pai.

Do Um título dedicado ao grande Mano Menezes, escrito de madrugada, logo após o Flamengo conquistar a Copa do Brasil 2013.

Do O dono das Laranjeiras, que antecipa o que viria a acontecer com a parceria entre Celso Barros e o Fluminense.

Da série que abordava cada uma das seleções da Copa, com destaque para Existe arroz à grega, iogurte grego, churrasco grego. Mas futebol grego não existe, despretensiosa e bem-humorada análise da seleção grega, e para A grande ameaça, premonitório post que alertava para os perigos da seleção alemã.

Do Obrigado, Felipão, post-desabafo contra os incontáveis erros cometidos por Felipão na Copa.

Do Quinta-feira triste, que lamenta o episódio de racismo no jogo entre Grêmio e Santos.

E do Tempo de vagabundagem, porque foi o último e por George Best ter sido uma das minhas grandes admirações no futebol internacional.

Agora, feito convenção de empresa de vendas ou festa de formatura, é botar We are the champions pra tocar, arremessar para o alto os papeizinhos picados e convidar os leitores que torcem pelo Flamengo para acompanhar o blog http://republicapazeamor.com.br

É lá que estou desde janeiro desse ano, convidado por Arthur Muhlenberg para formar com ele, Nivinha, Vivi Mariano e o ilustrador Arnaldo Branco um coletivo humilde e imparcial. Tenho certeza de que – como diz o Muhlenberg – quem fecha com o certo vai se divertir. Os pobres de espírito que não são flamenguistas também estão convidados, e serão sempre recebidos com carinho e comiseração.

Quanto ao , vai continuar e certamente com muito mais qualidade – o que, convenhamos, não chega a ser tão difícil.  Tenham um pouquinho de paciência, porque vem coisa boa por aí.

Agradeço aos leitores que vieram chegando devagar e no final eram muitos; àqueles que não se intimidaram diante do código captcha e conseguiram, bravamente, postar seus comentários; ao editor do blog (não adianta citar seu nome, porque sei que ele vai cortar); ao pessoal da revista – Bernardo, Paula, Luiza, Gabriela – que sempre ajudou a subir os posts; a João Saldanha (in memoriam) e Tostão (o cara que melhor pensa e escreve sobre futebol no Brasil), que me abasteceram com histórias e opiniões que serviram de gancho para muitos posts e ajudaram a deixar esse espaço mais bacana.

Valeu todo mundo. E como diria o sempre inspirado e saudoso Saldanha, vida que segue.

Jorge Murtinho

Jorge Murtinho foi autor do blog questões de futebol no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria vai com as outras #4: Profissionais do Cristianismo

Uma pastora Batista e uma freira Agostiniana contam sobre rotina, compromissos, sustento e planejamento quando se trata de uma profissão de fé

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

Cinema em mutação –  É Tudo Verdade reinventado

Festival adia mostra presencial, mas fará exibições online; quando a epidemia passar, o hábito de ir ao cinema persistirá?

Mais textos
1

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

2

O enigma japonês

Com pouco mais de mil casos de coronavírus, Japão contraria recomendações sanitárias e causa desconfiança às vésperas de uma Olimpíada cada vez mais improvável

3

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

4

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo

6

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

7

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

8

Um médico a menos

Fora do Mais Médicos desde a eleição de Bolsonaro, clínico cubano sobrevive aplicando acupuntura em Salvador enquanto sonha em combater o coronavírus

9

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

10

Posto Ipiranga, o último a admitir

Em meio ao avanço do coronavírus, demorou dez dias até Paulo Guedes ser convencido por auxiliares de que a cartilha fiscalista seria insuficiente e o aumento de gastos, inevitável