questões climáticas

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

Bernardo Esteves e João Moreira Salles
17out2019_18h00
FOTO DE LALO DE ALMEIDA/FOLHAPRESS

  English version

Quase 20% da cobertura original da Floresta Amazônica já foi desmatada desde a chegada dos portugueses ao Brasil. A situação parecia sob controle até 2012, depois que um plano de combate à derrubada da mata conseguiu diminuir em 84% a taxa anual de desmatamento, mas o índice voltou a crescer desde então. Em 2018, a taxa alcançou o maior valor dos últimos dez anos, com 7 536 km² de mata derrubada, conforme os cálculos do Inpe, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. 

A taxa de 2019 só deve ser divulgada no fim do ano, mas deve ter novo aumento – alguns especialistas apostam que o desmatamento passará de 10 000 km², voltando ao patamar dos cinco dígitos pela primeira vez desde 2008. De acordo com os alertas emitidos pelo Inpe, a área desmatada entre janeiro e setembro deste ano foi 93% maior em comparação com o mesmo período em 2018.

É nesse contexto que um estudo de cientistas americanos e brasileiros resolveu calcular o que aconteceria com o clima global caso a floresta fosse convertida, no todo ou em parte, por pastagens. A hipótese pode soar apocalíptica, mas vale lembrar que há estudos que projetam que, caso o desmatamento chegue a um determinado patamar, a Amazônia perderia a capacidade de se regenerar e se transformaria numa espécie de savana. Os especialistas divergem sobre qual seria esse ponto de não-retorno, que pode corresponder à derrubada de 20% a 40% da área original da floresta. Eis algumas das principais conclusões do estudo, feito com um modelo climático computacional:

  • Menos chuvas. Um dos achados mais preocupantes diz respeito à queda do volume de chuvas sobre o Brasil. Em todos os cenários considerados – com substituição de 50% ou 100% da Amazônia por pastagens, com ou sem ações dos países do mundo para frear as emissões de gases do efeito estufa, os índices de precipitação vão cair em boa parte do território brasileiro. Sem a Amazônia, a queda média no país será de 25% – esse número se somaria à diminuição das chuvas que já está prevista em parte do Brasil devido ao aquecimento global.

 

  • Menos grãos. Entre as áreas mais afetadas pela diminuição das chuvas estão a própria Amazônia e parte do Cerrado, no Centro-Oeste e no Sudeste, onde se concentra a maior parte da produção agrícola de commodities para exportação. Como a agricultura brasileira é na maior parte dependente de chuvas, a diminuição da precipitação deve levar à queda expressiva das safras. Soja, milho e café, que estão entre os principais cultivos de exportação, serão os mais afetados pela falta de chuva. 

 

 

  • Energia mais suja. Num futuro com menos chuvas, a produção de energia elétrica também será impactada. Como as hidrelétricas respondem pela maior parte da matriz energética brasileira, o país terá que recorrer a outras fontes de energia para compensar as perdas. Se investir em termelétricas – cenário mais possível –, vai sujar sua matriz e aumentar suas emissões de gases do efeito estufa.

 

  • Mais calor. Sem a Amazônia – ou com a Amazônia pela metade –, o Brasil também será um país mais quente. No cenário em que a floresta toda vira pasto e o mundo entra no trilho para conter o aquecimento global, a temperatura na região Norte subiria 2,5ºC  além do aumento de 1,5°C a 2,5°C que já aconteceria caso a mata ficasse de pé. Se, em vez disso, o mundo continuar emitindo gases do efeito estufa conforme o padrão atual, a temperatura na Amazônia subiria de 2,0°C a 2,5°C além dos 4°C a 5°C previstos pelos modelos climáticos.

 

  • Mundo mais quente. O Brasil e os outros países da América do Sul seriam os principais afetados pelo aquecimento adicional causado pela conversão da Amazônia em pasto, mas os efeitos seriam sentidos em todo o mundo. A queda na precipitação amazônica levaria a um aumento adicional de 0,25°C – na temperatura média global – no cenário em que os países do mundo se empenham para conter as mudanças climáticas. O termômetro também subiria de forma significativa nos dois polos, no Canadá, no Oriente Médio, na Ásia Central e na Austrália.

 

  • Paris, adieu. Seja qual for o cenário considerado, se 50% ou 100% da Floresta Amazônica forem substituídos por pastagens, o mundo pode dar adeus à possibilidade de cumprir o objetivo do Acordo de Paris, que consiste em limitar a 2°C – e, possivelmente, 1,5°C – o aquecimento médio da temperatura global desde a Revolução Industrial.

Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo é dia de ciência, da Azougue Editorial

João Moreira Salles

Documentarista, é editor fundador da piauí. Dirigiu Santiago, Entreatos e Nelson Freire, entre outros

Leia também

Relacionadas Últimas

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

O meio ambiente como estorvo

A guerra aberta e a guerra velada entre o governo Bolsonaro e as forças que resistem ao desmatamento

E se parássemos de fingir?

O apocalipse climático está chegando. Para nos prepararmos, precisamos admitir que não somos capazes de evitá-lo

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; especialistas cobram do governo federal transparência em uso de programa para conter derrames de óleo

Entre a cruz e a motosserra

Na Amazônia profunda, missionária católica enfrenta a falta de padres, os pastores evangélicos e o desmatamento, enquanto papa faz Sínodo sobre a região

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

Valores permanentes, circunstâncias efêmeras

Cinema, apesar de tudo, mas em que condições?

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Tem cloroquina?

Um balconista de farmácia conta seu dia a dia durante a pandemia

3

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

4

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

5

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

6

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

O que move a CNN Brasil

Com dois sócios que sempre estiveram ao lado do poder, a nova emissora tenta mostrar que pode ser independente

10

Quarentena evita um bilhão de toneladas de carbono na atmosfera

Emissão de poluentes caiu 17% no mundo; no Brasil, queda chegou a 25% em 20 de março, mas regrediu a 8% no fim de abril