=igualdades

Servidores do alto escalão do governo só duram 20 meses no cargo

Luigi Mazza e Renata Buono
27out2020_10h34

Quanto mais alto o cargo comissionado, mais rápida a queda. A regra se aplica ao menos aos servidores públicos do tipo DAS – Direção e Assessoramento Superiores – do governo federal, presentes em ministérios e autarquias. Os funcionários DAS de baixo escalão, do nível 1 (que recebem salário de R$ 2,7 mil), sobrevivem no cargo, em média, por 24 meses – ou seja, dois anos. Já os servidores do alto escalão, que ocupam os cargos DAS 6 (salário de R$ 16,9 mil), duram, em média, apenas 20 meses na função.

Os cargos DAS são postos de confiança, preenchidos por livre indicação do gestor público, sem necessidade de concurso. Quanto mais alto o posto hierárquico, tende a ser maior a influência de nomeações políticas. Os cargos de nível 5 e 6, que juntos concentram apenas 6% do total de cargos DAS, são os que têm maior rotatividade. Se no nível 6 os servidores sobrevivem no cargo por 20 meses, no nível 5 eles duram, em média, apenas 19 meses.

Os dados, publicados em um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, levam em conta a série histórica de 1999 a 2017. Durante esse período, ao menos 127,7 mil pessoas passaram por cargos DAS de todos os níveis.

Fonte: O carrossel burocrático nos cargos de confiança, estudo publicado pelo Ipea.



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Parente é serpente, visse!

Disputa ferrenha no Recife expõe influência da viúva de Eduardo Campos na campanha do filho João; aliança pró-Marília Arraes reúne de Lula a figuras próximas do bolsonarismo

A morte de um cinema de rua

Empresário que administrou por dez anos o Cine Joia, em Copacabana, relata crise que levou o cinema a fechar as portas após oito meses de pandemia

Assassinato no supermercado

Inépcia e inoperância do governo federal desautorizam expectativas favoráveis em qualquer frente - inclusive no audiovisual

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

Mais textos