colunistas

Super Moro 2022

Ao nomear juiz para ministério, Bolsonaro controla a própria sucessão

José Roberto de Toledo
01nov2018_13h11

Ao aceitar o cargo de superministro da Justiça (e segurança), Sergio Moro aceitou por tabela o de candidato à sucessão de Jair Bolsonaro. Até o mais neófito dos deputados recém-eleitos pelo PSL sabe que a próxima eleição começa quando a anterior termina. Impensável que o futuro ex-juiz que sentencia como quem joga xadrez não tenha considerado o lance seguinte de sua nova carreira. Ministro do Supremo? Só se der tudo errado.

Assim, o folhetim político brasileiro se consolida como roteiro de novela ruim. O algoz do protagonista o tira de cena para assumir o seu papel. Moro condena Lula para vir a ser eleito presidente no seu lugar, eventualmente. Essa história perseguirá o futuro superministro-candidato e, de quebra, amarrará o PT em uma narrativa que o impedirá de sair do lugar. Xeque.

Como candidato, Bolsonaro já se provara um grande manipulador de tramas. Graças a essa qualidade, conseguiu, a exemplo de Trump nos Estados Unidos, tanta mídia gratuita na tevê que compensou com sobras a falta de propaganda no horário oficial – algo absolutamente essencial para o sucesso de seu projeto eleitoral. Como presidente eleito, segue pelo mesmo caminho de marionetista. Se há função supérflua no governo Bolsonaro é a de secretário de imprensa. O Twitter é seu porta-voz, e ele é seu próprio estrategista de comunicação. A imprensa que corra atrás.

“Moro é indemissível.” Em tese. Se a Polícia Federal não policiar, se o Ministério Público se rebelar e se a corrupção grassar, Bolsonaro pode “promovê-lo” a ministro do Supremo Tribunal Federal. Se Alexandre de Moraes pode, Moro também poderá. Logo, não é com tanto pesar assim que o futuro ex-juiz abandona 22 anos de magistratura. Leva, como seguro-desemprego, vale-promessa de cargo vitalício na mala para Brasília.

Na maleta de mão, Moro também poderia levar a capa do Estadão de 6 de novembro de 2016 na qual se lê, em manchete garrafal: “Jamais entraria para a política.” Deveria emoldurá-la e colocá-la na antessala de seu futuro gabinete, no Palácio da Justiça, como advertência aos jornalistas que o forem entrevistar. Ao lado, quem sabe, uma plaquinha de bronze, com outra frase inesquecível: “É errado tentar medir a Justiça por essa régua ideológica.”

Para um capitão, Bolsonaro tem demonstrado habilidades de general de filme de guerra, daqueles que ficam mexendo pecinhas numa mesa em formato de tabuleiro. Terceirizou a economia de tal forma que, qualquer fracasso, será de Paulo Guedes e só dele. Entendeu, antes de assumir, o que Dilma demorou demais a captar: ministro é como fusível, existe para ser trocado e evitar que o presidente se queime. Ao nomear Moro, repetiu a tática com a principal área publicitária de seu governo, a segurança. Se o superministro colher bons resultados, serão de Bolsonaro. Se frustrar o eleitorado, mesmo tendo fama de superministro, a culpa não terá sido do presidente que deu tudo o que ele quis.

Também há que se notar a ironia de Bolsonaro ter conseguido estampar em todos os jornais e tevês a imagem de Moro se deslocando de sua República particular, a de Curitiba, até a Nova República da Barra da Tijuca para falar com ele. Um ano e meio depois de ter sido ignorado pelo então todo-poderoso juiz da Lava Jato durante encontro casual no Aeroporto de Brasília, Bolsonaro demonstrou quem, de fato, é a montanha e quem é Maomé.

Finalmente, a nomeação de Moro para tal superministério já colocou o PT em transe, como aquele jornalista que, após ter acertado uma única previsão na vida, fica repetindo o tempo todo para cada vez menos pessoas: “Eu te disse, eu te disse!”

Bolsonaro deu para o principal partido de oposição ao seu futuro governo um brinquedo tão viciante para se distrair que é capaz de conseguir desviar o foco dele próprio. Mais importante, evita que o PT coloque Lula no panteão dos ex-presidentes e busque construir uma nova liderança. Os lulistas do PT ganharam meses de combustível para colocar na fogueira das vaidades que consome e consumirá o partido numa luta interna enquanto o que sobrou do PDT de Ciro Gomes, o PSB e o PCdoB articulam uma frente independente. A nomeação de Moro foi a pior notícia que Fernando Haddad recebeu desde a boca de urna do Ibope no domingo passado.

Bolsonaro está jogando com as brancas, tem uma peça de vantagem sobre os adversários e controla o tabuleiro de 2022. E se o Congresso vier com exigências demais, tem fardas suficientes na Esplanada para ameaçar virá-lo. Mas essa é outra coluna.



José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Mais textos de José Roberto de Toledo

Variável Lula X variante Bolsonaro

Cruzamento inédito de pesquisa Ipec mostra quem votaria no petista, quem votaria no presidente e quem votaria nos dois

Documentos inéditos revelam outra empresa de mãe de Aécio Neves em paraíso fiscal

Defesa de Inês Maria Neves Faria confirma que ela é beneficiária de holding em Luxemburgo desde 2018, mas não diz se a operação foi declarada à Receita Federal

Os 300 de Luxemburgo

Em paraíso fiscal europeu, brasileiros ou residentes no Brasil são beneficiários de empresas cujos ativos somam ao menos 723 bilhões de reais

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Google antecipa a urna?

Aumento das buscas por nomes de candidatos nas vésperas da eleição indica quem pode surpreender

Bolsonaro vai pior que os prefeitos 

Segundo Ibope Inteligência, avaliação do presidente é negativa em metade das 26 capitais

Prefeitos sim, padrinhos não

Candidatos da situação largam na frente em pesquisas nas capitais; no interior, eleição também começa mais dura para a oposição

Um trilhão na grelha

A nova popularidade de Bolsonaro e os “pobres coitados”

A conta chegou para Bolsonaro

Avaliação positiva do governo cai oito pontos em uma semana e presidente bate recorde de desaprovação, segundo pesquisa inédita do Ideia Big Data

Mais textos