anais da história

Travessura revolucionária

Uma teia de erros em torno da feminista Nísia Floresta, nascida há 210 anos

Maria Lúcia Garcia Pallares-Burke
06out2020_16h41
Ilustração de Paula Cardoso

Uma nova onda feminista percorre o mundo. Em vários países, mulheres saem às ruas e erguem bandeiras pelos seus direitos e em favor da igualdade entre os gêneros, em diversos níveis – do político ao econômico. Nas ruas da Bielorrúsia, elas são a vanguarda da contestação atual à ditadura de Alexander Lukashenko. Novas teóricas e militantes emergem em toda parte, enquanto as feministas pioneiras são relembradas e relidas. O “feminismo é tão antigo quanto a opressão das mulheres”, disse a psicanalista Juliet Mitchell, importante figura do Women’s Liberation Movement. No Brasil, foi uma jovem de 22 anos que iniciou essa batalha em 1832, com a publicação em Recife do extraordinário Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens.

Dionísia Gonçalves Pinto, potiguar radicada em Olinda, lançou seu livro sob o pseudônimo de Nísia Floresta Brasileira Augusta. Apresentou-o como uma “tradução livre” da obra de Mistriss Godwin (nome adotado pela escritora britânica Mary Wollstonecraft ao casar-se com William Godwin) A Vindication of the Rights of Woman (Em defesa dos direitos da mulher), um tratado feminista de 1792. O objetivo de Wollstonecraft, seguido por Nísia Floresta, era convencer a sociedade de que a mulher é uma criatura racional que não deve ser excluída da “participação dos direitos naturais da humanidade”, contrapondo-se, assim, à ideia corrente de que “a mulher deve ser linda, inocente e tola”, como escreveu a feminista inglesa.

A surpreendente iniciativa de Nísia Floresta fez do Brasil, país independente havia apenas dez anos, um participante do processo de emancipação das mulheres que se desenvolvia na Europa, aos tropeções, desde a Revolução Francesa.

Ao longo de uma vida marcada por ousadia e determinação – que incluiu a separação do primeiro marido, a união com um estudante da Faculdade de Direito do Recife e a fundação de uma inovadora escola para meninas no Rio de Janeiro em 1838 –, Nísia Floresta amainou a denúncia da ideologia patriarcal, mas se envolveu cada vez mais nos debates políticos, sociais e literários de sua época, tendo se destacado como defensora dos ideais abolicionistas e republicanos.



A importância de Nísia Floresta para a história brasileira é incontestável. Entretanto, reconhecer a dimensão de sua vida e seu trabalho não significa fechar os olhos à verdade, por mais que esta possa nos contrariar. Uma teia de inexatidões cerca, há décadas, o livro Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens. São enganos lamentáveis cometidos por alguns pesquisadores que desdenham os fatos, prestando um desserviço à história, à credibilidade acadêmica e à própria memória de Nísia Floresta.

Há 25 anos, após rigorosa apuração, descobri que o livro, contrariamente ao que se supunha, não era uma tradução livre do tratado de Wollstonecraft, mas uma tradução literal e integral de outro texto. Essa descoberta, que até amplia a relevância da brasileira como educadora e feminista, como explicarei mais adiante, foi recebida, contudo, com forte animosidade pelo governo do Rio Grande do Norte e por alguns acadêmicos, interessados mais no mito que nos fatos. E as inverdades continuaram a ser propagadas ao longo de um quarto de século.

O momento exige que confrontemos outra vez as falsidades, deliberadas ou não. Como insiste o historiador britânico Richard J. Evans, nessa época seduzida por fatos alternativos e marcada pelo negacionismo em tantos campos do saber, acadêmicos e jornalistas têm o “dever essencial de defender a verdade”.

No dia 12 de outubro comemoram-se 210 anos do nascimento de Nísia Floresta. Honrar sua memória significa derrubar os mitos que foram construídos sobre sua obra, procurando distinguir fatos indiscutíveis de opiniões e interpretações debatíveis. Significa reafirmar o compromisso incondicional com a verdade histórica.

 

Foi movida pelo interesse no fenômeno da circulação e recepção de ideias que decidi comparar o texto de Wollstonecraft de 1792 e a presumida versão livre dessa obra feita quarenta anos depois por Nísia Floresta. Eu pretendia estudar a criatividade da tradutora ao adaptar para o Brasil os argumentos de uma feminista europeia. Logo percebi, porém, que não havia entre os dois livros nenhuma semelhança. A ausência no texto da brasileira de qualquer crítica ao filósofo Jean-Jacques Rousseau – figura central da argumentação de Wollstonecraft por ser considerado o vilão responsável pela ideologia da domesticidade feminina – foi para mim um dos primeiros indícios de que havia algo de estranho na versão.

No decorrer da análise de Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens, verifiquei que continha trechos do tratado feminista De l’Égalité des Deux Sexes (Sobre a igualdade dos dois sexos), escrito pelo padre e filósofo François Poulain de La Barre, em 1673. Avançando na investigação, constatei que Nísia Floresta havia traduzido não o clássico de Wollstonecraft, mas um tratado mais radical de 1739, intitulado Woman Not Inferior to Man, escrito por uma pessoa (nunca devidamente identificada) que se escondera sob o pseudônimo de “Sophia, a Person of Quality”.[1]

Nísia Floresta fizera uma tradução ipsis litteris do tratado de Sophia, que por sua vez continha longos trechos do livro de La Barre, sem mencioná-lo, mas dele diferia por ser mais sintético e apaixonado. Longe de desmerecer a brasileira (ou Sophia), interpretei esse “plágio-tradução” como uma brilhante “travessura literária”, uma astúcia utilizada para romper com as regras do mundo intelectual a fim de lutar por uma causa nobre, para cuja defesa muitos meios se justificavam.

Ao conferir a Wollstonecraft a autoria do texto por ela traduzido (sem mencionar Sophia, a verdadeira autora), Nísia Floresta teria atingido dois objetivos, no meu entender. O primeiro seria prestar homenagem à feminista inglesa – cuja devoção a grandes causas provavelmente conhecia e admirava. O segundo, introduzir no Brasil, sob o nome dela, as ideias mais subversivas de Sophia, para quem, por exemplo, os valores do casamento e da maternidade não eram tão centrais como eram para Wollstonecraft. Sophia empenhou-se em conscientizar as mulheres da sua capacidade – igual ou até superior à dos homens – e do direito delas de exercer papéis tradicionalmente atribuídos ao outro gênero.

Eis uma amostra da argumentação de Sophia, na tradução literal de Nísia: “Se os homens fossem filósofos […] descobririam facilmente que a Natureza constituiu uma perfeita igualdade entre os dois sexos […] a diferença dos sexos só é relativa ao corpo e não existe mais que nas partes propagadoras da espécie humana […] Todas as indagações da anatomia não têm ainda podido descobrir a menor diferença nesta parte [a estrutura da cabeça] entre os homens e as mulheres: nosso cérebro é perfeitamente igual ao deles […]”

Minha descoberta veio a público em um artigo publicado na Folha de S.Paulo, em 10 de setembro de 1995 (posteriormente expandido em meu livro Nísia Floresta, O Carapuceiro e Outros Ensaios de Tradução Cultural). A reação provou, de imediato, que minha expectativa de um debate de alto nível era ilusória.

O Conselho Estadual de Cultura do Rio Grande do Norte, apoiado por Constância Lima Duarte, especialista em Nísia Floresta, deu início a uma “guerra” contra a verdade histórica. O presidente do conselho chegou a enviar uma carta à Folha (noticiada em 15 de outubro de 1995) acusando meu texto de ofensivo “à memória da pioneira do feminismo no Brasil”. Minhas palavras foram desvirtuadas e transformadas numa ofensa à idoneidade de Nísia Floresta e num descaso para com seu papel na história do feminismo brasileiro.

Acusada de não compreender “a genialidade de nossa autora”, eu fora incapaz, segundo Duarte, de reconhecer que a “astúcia criadora” de Nísia Floresta se antecipara à antropofagia de Oswald de Andrade, à desconstrução de Jacques Derrida e até a Karl Marx.[2] Como se cada um tivesse direito aos seus próprios fatos, as evidências apresentadas sobre o verdadeiro texto traduzido foram simplesmente omitidas e jamais confrontadas.

Impossível saber se Duarte optou por não cotejar os textos – como os colegas de Galileu, que se recusaram a olhar os astros pelo telescópio para não questionarem suas convicções – ou se, tendo-os cotejado, optou por ignorar a veracidade inelutável. Foi assim infringido um dos preceitos centrais do trabalho histórico: o que postula que o exame escrupuloso das evidências encontradas nas fontes primárias é fundamental, e tanto mais quando colocam potencialmente em xeque as hipóteses do historiador.

Ao invés disso, com as informações que obteve no meu texto, Duarte passou a incluir “Poulain de la Barre e Sophie” (sic) entre os autores que a brasileira teria devorado e deglutido em seu pioneiro ato de “antropofagia libertária”. Com isso, como insistiu Duarte, Nísia Floresta devolveu “ao seu público um outro produto, muito bem marcado por sua experiência feminina e brasileira” e que se impõe como “uma resposta da periferia ao centro produtor de discursos”.

É compreensível a sedução dessas ideias que acalentam o orgulho nacional e regional. No entanto, elas não se sustentam por qualquer evidência. Em todo o texto de Sophia não há uma só menção ao Brasil, a Portugal ou às Américas, que possa justificar a alegação de Duarte de que Nísia Floresta adaptou “à realidade brasileira as muitas ideias que circulavam sobre a mulher na Europa”. As referências no texto de Sophia/Nísia Floresta dizem respeito, em sua maioria, a personalidades britânicas, como a rainha Elizabeth I, a personagens de Shakespeare, como Falstaff, a generais, como Marlborough, ao hospital para veteranos em Chelsea. São muitas também as referências à “nossa Pátria” ou a “esta Nação” – não havendo qualquer dúvida de que esteja se referindo à Inglaterra.

O historiador Marc Bloch, executado pela Gestapo em 1944, escreveu que certas épocas estão especialmente propensas ao mal das “mentiras”, e estas vêm “aos cachos”. Como ele diz, uma “mentira” – proposital ou não – desencadeia “quase forçosamente” outras, que proporcionam “ao menos aparentemente um mútuo apoio”. Pois, à negação do fato de que Nísia Floresta traduzira Sophia, somou-se a alegação de que seu texto era informado pela experiência de vida num país marcado pela “dominação portuguesa” – sem que haja no livro um argumento ou uma citação sequer que confirme essa ideia. A partir daí, muitos estudiosos e divulgadores de Nísia Floresta foram simplesmente reforçando e aumentando o “cacho”, repetindo a falsificação contida no prestigiado “discurso de autoridade”.

 

Apesar da descoberta sobre o livro, a negação do fato histórico se impôs – com um sucesso impressionante. Blogs, artigos, documentários, teses, vídeos, podcasts e até espetáculos teatrais continuam difundido a tese inverídica, a ficção falsificadora de que Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens é uma versão livre e abrasileirada de A Vindication of the Rights of Woman, de Wollstonecraft. Para ilustrar a “genialidade” de Nísia Floresta, o trecho mais usado é o da página 27 da edição original de Sophia: “Por que a ciência nos é inútil? Porque somos excluídas dos cargos públicos; e por que somos excluídas dos cargos públicos? Porque não temos ciência.”

É evidente que nós, historiadores, para avançarmos nas pesquisas, temos de nos valer do trabalho de colegas que reputamos confiável e nem sempre voltamos às fontes primárias. No caso de Nísia Floresta, entretanto, essa prática teve consequências lamentáveis. Com raras exceções, acabou por prevalecer no establishment acadêmico brasileiro uma ficção sobre a primeira obra da feminista brasileira e uma espécie de “conspiração de silêncio” sobre sua verdadeira façanha literária. Até mesmo o Dicionário Mulheres do Brasil (editado por Schuma Schumaher e Vital Brazil em 2000 e já na segunda edição), não conseguiu ultrapassar a barreira da fantasia criada ao redor de Nísia Floresta e continua a apresentá-la como a autora da “tradução livre […] da feminista inglesa Mary Wollstonecraft”.

Três anos após a publicação de meu artigo, fiz uma segunda descoberta sobre Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens, que optei por não divulgar: a tradução literal de Nísia Floresta tinha a forte marca de uma versão literal para o francês do livro de Sophia, publicada em 1826, sob o título Les Droits des Femmes et l’Injustice des Hommes par Mistriss Godwin (Os direitos das mulheres e a injustiça dos homens, por Mistriss Godwin, sobrenome adotado por Wollstonecraft, como vimos). O desapontamento que me causara a reação no Brasil à primeira revelação me fez crer que não era hora de trazer mais dados para restaurar a verdade histórica.

O livro francês era apresentado como uma tradução livre da obra de Wollstonecraft por “M. César Gardeton”, mas, na verdade, era uma reimpressão da versão francesa publicada em 1750 e 1751 do tratado Woman Not Inferior to Man, de Sophia, que omitira o nome da autora. Gardeton, que era o reimpressor e não o tradutor, simplesmente acrescentou na edição de 1826 um novo título à obra, que atribuiu a “Mistriss Godwin”, com a falsa informação de que era uma tradução livre feita por ele.[3]

Em 2014, as pesquisadoras Eileen H. Botting e Charlotte H. Matthews chegaram, de maneira independente, à mesma descoberta, que tornaram pública num artigo no volume 26 da publicação Gender & History, “Overthrowing the Floresta-Wollstonecraft Myth for Latin American Feminism” (Derrubando o Mito Floresta-Wollstonecraft para o Feminismo Latino-Americano), que também pouco repercutiu entre os pesquisadores brasileiros da educadora.

Confrontando o texto de Gardeton com o de Nísia Floresta fica evidente que, contrariamente ao que diz Duarte, o título Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens não foi fruto de um ato pioneiro de “antropofagia libertária”. Nísia Floresta simplesmente copiou o título e a autoria dados ao texto de Sophia por Gardeton, a quem também seguiu ao adicionar a informação errônea “traduzido livremente do francês para o português” – quando a tradução que ela fizera, seja apenas via Gardeton, seja com a ajuda do texto original em inglês de Sophia, era literal.

Fica evidente, ainda, que as poucas alterações no texto de Sophia, que eu inicialmente atribuíra à criatividade de Nísia Floresta, eram da tradução francesa. Dela mesmo, pode-se agora seguramente afirmar, não há quase nada no texto traduzido, salvo mínimas modificações causadas por erros. Um exemplo: ela traduziu os “aveugles sectateurs de Descartes” da versão francesa (“blind followers of Descartes”, no original em inglês de Sophia) como “secretários de Descartes”.

 

Com essa revelação, como é comum acontecer, algumas dúvidas foram esclarecidas, mas novas surgiram. Sobre o motivo que levou Nísia Floresta a, aparentemente, fingir que traduzia um texto quando traduzia outro, há uma resposta simples e outra complexa. A simples é que ela não fingiu, mas descobriu o texto de Sophia por meio de Gardeton e aceitou a afirmação falsa de que era uma tradução livre de um tratado de Mistriss Godwin (ou seja, de Wollstonecraft). Nesse caso, é a alegação de Gardeton que precisaria ser explicada e, provavelmente, ele deve ter achado que atribuir o livro traduzido à célebre feminista inglesa traria à obra mais lucro do que se a verdadeira autora fosse identificada – a desconhecida Sophia.

A explicação mais complexa leva em conta a sofisticação de Nísia Floresta e a supõe trabalhando com o texto de Sophia em duas línguas, inglês e francês, possivelmente à venda nas muitas livrarias de Recife e Olinda que dispunham de obras importadas. Alternativamente, seu companheiro, Manuel Augusto de Faria Rocha, pode ter tirado esses livros da biblioteca (fundada em 1830) da Faculdade de Direito. Vivendo num ambiente profundamente marcado pela presença britânica, em que aulas particulares de inglês eram fartamente oferecidas, Nísia Floresta provavelmente teria adquirido algum domínio dessa língua, ao lado do francês, em que foi fluente. Outra hipótese é que ela tenha conscientemente adotado a mesma tática de Gardeton de atribuir o texto a Mistriss Godwin, mas por razões diferentes – não para vendê-lo mais, mas para melhor servir à causa das mulheres no Brasil.

As evidências são insuficientes (e talvez sempre serão) para que possamos escolher, com alto grau de certeza, entre essas alternativas, mas saber que elas existem ajuda a evitar simplificações toscas. De qualquer modo, o que eu disse em 1995 sobre a “façanha” de Nísia Floresta continuo a sustentar hoje: o próprio ato de traduzir Sophia – quer via Gardeton, quer via Sophia e Gardeton juntos – representou, “por si só, um ato revolucionário”, pois significou combater corajosamente um sistema patriarcal opressor com valores alternativos e subversivos.

A “travessura literária” de Nísia Floresta foi, pois, responsável por uma daquelas felizes ironias da história. O tratado subversivo Woman Not Inferior to Man, publicado por Sophia em 1739 (com uma segunda edição em 1743), só seria reeditado na Europa em 1975. Mas na primeira metade do século XIX já podia ser lido pelas sinhazinhas supostamente dengosas e indolentes no Brasil – um país atrasado, aos olhos do europeu civilizado.

[1] https://digital.library.lse.ac.uk/objects/lse:huc485foq/read/single#page/4/mode/2up

[2]  “Nísia Floresta: Incompreensão em relação à sua genialidade”, Ciência & Trópico, v. 26, 1998.

[3] https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k3230031?rk=21459;2

 

Maria Lúcia Garcia Pallares-Burke

Historiadora, pesquisadora do Centre of Latin American Studies (Universidade de Cambridge).

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

A Floresta do Camboatá resiste

Depois de quase virar um autódromo, última área plana de Mata Atlântica no Rio pode se transformar em Unidade de Conservação

O dilema do impeachment

Especialistas divergem sobre possibilidade legal de Trump ser condenado após terminar o mandato; no fim, decisão deve ser política

A guerra da soja

Ao responsabilizar a produção de soja pelo desmatamento da Amazônia, presidente Emmanuel Macron optou por uma mentira conveniente

A gastança amazônica dos militares

Na virada do ano, Ministério da Defesa comprou satélite de 179 milhões de reais e fechou 2020 gastando o triplo dos órgãos ambientais para monitorar a floresta

Mais textos
1

Romário convoca CPI para investigar a cor do cabelo de Marin

BARRACA DO PEPÊ - Decidido a colocar em pratos limpos tudo que acontece na CBF, o deputado federal Romário recolheu assinaturas para uma CPI que investigará a cor do cabelo do presidente da entidade. "Se o Marin está diante de um fundo azul, o cabelo fica acaju. Se o fundo é branco, fica tudo meio esverdeado", desconfiou o craque, enquanto fazia aquecimento para uma partida de futevôlei com Aécio Neves.

2

Uma família de poder

A imagem reproduzida nesta página não é uma foto de família, apesar de representar quatro gerações de uma mesma família. Não foi feita para ser vista apenas por seus membros mas por um público amplo e não serviu para lembrar uma reunião de parentes, mas para passar uma clara mensagem política: a perenidade da dinastia reinante sobre a Inglaterra, então a nação mais poderosa do mundo. Tirada em 1899, às vésperas do novo século que prenunciava uma nova era, mostra a Rainha Vitória, então muito mais soberana do mundo que simplesmente rainha da Inglaterra, cujo reinado completara 62 anos, cercada por seu filho e herdeiro, o futuro Edward VII, seu neto, o futuro George V e seu bisneto, o futuro Edward VIII, cujo reinado, por oposição à sua bisavó, bateria o recorde de brevidade (apenas dez meses em 1936).

3

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

A planta inteligente

Cientistas debatem um novo modo de entender a flora

6

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

7

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

10

Mentalizar pinos

Repetir uma série de movimentos antes de cada arremesso pode ser fundamental ao boliche