questões criminais

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Allan de Abreu
18out2019_10h05
ILUSTRAÇÃO DE PAULA CARDOSO SOBRE FOTO DO SITE CAMPO GRANDE NEWS

Enquanto manobrava a caminhonete S-10 em frente à casa dos pais, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, na noite de 9 de abril deste ano, o jovem Matheus Coutinho Xavier, 20 anos, não notou a rápida aproximação de um automóvel branco na rua. O veículo freou bruscamente em frente à casa, e dele saiu um homem encapuzado, os dedos no gatilho de um fuzil AK-47. Foram mais de dez disparos, sete dos quais perfuraram o tórax do rapaz. Morte instantânea, por encomenda. Morte errada. O alvo dos assassinos era o pai, o capitão da Polícia Militar Roberto Teixeira Xavier, que estava dentro da garagem e tentou, em vão, socorrer o filho. Matheus chegou morto à Santa Casa da cidade.

O capitão da PM já fora detido em 2009, acusado de comandar um esquema de máquinas caça-níqueis em Campo Grande. Naquela noite, o plano era matá-lo, por causa de uma disputa de terras no Sudoeste do estado. O crime foi planejado com mais de um mês de antecedência. Os assassinos chegaram a contratar um hacker para saber em tempo real a localização do policial. Na hora de apertar o gatilho, porém, confundiram pai e filho. 

A perícia constatou que a arma utilizada no crime foi a mesma empregada em outros dois assassinatos ocorridos em 2018 na cidade: o do subtenente da Polícia Militar Ilso Martins Figueiredo e o de Orlando da Silva Fernandes, ligado a traficantes da fronteira com o Paraguai. As duas vítimas eram suspeitas da morte de um dos filhos de Fahd Jamil, o “rei da fronteira”, notório contrabandista de Ponta Porã. Nos três crimes, a investigação do Ministério Público encontrou as digitais do clã comandado pelo bicheiro Jamil  Name, acusado de envolvimento em vários crimes, num circuito de assassinatos, dinheiro e poder no Mato Grosso do Sul. Name e seu grupo frequentam tanto o submundo do crime como o high society local, com contatos que vão de pistoleiros a autoridades. 

Desde os anos 1990 Jamil Name, o patriarca, controla a jogatina no estado – tem três registros policiais por exploração de jogos de azar – embora se apresente em Campo Grande como um próspero pecuarista, dono de cinco empresas, entre elas duas mineradoras e uma emissora de rádio. Segundo a investigação do Ministério Público, o bicheiro também realiza negócios no Uruguai, conhecido paraíso fiscal. A família Name é muito próxima de Fahd Jamil – o rei da fronteira é padrinho de batismo de Jamil Name Filho, o Jamilzinho, filho do patriarca. 

No fim de setembro último, Name, o filho e mais 21 pessoas, entre eles policiais civis e guardas municipais, foram presos na Operação Omertà, referência à lei do silêncio da máfia italiana. Todos são investigados pelo Ministério Público pelos crimes de organização criminosa, corrupção, tortura e homicídio praticado por grupo de extermínio. Jamil Name é apontado pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) como o suposto mandante desses três assassinatos. No sábado, 12, Name e o filho foram levados para o presídio federal de Campo Grande. 

Os Name, pai e filho, já estavam no radar da polícia desde o assassinato, em 2012, de um bicheiro concorrente. No ano seguinte, foi a vez de um delegado aposentado ser morto – o autor dos disparos contra o delegado, um pistoleiro ligado a Name, era o mesmo que matara por engano o jovem filho do sargento, em abril deste ano. Também foram assassinados em Campo Grande um jovem que havia brigado com Jamilzinho em uma boate e um empresário do ramo de mineração que devia dinheiro aos Name. E, por último, a vingança pela morte do filho de Fahd Jamil – padrinho de batismo de Jamilzinho.

A Polícia Civil sabia que investigadores da corporação trocavam informações com o grupo de Jamil Name. Assim, para evitar que a apuração vazasse, pediu auxílio ao Gaeco, que instaurou formalmente a investigação em 3 de maio deste ano e passou a grampear os telefones dos Name com autorização judicial. Quinze dias depois, Jamil Name ordenou ao gerente da quadrilha, o guarda municipal Marcelo Rios, que retirasse as armas do paiol da milícia, em uma casa dos Name em Campo Grande. O “capo” teria se irritado com fotos de uma festa no imóvel publicadas por Rios em uma rede social. Depois de levar bronca de Jamil Name, chamado de “Velho” pelo grupo, o guarda municipal temeu pelo pior. “O velho vai me empurrar”, disse a um amigo – “empurrar”, no jargão policial, significa matar. O advogado de Rios não foi localizado pela piauí.

No dia 19 de maio, os policiais detiveram Rios próximo à casa de Jamil Name e foram até o imóvel que abrigava o paiol de armas. Lá, foram apreendidos 2 fuzis AK-47, 4 fuzis 556, 2 espingardas calibre 12, 17 pistolas e 1 revólver, além de 2 bonés com câmera oculta – Jamil Name aparece em parte das imagens gravadas pelo dispositivo –, 1 “arreador de gado”, bastão que emite descargas elétricas que, segundo o Gaeco, era utilizado em sessões de tortura e 1 bloqueador de sinal eletromagnético que, de acordo com os promotores, impedia que criminosos com tornozeleira eletrônica fossem rastreados. Marcelo Rios levava em uma bolsa 39 pendrives – num deles havia cópia de um diálogo no aplicativo WhatsApp entre Jamilzinho e a mulher, datado de abril de 2018. “Quem tem que te[r] medo é quem é caçado. Não sou eu”, escreveu o rapaz, em letras maiúsculas. “A matilha é minha. Não morro fácil não. Sai a maior matança da história do MS. De picolezero a governador.”

Após o flagrante das armas, Jamilzinho, orientado pelo seu advogado, foi para a fronteira, onde permaneceu por quarenta dias na casa do padrinho Fahd Jamil, uma réplica da residência do cantor Elvis Presley nos Estados Unidos. Antes, com o auxílio de guardas municipais, retirou do apartamento dele em Campo Grande várias caixas e mochilas. O pai, Jamil Name, ficou contrariado com a fuga do filho, segundo funcionários da família: “O seu Jamil fala ‘traidor, pode viajar’. Diz que dificilmente ele escapa da cana [prisão] ou de morrer”, disse um deles.

Mas, segundo a investigação, ainda havia um fio solto na tentativa de ocultar provas por parte dos Name: a mulher de Marcelo Rios ameaçava delatar a quadrilha ao Gaeco. Dois dias após a prisão do marido, dois funcionários de Jamil Name procuraram-na em casa e ofereceram 1,2 mil reais, com a promessa de manter repasses semanais, desde que ela não falasse o que sabia para os promotores. Um deles, segundo ela, disse que “Jamilzinho tinha prometido que Marcelo não seria exonerado da Guarda Municipal, desde que ficasse com a boca fechada. E, se ela também abrisse a boca, seria morta primeiro e depois matariam Marcelo na cadeia.” Apesar das ameaças, a mulher contou o que sabia aos promotores do Gaeco, o que motivou a prisão dos três integrantes da quadrilha que a ameaçavam pelo crime de obstrução de Justiça. Ela chegou a ser inscrita no programa de proteção a testemunhas do Ministério Público, mas desistiu. Os promotores suspeitam que ela foi novamente cooptada pelo grupo.

Nesta segunda-feira (14), Jamil Name, Jamilzinho e mais dezenove pessoas foram denunciadas por um conjunto de crimes, como participação em organização criminosa armada, corrupção ativa, extorsão, constituição de milícia privada e tráfico de armas de fogo.

Não há, nos documentos do processo e nas gravações, provas do envolvimento de autoridades locais com o esquema de Name. Não faltam, porém, indícios da relação próxima entre o bicheiro e seu grupo com a política sul-mato-grossense. Sua mulher, Tereza Name, buscando uma cirurgia para uma criança no SUS, pediu ajuda a ninguém menos que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, como captaram as escutas telefônicas autorizadas pela Justiça. Nos diálogos, Tereza, que apesar de investigada não foi detida nem deve ser denunciada à Justiça, segundo os promotores, diz que Mandetta “pode ser o futuro presidente” do Brasil. Mas o ministro ressalva que é preciso ter “tato pra falar porque ele”, possivelmente Jair Bolsonaro, “é muito temperamental”. “Imagina se juntar ele e o Jamil”, sugere Tereza. “Vão declarar a Terceira Guerra Mundial”, completa Mandetta.

As famílias Name e Mandetta já estiveram juntas no noticiário policial do estado. Em 2007, Jamil Name, Jamilzinho e Hércules Mandetta Neto, irmão do atual ministro da Saúde, foram alvos da Operação Xeque-Mate, da Polícia Federal, que investigou esquema de exploração ilegal de jogos de azar e corrupção de agentes públicos no Mato Grosso do Sul. Em nota, a assessoria do ministro disse que não poderia comentar o diálogo com Tereza pois “não é possível a confirmação da autenticidade do texto encaminhado pela revista”. “De qualquer forma, é importante dizer que todos os diálogos deste ministro são republicanos, de interesse público ou de conhecimento geral.”

A família Name também mantinha relacionamento estreito com o senador Nelson Trad Filho, do PSD, com o ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, e com desembargadores do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul. Na gaveta do criado-mudo de um quarto da casa de Jamil Name em Campo Grande, os policiais que cumpriam os mandados judiciais de busca e apreensão encontraram um cheque de 100 mil reais do desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de MS Joenildo de Sousa Chaves e outro do mesmo valor de Zeca do PT. O petista sempre foi muito próximo dos Name – na primeira gestão dele à frente do governo do Mato Grosso do Sul, entre 1999 e 2002, uma empresa de Name venceu licitação para explorar máquinas caça-níqueis no estado. 

Chaves disse que o cheque é parte do pagamento de empréstimo feito a ele por Name. “Uma operação normal”, definiu. Contatado por aplicativo de mensagens, Zeca do PT não respondeu.

Juntos aos cheques havia ainda uma folha de papel com anotações, digitadas em computador, a respeito de uma ação de improbidade administrativa contra Nelson Trad Filho, ex-prefeito de Campo Grande e atual senador pelo PSD, e outros quatro réus. “Neste processo o valor combinado em relação à LIMINAR foi de (…) um milhão de reais, sendo R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) para cada um dos réus na ação; Para o mérito desta fase […] combinou-se R$ 200 mil (duzentos mil reais), para cada um deles, perfazendo então o valor de R$ 1.000.000,00 (hum milhão de reais). Portanto: (…) R$ 2.000.000,00.” Em seguida, cita-se outra ação de improbidade com mais cinco réus, em que “combinou-se o valor” de 250 mil reais “para obtenção da medida […]. O relator foi o mesmo desembargador (Marcelo Câmara Raslan)”. 

Procurado, Raslan negou ter concedido liminar na ação cível contra Nelson Trad Filho e disse que pediu uma “ampla e profunda” investigação sobre o caso ao TJ, ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e ao Superior Tribunal de Justiça. “Desconheço o motivo de haver escritos em que consta meu nome. Desejo que tudo seja apurado de forma abrangente e profunda. Por conta disso, abri mão de qualquer sigilo, inclusive procedimental”, afirmou.

Trad, que como os Name também é descendente de libaneses, é próximo da família de Jamil. Na conversa com o ministro Mandetta, Tereza Name afirma que Nelson Trad Filho esteve na casa dela dias antes. Em outro diálogo com um vereador da capital, ela diz que Nelson será candidato a governador em 2022. “Ele falou ontem pra mim.” A assessoria do senador confirmou que Trad Filho mantém relação de amizade com Tereza desde os tempos em que eram vereadores de Campo Grande. Sobre as anotações encontradas na casa de Jamil Name, a assessoria afirmou que não fazem sentido, já que todas as decisões do desembargador foram contrárias aos recursos do senador. “Somos favoráveis a abrir qualquer tipo de sigilo, seja processual, fiscal ou telefônico que envolve o senador, para deixar absolutamente claro que não há nenhuma vinculação dele com o fato relacionado.”

O Gaeco encaminhou cópia do material apreendido para o Tribunal de Justiça, “para conhecimento e eventuais providências”. A assessoria do TJ não respondeu aos questionamentos enviados pela reportagem.

O advogado dos Name, Renê Siufi, disse que as acusações contra Jamil Name e o filho “não têm o menor lastro probatório”. “Essas acusações serão espancadas na fase judicial. Quando ocorrer o contraditório e pudermos exercer a ampla defesa, entendo que a verdade virá à tona.”

 

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana