questões do futebol

Um esporte individual

Já nos acréscimos, o São Paulo perdia por dois a um e Ganso bateu uma dessas faltas que viraram moda: levantada na área, a bola passou por todo mundo, o goleiro ficou com aquela cara de qualé, e pronto. Barbante e jogo empatado. Mas que nada: quando a bola ultrapassava a linha, o centroavante Aloísio, certamente para somar um golzinho a mais na artilharia, empurrou-a pra dentro com a mão.

Jorge Murtinho
12ago2013_11h52

O post da última sexta fez algumas brincadeiras com a ótima entrevista de Bruno Torturra e Pablo Capilé, do Mídia Ninja, ao programa “Roda Viva”. Mas, como diziam nossos bisavós, é brincando que se diz a verdade. Apesar das boas atuações de Seedorf, Alex e Everton Ribeiro, a maior virtude de Botafogo, Coritiba e Cruzeiro tem sido o conjunto. E creio que, mesmo cinquenta anos depois, nenhuma imagem consegue ser mais significativa do espírito coletivo presente no futebol que as comemorações dos gols do Santos na década de sessenta, com os jogadores todos abraçados. A pirâmide dos craques santistas – Pelé, Coutinho, Pepe, Mengálvio, Zito, etc. – e o elogio ao coletivo que ela representa ficaram lá atrás, e o que temos agora é um culto à individualidade, com cada um querendo trazer para si o mérito do gol ou alcançar recordes pessoais.

As razões para esse post surgiram na derrota do São Paulo para a Portuguesa de Desportos. Calma. Ninguém precisa chamar o médico ou se preocupar com a sanidade mental do blogueiro, mas, sim, eu vi São Paulo e Portuguesa. Rogério Ceni é um excelente batedor de faltas, mas nunca foi um bom cobrador de pênaltis. Acontece. O grande Rivellino, que chutava uma barbaridade, não batia pênaltis. Só que Rogério Ceni persegue recordes individuais.

Entretanto, houve coisa muito pior do que o pênalti que Rogério chutou em cima de Lauro. Já nos acréscimos, o São Paulo perdia por dois a um e Ganso bateu uma dessas faltas que viraram moda: levantada na área, a bola passou por todo mundo, o goleiro ficou com aquela cara de qualé, e pronto. Barbante e jogo empatado. Mas que nada: quando a bola ultrapassava a linha, o centroavante Aloísio, certamente para somar um golzinho a mais na artilharia, empurrou-a pra dentro com a mão. O juiz anulou o gol e o São Paulo perdeu o jogo. Tudo bem, porque centroavante está lá pra isso, não? Para empurrar a bola pra dentro. Não é o que costumam dizer nossos comentaristas especializados?

Em outro post da última semana, citei o ex-jogador alemão Breitner e sua tese de que o Brasil está jogando um futebol do passado. Antes fosse, Breitner. Antes fosse.



Jorge Murtinho

Jorge Murtinho foi autor do blog questões de futebol no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.