questões manuscritas

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.

Pedro Corrêa do Lago
12fev2015_15h03

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais. Os maiores compositores da época, como Ary Barroso, Noel Rosa ou Lamartine Babo, exerceram seu talento em composições divertidas e inspiradas, ainda hoje conhecidas por muitos.

O folheto mostrado nesta página tem uma linda capa ilustrada de J. Carlos e intitula-se “Músicas de Carnaval do Rio de Janeiro”, com subtítulos em inglês e espanhol. Foi emitido pela diretoria de turismo e propaganda do Rio de Janeiro, no início dos anos 1950.

O folheto contém as partituras de vários sambas ainda famosos, como “Cidade Maravilhosa” (que virou o hino oficial do Rio de Janeiro) ou “Maria Boa”, de Assis Valente. O dono do folheto pediu na época dedicatórias ou assinaturas sobre as partituras impressas aos compositores ainda vivos.

Na página inicial mostrada aqui, de sua partitura, Heitor dos Prazeres, compositor com Noel Rosa, do famoso “Pierrô Apaixonado”, põe sua dedicatória no alto da página.

Os versos a seguir são conhecidos de todos os brasileiros, quer gostem ou não de carnaval. “Um pierrô apaixonado / Que vivia só cantando / Por causa de uma colombina / Acabou chorando! / Acabou chorando!”

Heitor dos Prazeres foi também um notável pintor num estilo primitivo que era só dele, e deu assim uma contribuição variada à cultura popular brasileira.

  



Pedro Corrêa do Lago

Pedro Corrêa do Lago é mestre em economia pela PUC - Rio. Foi autor do blog questões manuscritas no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Parados na contramão

Cidades brasileiras rejeitam um debate urgente: cobrar de usuários de carros custo da infraestrutura pública e destinar recursos ao transporte coletivo

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e sequenciamento do vírus para saber qual tipo prevalece no Brasil

Mais textos
1

Proust, moscas, nada:

no tríduo momesco, uma folia de silêncio

2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

6

Tabloide – doença mental na América

Errol Morris define Tabloide, exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio, como sua “primeira história de amor desde Gates of Heaven [Portais no céu, seu primeiro filme, feito em 1978, sobre dois cemitérios de animais de estimação, na California], uma história de amor estranha, mas muito romântica.” É uma definição desconcertante, ainda mais quando Morris diz estar “contente por ter feito um filme engraçado.”

7

Na piauí_130

A capa e os destaques da edição de julho

8

Polícia Militar não consegue calcular o número de ministérios de Dilma

PASÁRGADA - O Departamento de Cálculo de Multidões da Polícia Militar convocou uma coletiva de imprensa para declarar que não logrou êxito na tarefa de contabilizar o número de ministérios da presidente. "Temos experiência com grandes aglomerações humanas, mas para tudo nessa vida há limite", desabafou, desesperado, o tenente-coronel Oswald de Souza Bolsonaro.