Uma economia milionária (para o ministro)

Ao desistir de cobrar imposto de donos de offshores por lucros obtidos no exterior todos os anos, o governo Bolsonaro e o Congresso abriram mão de uma fonte de arrecadação promissora. Caso o texto original da reforma do Imposto de Renda tivesse sido aprovado, investidores brasileiros no exterior, como o ministro Paulo Guedes (Economia), teriam de pagar Imposto de Renda sobre os lucros e rendimentos de suas offshores com base na tabela progressiva mensal (alíquota máxima de 27,5%). Além disso, pela legislação já em vigor, se repatriassem o dinheiro, ainda teriam de recolher tributo sobre ganho de capital de até 22,5% sobre a variação cambial acima do valor tributado como IR. De acordo com o Banco Central, os brasileiros tinham no exterior 204,2 bilhões de dólares em 2020, o equivalente a 1,12 trilhão de reais.