questões cinematográficas

Uma longa viagem – uma irmã e dois irmãos, todos libertários

Realizados ao longo de cerca de 20 anos, um elo forte une Que bom te ver viva, Quase dois irmãos e Uma longa viagem – a experiência de vida da roteirista e diretora Lucia Murat. Baseados na sua própria dor, os três filmes têm a virtude incomum no cinema brasileiro de expressarem sentimentos autênticos, destituídos de gratuidade.

Eduardo Escorel
10maio2012_10h00
Que bom te ver viva
Que bom te ver viva

Realizados ao longo de cerca de 20 anos, um elo forte une , Quase dois irmãos e Uma longa viagem – a experiência de vida da roteirista e diretora Lucia Murat. Baseados na sua própria dor, os três filmes têm a virtude incomum no cinema brasileiro de expressarem sentimentos autênticos, destituídos de gratuidade.

Embora tenham esse mesmo fundamento, e lembrem por isso a célebre formulação segundo a qual “história é o que dói”, são filmes permeados de certa leveza e alegria. Sem deixar de serem essencialmente trágicos, não assumem tom solene, nem sentencioso – armadilha usual na qual costumam cair muitas tentativas de acertar contas com traumas do passado.

Reencontrar as sobreviventes é bom, como diz o título do filme de 1989. Mas tem seu preço. Poder reconstruir a própria história com um toque pessoal, aliando testemunho e imaginação, permitiu a Lucia Murat repensar seus duros anos de militância, tortura e prisão, o que não é fácil. E agora, em Uma longa viagem, voltar sua câmera para seus dois irmãos e para si mesma, narrando na primeira pessoa o percurso que parece ter tornado possível conviver com o sofrimento.

Uma longa viagem tem origem numa perda – diante da morte de um irmão, em vez de “chorar ininterruptamente”, o outro “precisou falar” e a irmã começou a fazer o filme. São três irmãos, definidos como “libertários”, que seguiram rumos de vida diferentes, mas se mantiveram sempre unidos. O filme, porém, dá menos atenção a Miguel, o “romântico” médico infectologista cuja morte motivou a realização de Uma longa viagem, o que causa certo desequilíbrio ao se concentrar mais nos outros dois.

O depoimento e as cartas de Heitor, o irmão sobrevivente, tratados em dois registros, um documental, outro ficcional, formam a substância da narrativa. Escritas para a família, e censuradas antes de serem lidas por Lúcia durante os três anos e meio em que foi presa política, as cartas conduzem a rememoração, no caso da própria Lúcia, em voz off, sem presença física tão ostensiva quanto a do irmão.

A participação de Heitor, sempre em tom afetuoso, é um atestado das feridas deixadas por nove anos de viagem, incluindo uma caminhada do Nepal a Nova Delhi, tendo percorrido ao todo o equivalente a duas voltas ao mundo, o que segundo ele mesmo “não se deve fazer”. Frágil e envelhecido, começa lembrando que foi mandado para Londres pelos pais para evitar que seguisse “os rumos da irmã revolucionária” – tentativa bem intencionada de protegê-lo feita por uma família católica, convencional, mas que o expôs a outros riscos.

Retomando recurso semelhante ao usado em , um ator célebre (Caio Blat) faz o papel de Heitor, tendo como falas o texto das suas cartas. Fica claro, por um lado, que se trata de uma encenação, desde o belíssimo plano de abertura do filme em que a câmera segue o ator por um corredor até ele sair de quadro e vermos Heitor sentado, de costas, escrevendo diante da janela. Mas, assim como acontecera com a personagem de Irene Ravache no filme anterior, a versão encenada de Heitor resulta artificial. Embora a composição física do personagem seja adequada e as retroprojeções funcionem bem, suas falas declamadas parecem fora do tom.

Outro senão também se refere à entonação, no caso da própria Lúcia Murat ao recitar o texto da narração em alta velocidade. Surpreende que à liberdade de recorrer a encenações e registros documentais não tenha optado, mesmo mantendo o uso da primeira pessoa, por voz mais adequada.

No todo, Uma longa viagem, além de autêntico, recende sinceridade. O que mais se pode pedir?

         

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

outras questões cinematográficas

Últimas Mais Lidas

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

Espanto e incredulidade entre nós

Cultivar o passado ou lidar com a realidade: formas de reagir a novos tempos na política

Culpa – clausura e complexidade na tela

Graduados da Escola de Cinema da Dinamarca fazem filme exemplar em treze dias

Utoya – 22 de Julho – enigma persistente

Filme ousa ao retratar atentado na Noruega sem pretender explicar suas razões

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

Mais textos
2

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

3

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

4

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

5

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

7

Sofística e polícia política

Olavo de Carvalho, Bolsonaro e a ideologia

8

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século

9

Sem herdeiros

Obra-prima da tevê, Família Soprano influenciou pouco os seriados posteriores

10

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional