questões jurídico-políticas

“Vamos para agosto”, diz Lula

Ex-presidente soube pela tevê que o Supremo havia negado seu habeas corpus; decepcionado, sobrou-lhe mirar a próxima fase do processo

Felippe Aníbal
26jun2019_16h30
FOTO: MARLENE BERGAMO/FOLHAPRESS

Desde o meio da tarde de terça-feira, 25, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva só tinha olhos para a tevê instalada na sala que lhe serve de cela na sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Foi pelos telejornais de canais abertos que o petista soube que a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) havia negado os dois pedidos para que ele fosse colocado em liberdade. Segundo pessoas próximas ao ex-presidente, em um primeiro momento, Lula acusou o golpe. Acreditava que deixaria a prisão. Mas, como sempre, logo passou a falar sobre a próxima etapa do processo: “Vamos para agosto.” É quando ele espera que o tribunal analise o mérito do segundo habeas corpus ajuizado por sua defesa, o que alega a suspeição do ex-juiz e atual ministro da Justiça Sergio Moro.

Na terça-feira, antes da sessão do STF, Lula recebeu a visita de dois de seus advogados – Luiz Eduardo Greenhalgh e Emídio de Souza –, que deixaram a sede da Polícia Federal e foram levar um recado do ex-presidente aos militantes do acampamento “Vigília Lula Livre”, instalado em frente ao prédio da polícia desde que ele foi levado para lá. “O presidente disse que estava tranquilo e para a gente não esperar grandes coisas do julgamento, porque o STF faria um julgamento político”, contou mais tarde Regina Cruz, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Paraná e uma das coordenadoras da vigília.

Na manhã da quarta-feira, outros dois advogados – Manoel Caetano e Luiz Carlos da Rocha, o Rochinha – cruzaram a catraca da recepção da PF às 10h30. Reuniram-se com o ex-presidente por uma hora e vinte minutos. Discutiram os próximos passos dos processos e estratégias. “[Lula] ficou decepcionado, mas está bem”, resumiu Caetano. “Em um ano e três meses que eu acompanho o presidente, em nenhum episódio desses em que havia expectativa de sair ele se abateu – nunca”, disse Rochinha. 

O julgamento dos habeas corpus fez a vigília aumentar na terça-feira. Segundo a coordenação, cerca de 300 pessoas acompanharam a sessão do STF. Além de jornalistas – que há tempos não davam as caras em peso por ali –, lideranças também apareceram, como o ex-deputado federal Dr. Rosinha. Quando a 2ª Turma sacramentou que Lula ficaria preso, alguns militantes choraram. 

“Eu me lembrei de uma conversa do Lula com a Dilma em que ele disse que o STF estava acovardado. Eu tenho pra mim que o STF continua acovardado. A pergunta é: está acovardado em relação a quem? Eu penso que por medo das forças militares”, disse Rosinha.

Os advogados de Lula fazem mistério sobre sua estratégia. O ministro Celso de Mello votou pela permanência de Lula na prisão, mas adiantou que isso não era uma antecipação do seu voto sobre o mérito da questão – o que soou como um bom presságio à defesa. A possibilidade de reversão do voto do ministro, no entanto, pode apresentar outro entrave à soltura de Lula: acelerar o julgamento do petista no caso do sítio de Atibaia pelo Tribunal Regional Federal da 4a Região (TRF-4). O ex-presidente foi condenado em primeira instância nesse processo. Tudo isso pode acontecer em agosto.

Agosto não é um mês qualquer para presidentes brasileiros. Foi em 24 de agosto que Getúlio Vargas saiu da vida para entrar para a história disparando contra o próprio coração. Desde 1954, outros agostos ficaram marcados na história presidencial: Jânio Quadros renunciou em 1961, Juscelino Kubitschek morreu em um acidente suspeito em 1976. E há três anos, também em agosto, Dilma Rousseff perdeu definitivamente seu mandato presidencial.

Felippe Aníbal (siga @felippeanibal no Twitter)

Repórter freelancer e cronista do Portal Plural

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

4

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

6

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

7

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

Na piauí_158

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

9

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

10

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi