questões da sucessão

“Verdade” e “liberdade” agora aparecem na fala de Bolsonaro

Uma análise visual dos primeiros discursos do presidente eleito; antes de vencer, ele dava mais peso a "Brasil" e quase não citava "democracia"

Marcella Ramos
29out2018_03h37
REPRODUÇÃO/REDE GLOBO

Nos três primeiros pronunciamentos de Jair Bolsonaro depois de eleito presidente do Brasil, duas palavras foram protagonistas: verdade e liberdade. Às 19h36 de domingo, minutos depois de confirmada a vitória, Bolsonaro iniciou uma transmissão para agradecer apoiadores no Facebook. Nos quase oito minutos de fala, repetiu “verdade” seis vezes. Esse foi o terceiro substantivo mais usado pelo candidato durante a transmissão, depois de “Brasil”, usado oito vezes, e “Deus”, repetido sete vezes. Em seguida, em pronunciamento na tevê aberta, o presidente eleito leu um discurso formal, em frente a sua casa na Barra da Tijuca. Neste, um pouco mais longo que o primeiro, repetiu a palavra “liberdade” onze vezes. Este também foi o terceiro substantivo mais usado, atrás de “Brasil”, repetido catorze vezes e “governo”, falado em treze oportunidades. Neste discurso, Bolsonaro também falou “verdade” cinco vezes.

Nuvem de palavras do discurso lido por Bolsonaro e transmitido pela tevê aberta depois de eleito presidente

A piauí comparou as palavras usadas em cinco discursos de Bolsonaro, dois dos mais comentados quando ele era candidato e os três primeiros como presidente eleito. Foram analisadas a live no Facebook neste domingo, primeira fala após o resultado; o discurso de vitória lido para a imprensa, logo em seguida; uma terceira fala, mais curta, também pelo Facebook, duas horas depois; o pronunciamento pela mesma rede social depois do primeiro turno; e um discurso para seus apoiadores na avenida Paulista, também via internet, no dia 21 de outubro. Na análise, levou-se em consideração apenas palavras que tenham significado se usadas sozinhas.

Em todos os pronunciamentos, a palavra mais repetida é “Brasil”. Mas o peso dado à palavra, nos discursos analisados, era maior antes de ser eleito (como se vê abaixo). Quando comentou o resultado do primeiro turno, o então candidato repetiu o nome do país catorze vezes. Na transmissão para apoiadores na Paulista, falou vinte vezes. Neste, as outras palavras mais usadas foram “povo” e “pátria”, ambas repetidas cinco vezes cada. As palavras “liberdade” e “verdade” foram usadas só uma vez neste dia. Cenário diferente da pós-eleição.

Discurso transmitido a apoiadores na Avenida Paulista, em 21 de outubro

 

Discurso feito logo depois do resultado do primeiro turno

 

Nos seus dois primeiros discursos depois da vitória, Bolsonaro citou a Constituição uma vez em cada pronunciamento, deixando de citar apenas no terceiro, feito mais tarde pelo Facebook. Nos outros dois, antes da vitória, não há menção à palavra. O discurso lido para a imprensa na frente de sua casa foi aquele em que o capitão da reserva mais explorou as variações da palavra “democracia”. O nome do regime foi citado uma vez, durante a fala “faço de vocês minhas testemunhas: esse governo será defensor da Constituição, da democracia e da liberdade. Isso não é uma promessa. É um juramento a Deus. A verdade vai libertar esse país”. Variações do termo, como “democrático” e “democrática”, apareceram duas vezes cada em outros momentos do discurso, e “democráticas”, uma vez. A soma desses termos é bem superior a qualquer referência a democracia nos dois discursos feitos quando estava em campanha. Na fala transmitida na avenida Paulista, Bolsonaro reproduziu só uma vez as palavras “democrática” e “democracia”. Na live do Facebook logo após a confirmação do resultado (que se vê abaixo), no pronunciamento depois do primeiro turno e na fala mais curta deste domingo não houve menção às palavras.

A primeira live de Facebook transmitida por Bolsonaro depois de eleito

Nos pronunciamentos deste domingo é possível perceber uma mudança no tom do presidente eleito. Na live feita assim que confirmada a vitória, Bolsonaro falou em “socialismo”, “esquerda” e “extremismo” (citou uma vez cada uma). Já no discurso oficial, para a tevê, ele não repetiu as palavras, e nem variações delas. Por outro lado, no discurso que leu, usou “seringueiro”, que não aparece em nenhuma das outras falas – o que também acontece com “opinião” e “opiniões”, ditas uma vez cada. Os dois primeiros discursos após a eleição citam “libertará”, com duas variações na fala oficial: “libertaremos” e “libertar”. Variações dessas palavras não apareceram nos dois discursos anteriores à eleição.

“Pacificar” e “unir” aparecem no terceiro pronunciamento feito pelo candidato, na noite de domingo, duas horas depois de ter vencido a disputa. Foram ditas, cada uma delas, uma vez pelo presidente eleito.

A terceira fala de Bolsonaro após a vitória, também transmitida via Facebook no domingo

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Leia também

Relacionadas Últimas

Extrema direita chega ao poder com Bolsonaro

Foro de Teresina discute as consequências da guinada conservadora no país

Leviatã e os lobos

O que o discurso de vitória revela sobre a estratégia de manutenção no poder de Bolsonaro

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor