questões da sucessão

“Verdade” e “liberdade” agora aparecem na fala de Bolsonaro

Uma análise visual dos primeiros discursos do presidente eleito; antes de vencer, ele dava mais peso a "Brasil" e quase não citava "democracia"

Marcella Ramos
29out2018_03h37
REPRODUÇÃO/REDE GLOBO

Nos três primeiros pronunciamentos de Jair Bolsonaro depois de eleito presidente do Brasil, duas palavras foram protagonistas: verdade e liberdade. Às 19h36 de domingo, minutos depois de confirmada a vitória, Bolsonaro iniciou uma transmissão para agradecer apoiadores no Facebook. Nos quase oito minutos de fala, repetiu “verdade” seis vezes. Esse foi o terceiro substantivo mais usado pelo candidato durante a transmissão, depois de “Brasil”, usado oito vezes, e “Deus”, repetido sete vezes. Em seguida, em pronunciamento na tevê aberta, o presidente eleito leu um discurso formal, em frente a sua casa na Barra da Tijuca. Neste, um pouco mais longo que o primeiro, repetiu a palavra “liberdade” onze vezes. Este também foi o terceiro substantivo mais usado, atrás de “Brasil”, repetido catorze vezes e “governo”, falado em treze oportunidades. Neste discurso, Bolsonaro também falou “verdade” cinco vezes.

Nuvem de palavras do discurso lido por Bolsonaro e transmitido pela tevê aberta depois de eleito presidente

A piauí comparou as palavras usadas em cinco discursos de Bolsonaro, dois dos mais comentados quando ele era candidato e os três primeiros como presidente eleito. Foram analisadas a live no Facebook neste domingo, primeira fala após o resultado; o discurso de vitória lido para a imprensa, logo em seguida; uma terceira fala, mais curta, também pelo Facebook, duas horas depois; o pronunciamento pela mesma rede social depois do primeiro turno; e um discurso para seus apoiadores na avenida Paulista, também via internet, no dia 21 de outubro. Na análise, levou-se em consideração apenas palavras que tenham significado se usadas sozinhas.

Em todos os pronunciamentos, a palavra mais repetida é “Brasil”. Mas o peso dado à palavra, nos discursos analisados, era maior antes de ser eleito (como se vê abaixo). Quando comentou o resultado do primeiro turno, o então candidato repetiu o nome do país catorze vezes. Na transmissão para apoiadores na Paulista, falou vinte vezes. Neste, as outras palavras mais usadas foram “povo” e “pátria”, ambas repetidas cinco vezes cada. As palavras “liberdade” e “verdade” foram usadas só uma vez neste dia. Cenário diferente da pós-eleição.

Discurso transmitido a apoiadores na Avenida Paulista, em 21 de outubro

 

Discurso feito logo depois do resultado do primeiro turno

 

Nos seus dois primeiros discursos depois da vitória, Bolsonaro citou a Constituição uma vez em cada pronunciamento, deixando de citar apenas no terceiro, feito mais tarde pelo Facebook. Nos outros dois, antes da vitória, não há menção à palavra. O discurso lido para a imprensa na frente de sua casa foi aquele em que o capitão da reserva mais explorou as variações da palavra “democracia”. O nome do regime foi citado uma vez, durante a fala “faço de vocês minhas testemunhas: esse governo será defensor da Constituição, da democracia e da liberdade. Isso não é uma promessa. É um juramento a Deus. A verdade vai libertar esse país”. Variações do termo, como “democrático” e “democrática”, apareceram duas vezes cada em outros momentos do discurso, e “democráticas”, uma vez. A soma desses termos é bem superior a qualquer referência a democracia nos dois discursos feitos quando estava em campanha. Na fala transmitida na avenida Paulista, Bolsonaro reproduziu só uma vez as palavras “democrática” e “democracia”. Na live do Facebook logo após a confirmação do resultado (que se vê abaixo), no pronunciamento depois do primeiro turno e na fala mais curta deste domingo não houve menção às palavras.

A primeira live de Facebook transmitida por Bolsonaro depois de eleito

Nos pronunciamentos deste domingo é possível perceber uma mudança no tom do presidente eleito. Na live feita assim que confirmada a vitória, Bolsonaro falou em “socialismo”, “esquerda” e “extremismo” (citou uma vez cada uma). Já no discurso oficial, para a tevê, ele não repetiu as palavras, e nem variações delas. Por outro lado, no discurso que leu, usou “seringueiro”, que não aparece em nenhuma das outras falas – o que também acontece com “opinião” e “opiniões”, ditas uma vez cada. Os dois primeiros discursos após a eleição citam “libertará”, com duas variações na fala oficial: “libertaremos” e “libertar”. Variações dessas palavras não apareceram nos dois discursos anteriores à eleição.

“Pacificar” e “unir” aparecem no terceiro pronunciamento feito pelo candidato, na noite de domingo, duas horas depois de ter vencido a disputa. Foram ditas, cada uma delas, uma vez pelo presidente eleito.

A terceira fala de Bolsonaro após a vitória, também transmitida via Facebook no domingo

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Leia também

Relacionadas Últimas

Extrema direita chega ao poder com Bolsonaro

Foro de Teresina discute as consequências da guinada conservadora no país

Leviatã e os lobos

O que o discurso de vitória revela sobre a estratégia de manutenção no poder de Bolsonaro

Boatos sobre políticas públicas serão o foco da nova edição do projeto Comprova

Iniciativa, no ar a partir de hoje, conta com a participação da piauí e de mais 23 veículos de todo o país

Falta de verbas e governo Bolsonaro ameaçam legado do SUS

Cientistas projetam piora de indicadores de saúde pública caso haja estagnação dos recursos para a área

Foro de Teresina #59: A popularidade de Bolsonaro, o Congresso após a Previdência e o espólio de Moro

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O carteiro de Lula

Desconhecido até prisão de ex-presidente, auxiliar assume tarefa de entregar quase tudo que petista vê e lê

Vozes do levante

As batalhas de poesia que têm transformado a vida de jovens das periferias chegam à Flip

Fiador da Previdência, Maia se lança, chora e aprova reforma

Presidente da Câmara faz discurso de candidato, omite Bolsonaro e diz que vitória é do Centrão

Divino Amor – um Brasil distópico

Futuro apresentado no filme de Mascaro tem flagrantes dos dias atuais

Maia cresce no Twitter, Moro dispara e Mourão some

Vazamentos da Lava Jato mantêm ministro da Justiça como personagem do bolsonarismo mais citado na rede

Dois meses de dor e chicungunha no Rio

Casos de 2019 são mais que o dobro do total registrado em 2018; prefeitura fala em “suscetibilidade” dos cariocas ao vírus

Mais textos
1

O carteiro de Lula

Desconhecido até prisão de ex-presidente, auxiliar assume tarefa de entregar quase tudo que petista vê e lê

2

O pranto dos livros

Texto de 17 de janeiro de 1997, extraído de um dos quase cem cadernos deixados pelo autor de Formação da Literatura Brasileira

3

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

5

O pit bull do papai

Os tormentos e as brigas de Carlos Bolsonaro, o filho mais próximo do presidente

6

Fiador da Previdência, Maia se lança, chora e aprova reforma

Presidente da Câmara faz discurso de candidato, omite Bolsonaro e diz que vitória é do Centrão

8

Juízes expulsos receberam R$ 137 milhões em aposentadorias

Valor pago a 58 magistrados punidos com aposentadoria compulsória desde 2009 pelo CNJ daria para sustentar 1.562 aposentados do INSS

9

Falta de verbas e governo Bolsonaro ameaçam legado do SUS

Cientistas projetam piora de indicadores de saúde pública caso haja estagnação dos recursos para a área

10

Foro de Teresina #59: A popularidade de Bolsonaro, o Congresso após a Previdência e o espólio de Moro

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana