questões das urnas

Witzel, do dígito solitário aos 3,1 milhões de votos

Ex-juiz federal adota discurso de Bolsonaro, quadruplica o eleitorado em uma semana e fica em primeiro na disputa pelo governo do Rio

Allan de Abreu
08out2018_03h31
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Sem nunca ter participado de uma eleição e filiado a um partido nanico, o ex-juiz federal Wilson Witzel (PSC) conquistou 3,1 milhões de votos no Rio de Janeiro. Ficou em primeiro lugar na disputa pelo governo do estado, depois de firmar uma aliança com o filho mais velho de Jair Bolsonaro, Flávio, e de pegar carona na onda conservadora que marca este pleito. Com 41,2% dos votos válidos, Witzel vai para o segundo turno contra o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes, que teve 19,5% dos votos. Há uma semana, o ex-juiz aparecia na terceira posição no Datafolha, com 9% das intenções de voto. Na pesquisa da véspera da eleição, ele tinha 14%, resultado ainda distante do que obteve neste domingo.

No início da campanha, Witzel se apresentava como defensor da Operação Lava Jato. Ao aproximar-se de Flávio, com quem fez uma coligação informal – oficialmente seu partido não se uniu ao PSL de Bolsonaro –, o ex-juiz mudou o discurso e encampou elementos da campanha do ex-capitão do Exército. Passou a fazer caminhadas enrolado na bandeira do Brasil, geralmente cercado de apoiadores do presidenciável, e a defender propostas que miram eleitores do PSL, como a de uma “rede estadual de escolas militares”. Em setembro, Witzel incluiu na campanha carreatas com o filho de Bolsonaro pelo estado, como em Nova Iguaçu, na semana passada. “Governador”, disse Flávio na ocasião, “todos nós vestimos a mesma camisa, que é a camisa do Brasil, da decência, da moralidade e do respeito com o contribuinte.”

Na noite deste domingo, após o resultado das urnas, o candidato deu uma entrevista coletiva no Campo Olímpico de Golfe, na Barra da Tijuca. Como dissera em outras ocasiões, defendeu o confronto armado entre policiais e criminosos nas comunidades cariocas. “Indivíduo com fuzil na mão, numa favela, será abatido”, disse o candidato líder no primeiro turno – que apareceu para a entrevista enrolado em uma bandeira do estado do Rio. O ex-juiz também afirmou que vai criar uma “universidade da polícia” para aprimorar a formação dos policiais.

Ex-oficial da Marinha, Witzel agradeceu o apoio de Flávio Bolsonaro e falou da aproximação com a campanha do PSL no decorrer do pleito. “Notamos que havia um alinhamento de ideias muito grande: combate à corrupção e à insegurança, investimento maciço em saúde.” Witzel atribuiu a votação expressiva à sua “participação nos debates” e às caminhadas nas ruas. E criticou as pesquisas de intenção de votos. “Essas pesquisas precisam ser repensadas, porque não retratam a realidade. Houve de fato uma decisão pelo voto em mim de última hora, mas pesquisas internas já apontavam um forte crescimento nos últimos dias.”

Paulista de Jundiaí, o ex-juiz tem 50 anos e é filho de um metalúrgico e uma empregada doméstica. Formou-se em direito e trabalhou como defensor público no fim dos anos 90 até tornar-se juiz federal criminal no Rio, em 2001. Witzel julgou casos de repercussão, como a Operação Poeira no Asfalto, em 2004, que levou à prisão de 56 pessoas, incluindo policiais rodoviários federais no Rio, acusados de corrupção. Como magistrado, presidiu a Ajuferjes, a Associação dos Juízes Federais do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Filiou-se ao PSC em março de 2017 (o partido de Bolsonaro, na época) e, um ano depois, pediu exoneração do cargo de magistrado. Ele ganhava 17 mil reais mensais, segundo o site do Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Atualmente ele trabalha como advogado no Rio e mora no Grajaú, Zona Norte.

 

Outro candidato a governador a apresentar aumento expressivo na votação poucos dias antes do pleito foi o empresário Romeu Zema, do Novo, em Minas Gerais. O candidato terminou com 42,7% dos votos válidos, à frente do tucano Antonio Anastasia, com 29% – ambos disputarão o segundo turno. Deixou para trás o atual governador, Fernando Pimentel (PT). O Datafolha apontava o candidato empatado com o petista na segunda colocação, com 24%. “Eu esperava uma boa votação, mas esse patamar me surpreendeu”, disse Zema, que teve 4,1 milhões de votos.

Bisneto de imigrantes italianos e nascido em Araxá (MG), Zema é o quinto candidato a governador mais rico do Brasil, com patrimônio declarado de 69,7 milhões de reais. Aos 53 anos, ele é dono de dezenove empresas, incluindo uma rede varejista com 430 lojas em Minas e São Paulo. Filiou-se ao PR em 1999, mas em janeiro deste ano mudou para o Novo do candidato derrotado à Presidência João Amoêdo.

O empresário é defensor das ideias liberais que caracterizam o seu partido, mas nos últimos dias temperou as palavras pró-mercado com um discurso com pontos próximos aos de Bolsonaro, como a liberação do porte de armas. No encerramento do último debate antes do primeiro turno, na Rede Globo, Zema surpreendeu ao pedir votos para Amoêdo e também para Bolsonado. “Aqueles que querem mudança, com certeza, podem votar aí nos candidatos diferentes, que são o Amoêdo e o Bolsonaro”, afirmou.

A declaração provocou reação no Partido Novo, que considerou o ato “infidelidade partidária”. O presidente do Diretório Estadual do partido, Bernardo Santos, contemporizou: “Zema se expressou mal e nunca havia participado de um debate. O partido não é à prova de falhas, mas a gente tem sempre boa-fé”, disse ao O Estado de Minas.

Neste domingo, logo após a divulgação do resultado, ele atribuiu o pedido de votos para Bolsonaro a um equívoco. “Estava tarde e eu estava cansado. Eu queria dizer que quem vota no Amoêdo ou no Bolsonaro vota Zema”, disse. Questionado pela piauí sobre quem ele vai apoiar para presidente no segundo turno, optou pela frase chavão: “Vou acatar a decisão do partido”. Em seguida, deixou o recado: “Com o PT, impossível”.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo

Os Papéis de Aspern – apelo de Henry James contra a bisbilhotice

Diretor e roteirista não sairiam ilesos de um tribunal que julgasse atentados à obra alheia

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

4

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

6
7

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo

10

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita