questões cinematográficas

12 anos em 165 minutos

É difícil imaginar título mais infeliz do que o da versão brasileira do filme escrito e dirigido por Richard Linklater – Boyhood – Da infância à juventude. Ao original, mantido em inglês, foi acrescentada a coda em português tão óbvia quanto banal. A empresa distribuidora Universal Pictures não poderia ter feito desserviço maior a um filme que ainda por cima desperdiça a boa ideia inicial a partir da qual foi realizado.

Eduardo Escorel
10nov2014_19h23
Boyhood – Da infância à juventude
Boyhood – Da infância à juventude

É difícil imaginar título mais infeliz do que o da versão brasileira do filme escrito e dirigido por Richard Linklater – . Ao original, mantido em inglês, foi acrescentada a coda em português tão óbvia quanto banal. A empresa distribuidora Universal Pictures não poderia ter feito desserviço maior a um filme que ainda por cima desperdiça a boa ideia inicial a partir da qual foi realizado.

Não há dúvida de que filmar durante 12 anos, acompanhando o crescimento de um menino, é uma proposta atraente, além de pouco usual. O que faltou a Linklater foi conseguir fazer um personagem do jovem Mason (Ellar Coltrane), figura apática a quem nada parece afetar. Quem domina a cena é Olivia (Patricia Arquette), mãe dele, deixando inclusive Mason pai (Ethan Hawke) em segundo plano.

À medida que o filme progride, o interesse da proposta original se esvai e acaba sem cumprir seu potencial. Para agravar o equívoco, Linklater não contém sua conhecida vocação para longos diálogos pseudo reflexivos (vide a trilogia Antes da…) que ocupam grande parte do terço final dos 165 minutos de duração de . Cineastas americanos em crise de identidade, quando adotam uma das mais incômodas características do cinema francês – diálogos transbordantes – costumam causar os piores desastres.

Nos Estados Unidos, a imprensa menciona o filme de Richard Linklater como possível candidato a ser premiado pela Academia no final de fevereiro. Grande sucesso de crítica, chegou a ser chamado de “delicado e profundo”, e também de “um dos mais extraordinários filmes de 2014 ou, aliás, do século 21 até o momento”. Tamanhos encômios são difíceis de entender, a não ser que se refirem apenas à curiosa ideia que originou o filme, e não ao que resultou projetado na tela.

Linklater e Ethan Hawke demonstraram ter noção precisa dos riscos envolvidos no projeto. Quando lhes perguntavam “o que acontece” no filme, Linklater respondia: “Pouca coisa.” E Ethan Hawke chegou a dizer que, neste filme, “o evento é o não evento” – bons propósitos, em tese, mas que resultam além do alcance de ambos.

Em última análise, porém, a equação comercial é a decisiva. E nesse quesito Boyhood arrasa. Produzido por apenas 4 milhões de dólares, já rendeu 43 milhões nos Estados Unidos e no restante do mercado mundial de salas de cinema, desde seu lançamento no início de julho. A Academia costuma ser sensível e sucessos nessa escala, ainda mais quando dotados de certo verniz intelectual. Oscars parecem mesmo estar no horizonte.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

outras questões cinematográficas

Últimas Mais Lidas

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Benzinho – expectativas frustradas e sonhos realizados

Com qualidade acima da média, longa causa estranheza ao se situar em reino da fantasia, fora do tempo e espaço reais

Baronesa – lufada de jovem talento

Filme mostra tragédia social com rara demonstração de talento e sensibilidade

Missão 115 – atentado e omissões

Filme relega a segundo plano o fracassado ataque a bomba no Riocentro – que seria seu tema central

Como Fotografei os Yanomami – transgredindo interdições

Filmar indígenas que veem as imagens como fontes de sofrimento é conflito central do documentário

Mais textos
1

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

2

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

3

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

4

Não foi você

Uma interpretação do bolsonarismo

5

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

6

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

7

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

8

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras