questões cinematográficas

Cinema brasileiro em questão

Na esperança de que seus projetos sejam os próximos contemplados, produtores aceitam a fragilidade dos recursos destinados ao cinema

Eduardo Escorel
13set2017_17h23
Quem acredita na importância do cinema ser produzido no Brasil teria a obrigação de enfrentar as condições reais nas quais se produz
Quem acredita na importância do cinema ser produzido no Brasil teria a obrigação de enfrentar as condições reais nas quais se produz FOTO: PIXABAY

A atividade cinematográfica jamais demonstrou ter capacidade de se tornar autossustentável no Brasil. Ela depende, desde sempre, de diferentes formas de protecionismo estatal, inclusive nos últimos vinte anos, durante os quais recursos vultosos foram investidos no setor por meio de diferentes mecanismos de fomento administrados pela Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura e pela Agência Nacional do Cinema.

Como essas formas de financiamento são, por definição, provisórias, uma vez que a justificativa do suporte que propiciam é compensar desvantagens comparativas e fomentar a existência de um setor produtivo nacional dotado de autonomia, a produção cinematográfica no país está sob ameaça de crise permanente.

O recente veto da renovação da Lei do Audiovisual não deveria, portanto, causar qualquer celeuma – é uma possibilidade que precisa estar sempre nas previsões de todos que atuam na área. Em especial, profissionais veteranos, com mais de cinquenta anos dedicados ao cinema, entre os quais eu me incluo.

Não é, porém, o que ocorre. Gestores e produtores silenciam, em períodos de recursos abundantes, a respeito da fragilidade dos suportes dos quais a atividade depende. Celebram os milhões disponíveis e a quantidade de filmes produzidos, mesmo sabendo que gastos acima da expansão da economia e da capacidade fiscal do Estado levam o país ao colapso. Silenciam sobre a má aplicação de recursos, a hipertrofia burocrática a que o setor é submetido e a qualidade duvidosa de parte considerável dos filmes realizados. Convivem com a lentidão da tomada de decisões e da formalização de compromissos, morosidade incompatível com a agilidade que a atividade requer. Aceitam passivamente o contingenciamento de recursos que limitam a capacidade dos fundos – tudo, na esperança de que seus próprios projetos sejam os próximos a serem contemplados.

Repete-se, dessa maneira, o que já ocorreu em outra época – recursos disponíveis para produção viciam e os adictos preferem aproveitar o prazer do momento, mesmo submetidos a longos períodos de abstinência. Deixam-se levar pelo autoengano até sofrerem um choque de realidade ao serem confrontados com a fragilidade institucional, legal e financeira do setor produtivo.

Quem acredita na importância do cinema ser produzido no Brasil, independentemente de seus interesses privados na condição de produtores e realizadores, teria a obrigação de enfrentar as condições reais nas quais se produz, e procurar, de uma vez por todas, alternativas que tenham perspectiva fundamentada de implantar atividade que caminhe com as próprias pernas; ou então assumir de vez que as condições da competição no mercado são desiguais, não sendo razoável supor que o cinema brasileiro possa vir um dia a ser autossustentável.

A primeira alternativa dependeria da efetiva capacidade política e empresarial de produtores e gestores, que não dá sinais de existir, para tornar o cinema brasileiro competitivo no mercado interno e capaz de conquistar algum espaço, por menor que seja, no mercado externo.

Para que a segunda alternativa fosse viável seria necessário um diálogo transparente entre a sociedade e o Estado, em busca de acordo público, com base na inexistência da possibilidade de haver um dia cinema brasileiro financeiramente sustentável. Assumindo, portanto, que a atividade só pode se manter por meio de subsídios direcionados a projetos de reconhecido mérito cultural e artístico. Hipótese que não parece desejável, nem factível, dada sua conotação beletrista, contraditória com atividade que, em tese, possui forte potencial de mercado em escala nacional e mundial.

O quadro descrito indica o impasse no qual o cinema brasileiro sobrevive fazendo exercícios contínuos de contorcionismo. Será desejável que essa situação permaneça para sempre? Não creio.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

outras questões cinematográficas

Últimas Mais Lidas

O Processo – observação em crise

Como todo observador intransigente, diretora Maria Augusta mais constata do que revela no documentário sobre o impeachment de Rousseff

A Melhor Escolha – jornada para redimir o passado

Filme de Richard Linklater tenta repetir fórmula de outros longas do cineasta, mas falha do ponto de vista comercial e artístico

Zama – espera e identidade

A adaptação para o cinema do livro homônimo pela diretora Lucrecia Martel

Um dia há cinquenta anos – cortejo e enterro de Edson Luís

Eduardo Escorel relembra a morte do estudante durante a ditadura militar; cineasta documentou o funeral

Icarus – fraude americana e conspiração russa

Vencedor do Oscar surgiu disfarçado de novidade, mas com ares de documentário requentado

Mais textos
1

Como o PCC superou a polícia para matar um dos seus

Reportagem da piauí reconstitui os últimos dias de “Gegê do Mangue”

2

Dois empresários paulistas contam por que estimulam Bolsonaro

Fundador da Tecnisa e dono de empresa de monitoramento de mídia marcam encontros entre pré-candidato e comunidade judaica de São Paulo. “Apoio quem seja contra a esquerda”, resume incorporador

3

General Mourão anuncia frente de candidatos militares nas eleições

Ao passar para a reserva, comandante que defendeu golpe militar diz à piauí que vai articular candidaturas fardadas ao Congresso, assembleias e Executivo

4

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

5

No Twitter, vampiro cola mais em Temer do que intervenção

Até agora, desfile da Tuiuti teve 26% mais repercussão do que ação militar no Rio; intervenção faz diminuir polarização Lula-Bolsonaro nas redes

6

Empresários rebatem defensores de Bolsonaro

Publicada pela piauí, entrevista com fundador da Tecnisa provocou reação da comunidade judaica. “Ele não tem legitimidade para falar em nosso nome”, disse ex-presidente da Confederação Israelita do Brasil

7

Conflito com Rede Globo é chave para candidatura de Huck

Apresentador tem até sexta para responder ultimato da emissora; disputa contratual pode ser usada contra pecha de “candidato da Globo”

8

Delegado da Polícia Federal quer mandados de busca coletivos em favelas cariocas

Para chefe antinarcóticos da PF no Rio, armas escondidas justificariam autorização judicial para busca indiscriminada em casas nos morros; defensoria diz que isso é “ilegal” e reforça “seletividade do sistema penal”

9

A guerra

Como o PCC deflagrou uma crise nas prisões brasileiras ao tentar ganhar poder fora de São Paulo

10

Temer vence 1ª batalha da longa guerra que começou no Rio

Dizendo-se contrário a como intervenção foi feita, Bolsonaro se posiciona para lucrar com sucesso ou fracasso da operação