esquina

Mas nem na China

Síndrome do velho sábio chinês ignora fronteiras

Adam Sun
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

No início do ano, a secretária de Estado americana Condoleezza Rice foi ao Oriente Médio na sua zilionésima missão de paz. Segundo o Washington Post, ela disse em Riad, capital da Arábia Saudita, que “as circunstâncias no Oriente Médio podiam representar uma oportunidade. ‘Eu não leio chinês, mas me contaram que o caractere chinês para crise é weiji, que significa tanto perigo como oportunidade. Acho que faz muito sentido. Tentaremos maximizar a oportunidade'”. Embora o verbo maximizar consiga soar tão feio em inglês quanto em português, o que de fato chama atenção na frase é que ela encerra uma imensa bobagem. Pior: uma bobagem repetida ad nauseam, sem dó nem piedade, em manuais de auto-ajuda, livros para executivos, declarações exaltadas de financistas, falas solenes de políticos e recintos onde se cura de tudo.

Trata-se de ignorância, ou, na pior hipótese, de oportunismo, relacionar o termo weijicrise, em chinês – ao binômio perigo/oportunidade. O dicionário Xinhua Cidian traz a seguinte definição da palavra, que é composta pela justaposição dos caracteres wei e ji: “período crucial em que um grave perigo ameaça a própria existência”. Segundo o New Practical Chinese-English Dictionary, weiji significa “crise; situação de perigo; momento precário”.

A escrita chinesa é formada de caracteres, unidades dotadas de som e sentido denominadas morfemas. Dependendo de como eles são enunciados, podem significar várias coisas. O caractere wei da palavra weiji significa, segundo o dicionário enciclopédico chinês Ci Hai: 1) perigo, risco emergente; 2) apreensão; 3) prejudicial; 4) lugar alto; 5) viga do telhado; 6) nome de uma estrela. O caractere ji tem as seguintes acepções: 1) gatilho dos antigos arcos; 2) tear; 3) antiga padiola para carregar cadáveres; 4) ponto crucial dos eventos; 5) inteligente; 6) o mesmo que “diminuto”; 7) ocasião; situação. Nessa última acepção, weiji é dado como exemplo. Em sentido literal, weiji se aplica a uma situação de perigo – definição 1 do caractere wei (perigo, risco emergente) e definição 7 de ji (ocasião; situação). Em nenhum caso aparece a palavra oportunidade. Como, então, surgiu a fórmula weiji = perigo e oportunidade?

É a segunda hipótese: oportunismo. Em alguns dicionários sino-ingleses, como o New Practical, o caractere ji, entre vários sentidos, ganha o de chance, ocasião, oportunidade. Quando esse mesmo caractere ji se justapõe a hui, o resultado é jihui – e jihui é oportunidade. Como dois e dois são cinco, graças a essas casualidades semânticas de um idioma peculiar, weiji foi batizado de perigo e oportunidade.

Se o português carregasse a fama de ser um idioma impenetrável, falado por velhos sábios desde tempos imemoriais, Condoleezza Rice poderia nos citar para dizer a mesma coisa. O artifício lingüístico também funciona aqui. Pela definição do Aurélio, crise significa “momento perigoso ou decisivo”. E momento é definido pelo mesmo Aurélio como “ocasião azada, oportunidade”. Voilà: crise, em português, significa “oportunidade perigosa”.

Um dos responsáveis pela disseminação do elo entre a crise e os caracteres perigo e oportunidade foi o então senador John F. Kennedy, num discurso, feito em 1959, a estudantes do United Negro College Fund, no estado de Indiana. Na ocasião, ele declarou: “A palavra crise, em chinês, é composta de dois caracteres – um representa perigo e outro representa oportunidade. Os sinais de perigo estão a nossa volta. Com menos da metade da nossa capacidade produtiva, a União Soviética tem conseguido pelo menos nos igualar em diversas áreas das ciências e da tecnologia militar”. Daí em diante, a mania nunca mais saiu de moda.

Como no mercado livre dos clichês uma imagem distorcida também vale mais do que mil palavras, o casamento capenga de perigo e oportunidade tem sido exaustivamente usado como expediente retórico para elevar o moral em tempos de crise. Visto que Condoleezza Rice não lê chinês, o Washington Post foi prudente: consultou um sinólogo para confirmar o mito. Dito e feito. Victor A. Mair, professor de chinês da Universidade da Pensilvânia, observou que “toda uma indústria de sábios e terapeutas desenvolveu-se em torno dessa formulação grosseiramente incorreta”. Ou seja, entre o fato e a lenda, adota-se a lenda. Weiji sucumbiu a si próprio. Como lembrou Mair, a palavra significa, na realidade, “uma crise genuína, um momento perigoso, uma fase em que as coisas desandam”. E desandou.

Adam Sun

Leia também

Últimas Mais Lidas

Utoya – 22 de Julho – enigma persistente

Filme ousa ao retratar atentado na Noruega sem pretender explicar suas razões

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Mais textos
2

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

3

A revolta conservadora

Bolsonaro será o líder de um governo antiestablishment

4

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

6

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

7

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

8

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

9

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

10

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país