esquina

Mas nem na China

Síndrome do velho sábio chinês ignora fronteiras

Adam Sun
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

No início do ano, a secretária de Estado americana Condoleezza Rice foi ao Oriente Médio na sua zilionésima missão de paz. Segundo o Washington Post, ela disse em Riad, capital da Arábia Saudita, que “as circunstâncias no Oriente Médio podiam representar uma oportunidade. ‘Eu não leio chinês, mas me contaram que o caractere chinês para crise é weiji, que significa tanto perigo como oportunidade. Acho que faz muito sentido. Tentaremos maximizar a oportunidade'”. Embora o verbo maximizar consiga soar tão feio em inglês quanto em português, o que de fato chama atenção na frase é que ela encerra uma imensa bobagem. Pior: uma bobagem repetida ad nauseam, sem dó nem piedade, em manuais de auto-ajuda, livros para executivos, declarações exaltadas de financistas, falas solenes de políticos e recintos onde se cura de tudo.

Trata-se de ignorância, ou, na pior hipótese, de oportunismo, relacionar o termo weijicrise, em chinês – ao binômio perigo/oportunidade. O dicionário Xinhua Cidian traz a seguinte definição da palavra, que é composta pela justaposição dos caracteres wei e ji: “período crucial em que um grave perigo ameaça a própria existência”. Segundo o New Practical Chinese-English Dictionary, weiji significa “crise; situação de perigo; momento precário”.

A escrita chinesa é formada de caracteres, unidades dotadas de som e sentido denominadas morfemas. Dependendo de como eles são enunciados, podem significar várias coisas. O caractere wei da palavra weiji significa, segundo o dicionário enciclopédico chinês Ci Hai: 1) perigo, risco emergente; 2) apreensão; 3) prejudicial; 4) lugar alto; 5) viga do telhado; 6) nome de uma estrela. O caractere ji tem as seguintes acepções: 1) gatilho dos antigos arcos; 2) tear; 3) antiga padiola para carregar cadáveres; 4) ponto crucial dos eventos; 5) inteligente; 6) o mesmo que “diminuto”; 7) ocasião; situação. Nessa última acepção, weiji é dado como exemplo. Em sentido literal, weiji se aplica a uma situação de perigo – definição 1 do caractere wei (perigo, risco emergente) e definição 7 de ji (ocasião; situação). Em nenhum caso aparece a palavra oportunidade. Como, então, surgiu a fórmula weiji = perigo e oportunidade?

É a segunda hipótese: oportunismo. Em alguns dicionários sino-ingleses, como o New Practical, o caractere ji, entre vários sentidos, ganha o de chance, ocasião, oportunidade. Quando esse mesmo caractere ji se justapõe a hui, o resultado é jihui – e jihui é oportunidade. Como dois e dois são cinco, graças a essas casualidades semânticas de um idioma peculiar, weiji foi batizado de perigo e oportunidade.

Se o português carregasse a fama de ser um idioma impenetrável, falado por velhos sábios desde tempos imemoriais, Condoleezza Rice poderia nos citar para dizer a mesma coisa. O artifício lingüístico também funciona aqui. Pela definição do Aurélio, crise significa “momento perigoso ou decisivo”. E momento é definido pelo mesmo Aurélio como “ocasião azada, oportunidade”. Voilà: crise, em português, significa “oportunidade perigosa”.

Um dos responsáveis pela disseminação do elo entre a crise e os caracteres perigo e oportunidade foi o então senador John F. Kennedy, num discurso, feito em 1959, a estudantes do United Negro College Fund, no estado de Indiana. Na ocasião, ele declarou: “A palavra crise, em chinês, é composta de dois caracteres – um representa perigo e outro representa oportunidade. Os sinais de perigo estão a nossa volta. Com menos da metade da nossa capacidade produtiva, a União Soviética tem conseguido pelo menos nos igualar em diversas áreas das ciências e da tecnologia militar”. Daí em diante, a mania nunca mais saiu de moda.

Como no mercado livre dos clichês uma imagem distorcida também vale mais do que mil palavras, o casamento capenga de perigo e oportunidade tem sido exaustivamente usado como expediente retórico para elevar o moral em tempos de crise. Visto que Condoleezza Rice não lê chinês, o Washington Post foi prudente: consultou um sinólogo para confirmar o mito. Dito e feito. Victor A. Mair, professor de chinês da Universidade da Pensilvânia, observou que “toda uma indústria de sábios e terapeutas desenvolveu-se em torno dessa formulação grosseiramente incorreta”. Ou seja, entre o fato e a lenda, adota-se a lenda. Weiji sucumbiu a si próprio. Como lembrou Mair, a palavra significa, na realidade, “uma crise genuína, um momento perigoso, uma fase em que as coisas desandam”. E desandou.

Adam Sun

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

7

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

8

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor

10

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos