esquina

Moli vai à China

Uma garota fissurada em mandarim

Paula Scarpin
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016

Do hotel em frente à Baía da Guanabara, Amiris Rodrigues divisou o ponto em que o sol se levanta e entoou o mantra Daimoku, recomendado pela tradição budista àqueles que precisam de força para transformar o destino. Era fim de junho. A adolescente miúda, de óculos e aparelho nos dentes, pediu em japonês – idioma que ignora – o reconhecimento de sua competência em mandarim. Dentro de poucas horas, a moça de 16 anos disputaria a final brasileira do Chinese Bridge, concurso mundial de língua e cultura chinesas para alunos dos ensinos médio e superior. Um dos requisitos da competição é que os participantes não tenham nenhum elo familiar com a China. “Meu bisavô paterno nasceu na Espanha e se casou com uma baiana. Minha bisavó materna era índia, casada com um nortista”, apressou-se em me explicar a garota. Até um ano e meio atrás, tudo o que ela sabia a respeito do gigantesco país asiático limitava-se às lições recebidas durante as aulas de geografia num colégio agrícola de Franca, cidade paulista onde nasceu e mora. Nem rolinho primavera a menina havia experimentado.

No começo de 2015, mal ingressou no ensino médio, Rodrigues descobriu que, além de aprender inglês e espanhol, poderia se inscrever num curso optativo de mandarim, graças a uma parceria da escola com o Instituto Confúcio. A organização sem fins lucrativos, vinculada ao Ministério da Educação da China, possui 500 centros espalhados pelo mundo. “É meio bobo falar desse jeito, mas o mandarim deu sentido à minha vida”, confidenciou a jovem. O currículo regular do colégio agrícola não a desafiava – tampouco a convivência com outros adolescentes. Muito estudiosa, nem sempre se interessava pelo papo dos colegas. “Em resumo, morria de tédio.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Paula Scarpin

Paula Scarpin é repórter da revista desde 2007 e diretora dos podcasts da Rádio Piauí.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Bolsonaro e Haddad vão ao JN, bombam no Twitter e crescem

Jornal Nacional foi evento mais tuitado das campanhas dos candidatos do PSL e do PT; apresentadores viraram o assunto após as entrevistas

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

Mais textos