vultos da economia

À procura de Leff

Como um economista americano ofereceu uma explicação inovadora para o atraso do Brasil – e depois desapareceu

Rafael Cariello
Leff deixou a universidade, onde lecionou por trinta anos, subitamente. Ninguém ali teve mais notícias suas. “Não disse adeus, não disse nada”, contou um colega. “E nunca mais voltou.”
Leff deixou a universidade, onde lecionou por trinta anos, subitamente. Ninguém ali teve mais notícias suas. “Não disse adeus, não disse nada”, contou um colega. “E nunca mais voltou.” FOTO: REPRODUÇÃO

  English version

No dia 8 de junho de 2015, entre algumas outras tarefas de um dia banal de trabalho, enviei um e-mail ao economista Samuel Pessôa, pesquisador da Fundação Getulio Vargas. Na mensagem, eu retomava uma conversa que havíamos iniciado dois anos antes: queria saber o que mais ele podia me contar sobre um historiador econômico norte-americano cujas ideias ele havia mencionado com ênfase e entusiasmo em mais de uma ocasião. Chamava-se Nathaniel Leff.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Rafael Cariello

É roteirista do Conversa com Bial da TV Globo. Foi editor da piauí e correspondente da Folha de S.Paulo em Nova York

Leia também

Últimas Mais Lidas

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

Foro de Teresina #27: Bolsonaro cai no mundo real, a oposição junta os cacos e Doria recruta no governo Temer

O podcast de política da piauí discute os fatos da semana na política nacional

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

O Muro – sinal de alerta, ouvidos moucos

Documentário de 2017 discute premonitoriamente a polarização de posições políticas

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

A lição de Josefa

A grande artesã deixa um conselho para os políticos: “Não há riqueza maior do que o nosso nome”

Mulher negra (não tão) presente

Representatividade de mulheres pretas e pardas, maioria da população brasileira, cresceu 38% nas eleições; participação dos homens brancos é 15 vezes maior do que a das mulheres negras

A democracia pode ser exceção

Nada garante que o regime seja inerentemente estável

Mais textos
1

O triunfo do bolsonarismo

Como os eleitores criaram o maior partido de extrema direita da história do país

2

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

3

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

4

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

5

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

6

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

8

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

9

Em águas turvas

A substituta de Sérgio Moro

10

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro