Questões da Ciência

Monitoramento amplo, geral e irrestrito

Uma iniciativa de pesquisadores brasileiros com o Google vai monitorar o desmatamento no país

Bernardo Esteves
18dez2015_14h26

A Amazônia brasileira é a única floresta tropical do mundo a ter o desmatamento mensalmente monitorado a partir da análise de imagens de satélite. O acompanhamento regular teve papel importante no controle do desmatamento nesse bioma, que caiu cerca de 80% desde 2004. Não que a situação esteja sob controle: no último ano, foram derrubados 5,8 mil quilômetros quadrados de mata, 16% a mais do que no ano passado.

Atualmente há duas iniciativas para o monitoramento mensal da derrubada da Amazônia. Uma delas é promovida pelo governo federal e realizada desde 2004 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe. Há ainda uma iniciativa independente conduzida desde 2007 pela ONG paraense Imazon, Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. (A história desse instituto e de Chris Uhl, um de seus fundadores, foi contada na reportagem “O mentor”, publicada na piauí 111, de dezembro de 2015 – atualmente nas bancas e disponível on-line para assinantes).

Mas o monitoramento mensal se restringia até agora à Amazônia, deixando de fora biomas sob intensa pressão da atividade agropecuária, como o cerrado, que tem registrado taxas anuais de desmatamento maiores que as da Amazônia. Esse quadro começou a mudar com a entrada em operação de uma iniciativa que vai monitorar a perda da cobertura vegetal em todos os biomas do país, incluindo também a mata atlântica, o pantanal, a caatinga e o pampa.

Batizada de MapBiomas, a iniciativa é fruto de uma parceria entre dezenas de universidades, empresas e ONGs brasileiras e foi lançada em versão beta num evento no fim de novembro. O primeiro produto derivado da nova plataforma será uma série de mapas que permitem acompanhar as mudanças no uso da terra em todo o território brasileiro ao longo de oito anos, de 2008 a 2015. Uma versão preliminar dos mapas foi apresentada ao público durante a COP21, a conferência do clima realizada em Paris no começo deste mês.

Assim como o sistema de monitoramento independente operado pelo Imazon, o MapBiomas recorre à tecnologia do Google Earth para a análise das imagens de satélite. As imagens são tratadas na nuvem, nos servidores da gigante do Vale do Silício, o que poupa tempo e recursos computacionais preciosos para os pesquisadores.

“É um grande playground”, disse o engenheiro florestal Tasso Azevedo, coordenador da iniciativa, enquanto fazia uma demonstração do sistema em seu laptop numa conversa com o questões da ciência nos corredores da COP21. Azevedo mostrou a evolução de uma região do Acre que era ocupada floresta primária e foi convertida em pastagem. O pesquisador chamou a atenção para a agilidade do sistema. “Se eu fosse fazer isso manualmente, demoraria quatro dias; trabalhando no melhor computador, seria preciso um dia”, explicou. “Aqui demorou o tempo de eu explicar e ele já gerou o resultado.”

Cada pixel das imagens usadas no MapBiomas representa um quadrado com 30 metros de lado. A resolução é maior que usada no monitoramento mensal da Amazônia feito pelo governo, conforme notou Azevedo. “A frequência é muito maior do que a do inventário nacional de gases do efeito estufa”, disse o engenheiro florestal. “Vamos enxergar coisas pela primeira vez.”

O coordenador do projeto notou ainda que a plataforma desenvolvida pelos pesquisadores brasileiros em parceria com o Google tem acesso aberto e poderá ser usada por cientistas de todo o mundo. A novidade já despertou o interesse de colegas da América do Sul. “Já temos demandas de uso do sistema por parte da Argentina, Colômbia, Peru, Guiana, Guiana Francesa, Suriname e da rede dos países amazônicos”, disse Azevedo.

Atualização: o post foi atualizado em 22/12/15 para corrigir a resolução do satélite que captura as imagens analisadas pelo MapBiomas (a versão original afirmava que os pixels representavam quadrados com 30 km de lado).

Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo é dia de ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

10

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante