questões político-futebolísticas

Pivo de escândalo Fifa volta ao Brasil “de vez”

J. Hawilla disse à piauí que foi liberado para voltar dos Estados Unidos, onde confessou crimes como lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça; preso em 2013, fez acordo para delatar cartolas

Fabio Victor e Allan de Abreu
08fev2018_21h01
Empresário J. Hawilla, que estava proibido de deixar os EUA desde maio de 2013
Empresário J. Hawilla, que estava proibido de deixar os EUA desde maio de 2013 FOTO: ZANONE FRAISSAT_FOLHAPRESS

Esta reportagem foi atualizada às 13h15 do dia 9 de fevereiro

Um dos pivôs do escândalo Fifa, o empresário José Hawilla – ou J. Hawilla, como ficou conhecido ainda quando era apresentador de TV – está de volta ao Brasil. Definitivamente, segundo disse à piauí. Hawilla é pessoa-chave no processo que apura esquema de corrupção que envolveu o pagamento de propinas milionárias a dirigentes de algumas das organizações responsáveis pelo comando do futebol mundial, como a própria Fifa, a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Hawilla havia sido preso nos Estados Unidos. Fechou um acordo de delação em 2013, e, desde então, vem colaborando com o Departamento de Justiça norte-americano.

O dono da Traffic chegou a São Paulo no domingo, 4 de fevereiro. “Voltei de vez”, afirmou à piauí na noite desta quinta-feira, por telefone. Desde maio de 2013, Hawilla estava proibido de deixar os EUA, embora pudesse circular pelo país. Questionado sobre a proibição, respondeu: “Estava [proibido], mas acabou o processo”.

O empresário se recusou a dar mais informações. “Não posso dar entrevista. Estou proibido pelos advogados de falar. Não vai tentar arrancar coisa minha que você vai me comprometer.” O advogado de J. Hawilla, José Luis de Oliveira Lima, disse que não daria declarações à imprensa.

A viagem de Hawilla ao Brasil só ocorreu por conta de um acordo com a Justiça norte-americana. Segundo o Departamento de Justiça (DoJ), o acordo de liberação do empresário não é um documento público. O Brasil não tem tratado para extradição de cidadãos brasileiros aos Estados Unidos, mas, segundo o DoJ, Hawilla deverá estar presente na corte de Nova York no dia de sua sentença, no próximo 23 de abril.

Hawilla deverá passar o Carnaval em sua casa no Guarujá, litoral paulista, e em seguida segue para São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, sua cidade natal, onde também tem residência – um imóvel de 12 mil metros quadrados avaliado em 18 milhões de reais.

O empresário é dono do grupo Traffic, que atua no marketing esportivo desde 1980. Seus negócios se estenderam do Brasil a dezenas de países das américas do Sul, Central e do Norte. Preso em maio de 2013 pelo FBI, a polícia federal dos Estados Unidos, sob acusação de obstruir a Justiça, Hawilla optou por delatar os envolvidos em dezenas de episódios em que ele diz ter pago milhões de dólares em propina para vários dirigentes esportivos. Entre eles estão Nicolás Leoz, que comandou a Conmebol entre 1986 e 2011; Ricardo Teixeira, presidente da CBF entre 1989 e 2012; e Marco Polo Del Nero, presidente afastado da confederação brasileira (ele foi suspenso do cargo pela Fifa no fim de 2017, e seu julgamento deve ocorrer até abril).

As propinas, segundo Hawilla, foram pagas entre 1991 e 2013 por meio de empresas offshore sediadas no Caribe. Ele também aceitou a incumbência do FBI de gravar conversas comprometedoras entre ele e dirigentes e empresários do esporte, entre 2013 e 2014. Sua delação serviu de base para a maioria dos indiciamentos feitos pelo Departamento de Justiça norte-americano.

Em dezembro de 2014, Hawilla declarou-se formalmente culpado pelos crimes de extorsão, conspiração por fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça. Pela lei norte-americana, a pena para esses crimes, somada, pode chegar a 80 anos de prisão. Ele também concordou em vender todos os ativos da Traffic e indenizar o governo dos Estados Unidos em 151 milhões de dólares, dos quais 25 milhões foram quitados no fim de 2014. O restante deveria ser pago até a sentença judicial do empresário, prevista para abril deste ano.

Em dezembro de 2017, Hawilla depôs como testemunha de acusação na ação penal que resultou na condenação do brasileiro José Maria Marin, ex-presidente da CBF, e do paraguaio Angel Napout, ex-presidente da Conmebol, por lavagem de dinheiro, fraude financeira e participação em organização criminosa. Ambos recorreram da decisão.

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Fabio Victor é repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por 20 anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela Record

Leia também

Relacionadas Últimas

Pivô do escândalo Fifa, J. Hawilla morre em São Paulo

Em acordo de delação em 2013, o empresário confessou crimes e teve de pagar 151 milhões de dólares ao governo norte-americano

O delator

Delcídio do Amaral fala sobre os tempos de poder, os meses na prisão e a ruptura com Dilma, Lula e o PT

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista inédita concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

A lição de Josefa

A grande artesã deixa um conselho para os políticos: “Não há riqueza maior do que o nosso nome”

Mulher negra (não tão) presente

Representatividade de mulheres pretas e pardas, maioria da população brasileira, cresceu 38% nas eleições; participação dos homens brancos é 15 vezes maior do que a das mulheres negras

A democracia pode ser exceção

Nada garante que o regime seja inerentemente estável

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

Foro de Teresina #26: O gabinete de Bolsonaro, o novo papel de Moro e o Escola Sem Partido

O podcast de política da piauí discute a transição e os primeiros movimentos do governo Bolsonaro

Excelentíssimos – outro retardatário na tela

Documentário deixa a desejar ao expor, juntos, a rotina no Congresso e o processo de impeachment

PM do Rio ignora lei e expõe preso no Twitter

Polícia divulgou rosto de homem algemado e a palavra “capturado”; Defensoria entrou na Justiça para excluir imagem

Rede de intrigas agrotóxicas

Em grupo de WhatsApp de ruralistas, presidente da UDR, Nabhan Garcia, critica Onyx Lorenzoni: “Já vi muito pavão virar espanador”

Jornalismo cordial

Imprensa é oposição?

Mais textos
1

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

2

Rede de intrigas agrotóxicas

Em grupo de WhatsApp de ruralistas, presidente da UDR, Nabhan Garcia, critica Onyx Lorenzoni: “Já vi muito pavão virar espanador”

3

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

4

Meus avós em ruínas

Por que não consigo me livrar do apartamento modernista que herdei há cinco anos?

5

O pior está por vir

Polarização, teorias conspiratórias, ataques à imprensa – como uma democracia pode acabar

6

Jornalismo cordial

Imprensa é oposição?

7

Marley e nós

Direitos caninos para caninos direitos

8

A volta do ditador

Em Porto Alegre, a avenida da Legalidade e da Democracia reassume o nome do general Castello Branco

9

Super Moro 2022

Ao nomear juiz para ministério, Bolsonaro controla a própria sucessão

10

Foro de Teresina #26: O gabinete de Bolsonaro, o novo papel de Moro e o Escola Sem Partido

O podcast de política da piauí discute a transição e os primeiros movimentos do governo Bolsonaro