questões supremas

“Ser mais do que se é, é ser menos”

Discrepâncias no currículo de Kassio Nunes Marques atingem também a imagem do Supremo

Joaquim Falcão
08out2020_09h39
Kassio Nunes Marques, indicado para o Supremo Tribunal Federal –
Kassio Nunes Marques, indicado para o Supremo Tribunal Federal – Foto: Divulgação/TRF-1

O desembargador Kassio Nunes Marques reagiu, até agora, de três maneiras diferentes sobre os questionamentos de seus títulos.

Primeiro, segundo divulgou o Antagonista, teria afirmado: “Estão tentando mitigar o sucesso desta caminhada” e “diminuir seu caráter e personalidade”.

Este argumento é estratégia de personalizar, fulanizar uma questão institucional. Escapar de responder. O que não é adequado.

Quem  aceita indicação para tão alto cargo na República, aceita, desde logo, ser radiografado. Aceita o PetScan das suas experiências relevantes. Aceita a objetivação de sua vida profissional. Pode incomodar. Mas é assim na era da tecnologia e da transparência.



No segundo argumento, o desembargador afirma que não precisa desses títulos  para ser ministro do Supremo. Tem razão. A titulação acadêmica é para concurso de professor. No Supremo, exige-se notável saber jurídico. E não títulos específicos. Tivemos importantes ministros que chegaram ao tribunal apenas com o bacharelado. Grandes ministros, como Sepúlveda Pertence.

Mas esse argumento também afasta o público de informações de que precisa. Não se exige mestrado ou doutorado, mas é necessário saber o currículo de fato e a experiência intelectual do indicado.

Outra exigência para ser ministro do Supremo é a reputação ilibada. A maneira como o indicado apresenta seu currículo e lida com as dúvidas da sociedade. Importante para sua reputação.

O artigo 37 da Constituição exige a publicidade na administração pública. Princípio que candidatos ao Supremo, se aprovados, precisarão aplicar a toda administração pública. A publicidade precisa começar pelo bom exemplo.

O terceiro argumento já enfrenta um pouco mais as dúvidas. Teria havido erros de tradução do espanhol ou italiano. Pode ter havido, sim, em alguns casos. Mas este é argumento formal, insuficiente para as realidades que buscamos.

Não há erro de tradução, por exemplo, em relação à Universidade de Salamanca. Lá existem os cursos de pós-graduação e pós-doutorado. Inclusive os contratos de pós-doutorado exigem antes o doutorado. O erro não foi de tradução.

Na Universidade de La Coruña, o desembargador teria apenas um atestado de participação em um curso.

O que o eleitor e os senadores precisam saber é a substância. As experiências acadêmicas por trás dos rótulos sintéticos. Qual o conteúdo real desses rótulos destraduzidos? Feitos em Belo Horizonte ou em Messina? Quando? Exigiram trabalho final? Foram pagos pelo TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) ou pelo próprio desembargador?

Esta não é uma discussão formal. É claro. Rótulos não significam o mesmo para todos os países, instituições e envolvidos. É discussão de realidades. Pertinente a um direito constitucional de realidade.

Qualquer professor de direito constitucional tem o dever de pesquisar, indagar, sugerir e entender o que se passa no Supremo. Esse é nosso ofício.

O desembargador poderia tomar a iniciativa e vir a público explicar e defender seu currículo. Por que tantas discrepâncias?

Na Argentina, exige-se pelo menos quinze dias de publicidade para que o cidadão possa se manifestar sobre o indicado. Nos Estados Unidos, o pleno currículo é imediatamente disponível. 

Bastidor sozinho não basta.

A mensagem da Presidência da República é muda. Diz que a pressa foi “em virtude do estado de calamidade pública decorrente da pandemia do coronavírus”. Não consta nenhum currículo. Nada.  

Deve ser pressa para capturar o Centrão. O Supremo não deveria ser inoculado por alianças partidárias.

No Brasil, o MEC e a Capes regulam bolsas para pós-doutorado. Pós-doutorado é só após o doutorado. 

O currículo do TRF-1 é pensado em espanhol, escrito em português, sobre algo que inexiste.

O grande sergipano Gilberto Amado, de nossa Academia Brasileira de Letras (e o desembargador é nordestino, precisamos de nordestinos no Supremo), dizia: “Querer ser mais do que se é, é ser menos.”

Temos visto na escolha do candidato a ambição de muitos pelo poder e glória fugazes. Tisnando as imagens públicas das instituições que representam.

A ausência de esclarecimento amplo, geral e irrestrito corre o risco de levantar a questão da reputação ilibada.

Ministros do Supremo representam os cidadãos não pelo voto, mas pela credibilidade e legitimidade que conquistam. Na indicação. Durante a aprovação. E no exercício posterior.

As dúvidas sobre este currículo já englobam pelo menos três instituições internacionais. Atingem a imagem do Supremo no exterior.

A democracia tecnológica global é o mais rápido, participativo e radical dos regimes políticos. Legitimador ou deslegitimador de ambições. Mas é assim mesmo.

Joaquim Falcão

Membro da Academia Brasileira de Letras e professor de direito constitucional da FGV.

Leia também

Últimas Mais Lidas

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
4

Maria Vai Com as Outras #4: Gênero, número e raça

Empresária do ramo da beleza e uma doutora em psicologia explicam como as grandes empresas veem, recebem e remuneram a mulher negra

6

Camaradas!

O PCB existe, luta e não entrega os pontos

7

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

9

Em defesa dos adjetivos

Ditadores e generais costumam dispensar tudo o que não seja verbo e substantivo

10

Maitê Proença tira sutiã contra botox de Álvaro Dias

FINA ESTAMPA - O sucesso do vídeo contra a usina de Belo Monte botou em polvorosa os atores globais. Nos últimos quatro dias, 14.329 vídeos foram gravados com opiniões contra e a favor da unha encravada, da comida orgânica, da ilha de Capri, de assessores de imprensa e de cremes para as mãos, entre outras dezenas de assuntos. "A população brasileira não pode ficar às cegas", explicou William Bonner, que gravou um depoimento defendendo as mechas brancas nos cabelos de âncoras de telejornais do horário nobre.