questões supremas

“Ser mais do que se é, é ser menos”

Discrepâncias no currículo de Kassio Nunes Marques atingem também a imagem do Supremo

Joaquim Falcão
08out2020_09h39
Kassio Nunes Marques, indicado para o Supremo Tribunal Federal –
Kassio Nunes Marques, indicado para o Supremo Tribunal Federal – Foto: Divulgação/TRF-1

O desembargador Kassio Nunes Marques reagiu, até agora, de três maneiras diferentes sobre os questionamentos de seus títulos.

Primeiro, segundo divulgou o Antagonista, teria afirmado: “Estão tentando mitigar o sucesso desta caminhada” e “diminuir seu caráter e personalidade”.

Este argumento é estratégia de personalizar, fulanizar uma questão institucional. Escapar de responder. O que não é adequado.

Quem  aceita indicação para tão alto cargo na República, aceita, desde logo, ser radiografado. Aceita o PetScan das suas experiências relevantes. Aceita a objetivação de sua vida profissional. Pode incomodar. Mas é assim na era da tecnologia e da transparência.



No segundo argumento, o desembargador afirma que não precisa desses títulos  para ser ministro do Supremo. Tem razão. A titulação acadêmica é para concurso de professor. No Supremo, exige-se notável saber jurídico. E não títulos específicos. Tivemos importantes ministros que chegaram ao tribunal apenas com o bacharelado. Grandes ministros, como Sepúlveda Pertence.

Mas esse argumento também afasta o público de informações de que precisa. Não se exige mestrado ou doutorado, mas é necessário saber o currículo de fato e a experiência intelectual do indicado.

Outra exigência para ser ministro do Supremo é a reputação ilibada. A maneira como o indicado apresenta seu currículo e lida com as dúvidas da sociedade. Importante para sua reputação.

O artigo 37 da Constituição exige a publicidade na administração pública. Princípio que candidatos ao Supremo, se aprovados, precisarão aplicar a toda administração pública. A publicidade precisa começar pelo bom exemplo.

O terceiro argumento já enfrenta um pouco mais as dúvidas. Teria havido erros de tradução do espanhol ou italiano. Pode ter havido, sim, em alguns casos. Mas este é argumento formal, insuficiente para as realidades que buscamos.

Não há erro de tradução, por exemplo, em relação à Universidade de Salamanca. Lá existem os cursos de pós-graduação e pós-doutorado. Inclusive os contratos de pós-doutorado exigem antes o doutorado. O erro não foi de tradução.

Na Universidade de La Coruña, o desembargador teria apenas um atestado de participação em um curso.

O que o eleitor e os senadores precisam saber é a substância. As experiências acadêmicas por trás dos rótulos sintéticos. Qual o conteúdo real desses rótulos destraduzidos? Feitos em Belo Horizonte ou em Messina? Quando? Exigiram trabalho final? Foram pagos pelo TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) ou pelo próprio desembargador?

Esta não é uma discussão formal. É claro. Rótulos não significam o mesmo para todos os países, instituições e envolvidos. É discussão de realidades. Pertinente a um direito constitucional de realidade.

Qualquer professor de direito constitucional tem o dever de pesquisar, indagar, sugerir e entender o que se passa no Supremo. Esse é nosso ofício.

O desembargador poderia tomar a iniciativa e vir a público explicar e defender seu currículo. Por que tantas discrepâncias?

Na Argentina, exige-se pelo menos quinze dias de publicidade para que o cidadão possa se manifestar sobre o indicado. Nos Estados Unidos, o pleno currículo é imediatamente disponível. 

Bastidor sozinho não basta.

A mensagem da Presidência da República é muda. Diz que a pressa foi “em virtude do estado de calamidade pública decorrente da pandemia do coronavírus”. Não consta nenhum currículo. Nada.  

Deve ser pressa para capturar o Centrão. O Supremo não deveria ser inoculado por alianças partidárias.

No Brasil, o MEC e a Capes regulam bolsas para pós-doutorado. Pós-doutorado é só após o doutorado. 

O currículo do TRF-1 é pensado em espanhol, escrito em português, sobre algo que inexiste.

O grande sergipano Gilberto Amado, de nossa Academia Brasileira de Letras (e o desembargador é nordestino, precisamos de nordestinos no Supremo), dizia: “Querer ser mais do que se é, é ser menos.”

Temos visto na escolha do candidato a ambição de muitos pelo poder e glória fugazes. Tisnando as imagens públicas das instituições que representam.

A ausência de esclarecimento amplo, geral e irrestrito corre o risco de levantar a questão da reputação ilibada.

Ministros do Supremo representam os cidadãos não pelo voto, mas pela credibilidade e legitimidade que conquistam. Na indicação. Durante a aprovação. E no exercício posterior.

As dúvidas sobre este currículo já englobam pelo menos três instituições internacionais. Atingem a imagem do Supremo no exterior.

A democracia tecnológica global é o mais rápido, participativo e radical dos regimes políticos. Legitimador ou deslegitimador de ambições. Mas é assim mesmo.

Joaquim Falcão

Membro da Academia Brasileira de Letras e professor de direito constitucional da FGV.

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Editoras na berlinda

As editoras de revistas científicas foram objeto de uma polêmica inflamada na internet durante a semana que passou. A discussão foi desencadeada por uma coluna do ambientalista George Monbiot no jornal The Guardian, que as definiu como “os capitalistas mais impiedosos do mundo ocidental” e as acusou de violar o direito humano de acesso ao conhecimento. A mais ácida das reações despertadas pelo artigo veio de um editor do grupo Nature, para quem Monbiot usou argumentos simplistas e ignorou mudanças recentes do mercado editorial.

9

Crise na Bahia: Cláudia Leitte rouba sotaque de Ivete Sangalo

TODOS OS SANTOS - A greve de policiais na Bahia gerou uma onda de saques, pânico e rebolation nunca antes registrada. Em Itapuã, foram surrupiados o torso de seda, o brinco de ouro, o pano-da-costa, a bata engomada e a sandália enfeitada que a baiana tinha. Denúncias anônimas dão conta de que onomatopeias de Carlinhos Brown são traficadas à luz do Farol da Barra. Já em Amaralina, duas rimas de Caetano Veloso foram furtadas. Ou não.

10

Cremosa como um brie

Água incolor, insípida e inodora é para deseducados