Igualdades

Afogados em lixo

Amanda Gorziza, Lianne Ceará e Renata Buono
22fev2021_09h45

O brasileiro produz cada vez mais lixo – 1,52 milhão de toneladas por semana, o equivalente a quase sete navios de cruzeiro. Os dados são do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2020, realizado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública (Abrelpe). Em 2010, foram gerados 66,69 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos. Já em 2019, o descarte aumentou para 79,06 milhões de toneladas – 18,6% a mais. A produção de lixo plástico no Brasil também cresceu; no entanto, das 11,3 milhões de toneladas geradas, apenas 1,3% foram recicladas em território nacional. E de cada 72,7 milhões de toneladas de lixo coletadas, cerca de 29,5 milhões foram descartadas incorretamente, indo parar em aterros controlados ou lixões. O =igualdades desta semana analisa os dados sobre lixo no Brasil.

Em apenas uma semana, os brasileiros jogam no lixo o equivalente a quase sete navios de cruzeiro. No total, foi 1,52 milhão de toneladas de resíduos sólidos descartado semanalmente em 2019. 

Das mais de 79 milhões de toneladas de lixo geradas em 2019, 72,7 milhões foram coletadas. Desse montante, 40% foi descartado incorretamente, ou seja, em aterro controlado ou lixão, que são prejudiciais ao meio ambiente. O destino adequado do lixo é nos aterros sanitários, pois possuem a impermeabilização adequada do solo e evitam que os líquidos contaminados do lixo cheguem aos lençóis freáticos.

O Brasil é o quarto maior produtor de lixo plástico no mundo, logo atrás dos Estados Unidos, China e Índia. No total, foram geradas 11,3 milhões de toneladas de plástico em 2019, mas apenas 145 mil são recicladas em território nacional, ou seja, 1,3%. No entanto, o Brasil está abaixo da média global de reciclagem plástica, que é de 9%.

Proporcionalmente, o estado que mais produziu lixo em 2019 foi São Paulo. No total, foram 498 kg de resíduos sólidos gerados por apenas um paulista durante o ano. Por outro lado, Santa Catarina, estado que menos produziu lixo, proporcionalmente, gerou 257 kg de resíduos sólidos por habitante, ou seja, quase a metade de São Paulo.

Mesmo sendo o maior estado do país em se tratando da área territorial, o Amazonas possui uma população de 4,2 milhões de habitantes – um quinto da população do estado de Minas, o segundo mais populoso do país, com 21 milhões de pessoas. Ainda assim, a média de produção de lixo por habitante amazonense é de 380,5 kg por pessoa, 17% a mais que a dos mineiros.

A situação também é preocupante no Rio de Janeiro, que registrou um aumento significativo no recolhimento de lixo na Baía de Guanabara durante a pandemia. De acordo com o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), entre junho e setembro de 2020, foram coletadas 697 toneladas de resíduos orgânicos da Baía – isso equivale ao peso de 44 ônibus urbanos vazios.

Mesmo com o número alarmante de descarte incorreto, o total de municípios com coleta seletiva aumentou 29% entre 2010 e 2019. 73% das cidades brasileiras já possuem esse tipo de coleta, no entanto, ela ainda não cobre a totalidade dos municípios e ocorre de forma incipiente.

Fontes: Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2020 da Abrelpe; Atlas do plástico 2020 da Fundação Heinrich Böll; WWF Brasil

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Lianne Ceará (siga @lianneceara no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Candidato a animador

A não candidatura que promoveu Luciano Huck das tardes de sábado para as de domingo na Globo

Foro de Teresina ao vivo

Podcast de política da piauí terá edição especial em vídeo

Cinco anos de segredo para presos no Haiti e mortes no Jacarezinho

Sigilo de cinco anos protege documentos sem novidade, como sobre detentos haitianos, e outros sobre os quais pouco se sabe, como as mortes no Jacarezinho

“Sou um homem e amo outro homem”

No mês do orgulho LGBTQ+, o estilista Ronaldo Fraga conta como se apaixonou por um rapaz após dois casamentos com mulheres e critica retrocesso no governo Bolsonaro

Infelizes como nunca

Pesquisa mostra que o brasileiro jamais se sentiu tão infeliz como na pandemia – e que o país é desigual até na infelicidade

Cinco anos para proteger dados sobre manutenção de veículos da Marinha e pesquisas aeroespaciais

Marinha mantém em sigilo por cinco anos documentos sobre veículos – mesmo tempo pelo qual a Agência Espacial Brasileira (AEB) oculta pesquisas sobre foguetes

Mais médicos mal formados

Em duas décadas, Brasil abriu 247 cursos de medicina – uns de excelência e outros onde falta de tudo, de microscópio a paciente para o aluno aprender procedimentos complexos

Até cem anos de sigilo para vacina de Bolsonaro e 41 para documentos americanos sobre ditadura no Brasil

Carteira de vacinação do presidente ficará em sigilo por até cem anos; papéis americanos sobre ditadura brasileira foram mantidos ocultos por 41 anos e 11 meses

Sangue e audiência

Plataformas de streaming apostam em crimes de repercussão nacional e, após sucesso de O Caso Evandro no Globoplay, Netflix responde com série documental sobre Elize Matsunaga

Atraso e confusão na segunda dose da vacina

Promessa de acelerar calendário de vacinação terá de concluir imunização de quem parou na primeira dose – pelo menos 1 milhão de pessoas em apenas oito estados do país

Mais textos