questões de gastos públicos

Antes da Covaxin, milhões em preservativos

Desde 2019, governo pagou a empresa investigada na CPI quase 100 milhões de reais por preservativos femininos

Marta Salomon
24jun2021_15h02
Ilustração de Carvall

Além de intermediar a compra de doses da vacina indiana Covaxin, a empresa Precisa Comercialização de Medicamentos tem outro negócio com o governo Bolsonaro: a venda de preservativos femininos. A empresa investigada pela CPI da Pandemia por suspeita de favorecimento recebeu um total de 96,1 milhões de reais entre janeiro de 2019 e maio de 2021 pela venda desses produtos ao Ministério da Saúde, segundo registros do Tesouro Nacional. Só neste ano, foram pagos 9,6 milhões de reais, de um contrato maior, com novos pagamentos a serem feitos.

Pelos preços registrados nos documentos do Tesouro Nacional, os 96,1 milhões pagos à Precisa, matriz e filial, seriam suficientes para adquirir cerca de 40 milhões de preservativos femininos. Isso é mais do que o total de preservativos distribuídos pela Secretaria de Vigilância em Saúde desde 2019: 32,5 milhões de unidades em látex ou em borracha nitrílica, como os comprados por meio da Precisa. A empresa não era a única fornecedora. Questionado pela piauí, o Ministério da Saúde não informou se todos os preservativos pagos à Precisa foram entregues.

Intermediar a venda de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin ao governo Bolsonaro renderia à Precisa 1,614 bilhão de reais. A dose sairia por 80,70 reais, o maior custo entre as vacinas contratadas pelo governo. O dinheiro foi reservado no orçamento da União nos últimos dias da gestão do general Eduardo Pazuello, mediante a assinatura do contrato, mas não chegou a ser desembolsado. O negócio mudaria a escala de ganhos do empresário Francisco Emerson Maximiano, sócio administrador da Precisa, no atual governo.

Maximiano se aproximou do Ministério da Saúde em outubro de 2017, inicialmente por meio da Global Gestão em Saúde, outra empresa presidida por ele. Antes de a Precisa começar a vender preservativos ao ministério, a Global recebeu dos cofres públicos 19,9 milhões de reais por medicamentos de alto custo comprados sem licitação e que não teriam sido entregues, segundo investigação do Ministério Público Federal. A empresa é cobrada a devolver o dinheiro. Os pagamentos irregulares foram feitos em novembro de 2017, quando o ministro da Saúde era Ricardo Barros (Progressistas-PR), atual líder do governo na Câmara.

O depoimento de Francisco Emerson Maximiano à CPI da Pandemia foi adiado para a semana que vem. Ele terá de dar explicações sobre o contrato de importação da Covaxin e o pagamento antecipado que teria solicitado ao ministério por doses da vacina. O imunizante indiano só teve o uso emergencial autorizado pela Anvisa neste mês.

A página da Precisa na internet dá destaque à recente parceria com a indiana Bharat Biotech, que desenvolveu a Covaxin. A Precisa se apresenta como representante exclusiva do laboratório indiano no Brasil e tem como sócios Maximiano e a Global Gestão em Saúde.

Procurada pela piauí, a Global não respondeu como devolverá o dinheiro pago antecipadamente por medicamentos não entregues. Questionada sobre a entrega dos preservativos comprados pelo Ministério da Saúde, a Precisa também não respondeu.

Marta Salomon

Jornalista especializada em políticas públicas e doutora em Desenvolvimento Sustentável (UnB), trabalhou na Folha de S. Paulo e no Estado de S. Paulo