colunistas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

José Roberto de Toledo
09abr2020_20h14

A popularidade de Jair Bolsonaro voltou a mostrar resiliência na crise. Pesquisa inédita do Ideia Big Data concluída na quarta-feira (8) mostra que a reprovação ao seu governo parou de aumentar, interrompendo um movimento de desgaste que havia começado depois do Carnaval. Após quatro semanas nas quais o presidente menosprezou a pandemia de covid-19, fez campanha contra o isolamento social e hostilizou acintosamente cientistas, governadores e seu próprio ministro da Saúde, a desaprovação ao governo federal havia chegado ao maior patamar desde a posse. Tinha ido a 40% em 25 de março e a 41% em 1º de abril. Diante do sinal amarelo piscante, Bolsonaro recuou. Moderou provisoriamente o discurso e manteve Mandetta no ministério. Bastou para que sua desaprovação recuasse para 37%. Embora dentro da margem de erro da pesquisa, a oscilação indica que o cavalo de pau presidencial achatou a curva de impopularidade crescente.

A taxa dos que classificam o governo como ruim ou péssimo confirmou esse movimento ao empatar em 34% com a de ótimo ou bom – segundo a mesma pesquisa Ideia Big Data. Uma semana antes, no auge dos conflitos que ele mesmo provocara, havia seis pontos a mais de avaliações negativas do que positivas sobre o governo de Bolsonaro: 37% a 31%. Além da moderação de fachada, o presidente fez outra mudança tática talvez ainda mais importante para frear a inércia rumo ao despenhadeiro: ele mudou a agenda. Em vez de ficar batendo apenas na suspensão do isolamento social, como vinha fazendo, Bolsonaro reorientou seu canhão digital para a propaganda de um remédio falsamente milagroso para a covid-19. De defensor dos fracos e oprimidos pela depressão econômica, passou a vendedor de frascos e comprimidos de cloroquina. Virou o presidente curandeiro. Aparentemente, funcionou.

Nesta quinta-feira, o Índice de Sentimento Arquimedes sobre o governo Bolsonaro mostrou um pico positivo para o presidente. Ele chegou aos 55 pontos – seu melhor resultado após semanas de consecutivas surras digitais que levou durante seu período mais histriônico. Fica claro no texto que o achatamento da curva de impopularidade foi facilitado por outra mudança tática do presidente.

Bolsonaro abandonou o confronto aberto com o discurso científico e procurou se cercar do maior número possível de médicos e donos de hospitais que validassem seu curandeirismo. Parou de fazer arminha; só faltou vestir um jaleco branco e pendurar um estetoscópio no pescoço. Poucos políticos profissionais percebem uma mudança de maré e giram suas canoas com a agilidade de Bolsonaro. Ele muda 180º sua direção sem olhar para trás e arrasta uma boiada consigo. A boiada nem hesita em se afogar e, de quebra, vira boia de salvação do mandato presidencial.

Limitado pelo Supremo Tribunal Federal, podado pelo Congresso e vigiado pelos generais, Bolsonaro parece uma rainha da Inglaterra, como um de seus seguidores advertiu-o na manhã de segunda-feira, quando o presidente parou para cumprimentar fãs na portaria do Palácio da Alvorada. Mas mesmo a rainha tem o poder de engajar seus súditos e orientá-los para um alvo comum. Limitado, podado e vigiado, Bolsonaro ainda tange sua tropa, tal qual um boiadeiro lidera uma comitiva. Se a oposição bobear, a epidemia permitir e a economia não afundar, há espaço para o presidente recuperar parte da opinião pública perdida. Além da boiada, há quem queira gostar de Bolsonaro. Ele é que não deixa.

A pesquisa Ideia Big Data deixa isso claro. No pior momento da sua crise de popularidade até agora, a confiança em Bolsonaro desceu a 39%, mas logo voltou à média de 42%, 43% que ele sustenta desde setembro. Qualquer sinal de melhora econômica faz a confiança no presidente voltar a 45%, como aconteceu em janeiro. Ainda é minoritário? Sim, a maioria absoluta, 51%, diz não confiar no governo federal. Mas Bolsonaro não mira a maioria. A ele basta manter um patamar de apoio que transforme o eventual processo de impeachment num risco político que pelo menos 172 deputados federais não queiram correr. É o que ele conseguiu fazer até agora. O que pode mudar esse cenário?

A mortandade de dezenas de milhares de brasileiros pela gripezinha bolsonaresca por certo poderia. Se todo brasileiro perder um parente, amigo ou colega durante a epidemia, Bolsonaro terá que explicar o inexplicável. Porém, todos, com exceção dele e de sua boiada, estão trabalhando para que isso não aconteça. Ele fala contra, mas torce a favor. Ou pelo menos deveria torcer. 

A outra hipótese é uma depressão econômica que desempregue outros tantos milhões, enterre o consumo, multiplique a miséria e a fome. Essa batalha Bolsonaro  terceirizou para o Posto Ipiranga. Se Paulo Guedes se mostrar inepto para a missão mais importante de sua vida, restará a Bolsonaro dobrar a aposta no caos.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Mais textos de José Roberto de Toledo

O barato da caipirosca

Com vodca, açúcar e frutas custando até 75% menos do que a média global, Brasil é o país para se encher a cara

Variável Lula X variante Bolsonaro

Cruzamento inédito de pesquisa Ipec mostra quem votaria no petista, quem votaria no presidente e quem votaria nos dois

Documentos inéditos revelam outra empresa de mãe de Aécio Neves em paraíso fiscal

Defesa de Inês Maria Neves Faria confirma que ela é beneficiária de holding em Luxemburgo desde 2018, mas não diz se a operação foi declarada à Receita Federal

Mais textos