=igualdades

Brasil já queimou área do tamanho do Reino Unido

Camille Lichotti, Lianne Ceará e Renata Buono
12out2020_09h37

O fogo incontrolável que assola o Pantanal brasileiro não se restringe a esse bioma. Em todo o país, a área atingida por queimadas nos nove primeiros meses de 2020 foi de 226.485 km² – equivalente à de todo o Reino Unido. Esse número ultrapassa o total de área queimada do ano passado para o mesmo período e é o maior dos últimos sete anos, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Só em setembro, foram 105.167 km² devastados pelo fogo, quase o mesmo que havia sido queimado nos oito meses anteriores, somados. 

O ano de 2019, primeiro da gestão Bolsonaro, já havia sido particularmente incendiário – até setembro, foram mais de 224 mil km² queimados. Até então, era o valor mais alto registrado desde 2013. Mas em 2020, quatro biomas brasileiros tiveram aumento na área de queimadas, em relação à 2019. Até setembro, a Amazônia teve 62.311 km² de área queimada, 4% a mais que no ano anterior. No Pantanal, houve um aumento de 254%. No Cerrado, localizado na porção central do Brasil, a área queimada até setembro de 2020 foi 16,5% menor que em 2019. Mesmo assim, o bioma continua sendo o mais devastado. Nos nove primeiros meses do ano foram 102.390 km²apenas nessa região. 

Na última sexta-feira (9), o chefe do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais do Ibama, José Carlos Mendes de Morais, pediu exoneração do cargo – um mês após sua nomeação. Enquanto isso, o Brasil continua em chamas. Também na última sexta, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que se houvesse mais gado no Pantanal, o incêndio deste ano poderia ter sido menor. Por outro lado, moradores da região relatam que os focos de incêndio têm origem justamente em fazendas de criação pecuária, onde é comum a prática de atear fogo para “limpar” o pasto. 

Camille Lichotti (siga @camillelichotti no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Lianne Ceará (siga @lianneceara no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
4

Maria Vai Com as Outras #4: Gênero, número e raça

Empresária do ramo da beleza e uma doutora em psicologia explicam como as grandes empresas veem, recebem e remuneram a mulher negra

6

Camaradas!

O PCB existe, luta e não entrega os pontos

7

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

9

Em defesa dos adjetivos

Ditadores e generais costumam dispensar tudo o que não seja verbo e substantivo

10

Maitê Proença tira sutiã contra botox de Álvaro Dias

FINA ESTAMPA - O sucesso do vídeo contra a usina de Belo Monte botou em polvorosa os atores globais. Nos últimos quatro dias, 14.329 vídeos foram gravados com opiniões contra e a favor da unha encravada, da comida orgânica, da ilha de Capri, de assessores de imprensa e de cremes para as mãos, entre outras dezenas de assuntos. "A população brasileira não pode ficar às cegas", explicou William Bonner, que gravou um depoimento defendendo as mechas brancas nos cabelos de âncoras de telejornais do horário nobre.