Igualdades

Censura digital

Amanda Rossi e Renata Buono
09dez2019_08h03

A Justiça brasileira recebeu mais de 2,8 mil ações de políticos contra a divulgação de informações, desde 2012. De cada 9 casos, 5 foram concedidos em algum momento, resultando na remoção do conteúdo. O Facebook é a empresa mais acionada, citada em quase 60% das ações. Já o político que mais tentou remover conteúdo nos últimos cinco anos foi Jair Bolsonaro, com 34 pedidos. O =igualdades desta semana mostra os números da censura política digital, reunidos pelo projeto Ctrl+X, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

De cada 9 pedidos, 5 foram deferidos pela Justiça em algum momento, resultando na retirada de conteúdo do ar. Outros 3 foram indeferidos, e um não foi julgado

O Facebook foi o principal alvo dos pedidos de remoção de conteúdo, sendo acionado 1.656 vezes. É quase 5 vezes o número de pedidos direcionados ao Google, em segundo lugar. 

Nos últimos cinco anos, nenhum político acionou tanto a Justiça para pedir remoção de conteúdo quanto Jair Bolsonaro. Foram 34 pedidos, 31 deles na campanha eleitoral de 2018. O segundo lugar, Amazonino Mendes, ex-governador do Amazonas e ex-prefeito de Manaus, entrou com 27 ações.

Das 34 solicitações de remoção de conteúdo feitas por Bolsonaro, 28 foram indeferidas pela Justiça. Entre elas, estão pedidos para excluir duas reportagens da Folha de S.Paulo: sobre a “Wal do Açaí”, assessora política da família Bolsonaro que trabalhava vendendo açaí; e sobre disparos em massa no WhatsApp pró-Bolsonaro, pagos por empresas privadas e não declarados à Justiça Eleitoral. Já em quatro casos, os conteúdos chegaram a ser removidos por decisão judicial. Outros 2 pedidos não foram julgados.

O número de pedidos de remoções feitos pela campanha de Jair Bolsonaro à Presidência é 3 vezes o que foi feito pela campanha de Fernando Haddad (PT), seu principal rival nas eleições de 2018.

Quase todos os 32 partidos brasileiros entraram na Justiça para pedir remoção de conteúdo. Cinco deles foram responsáveis por metade dos casos: PSDB, MDB, PT, PDT e PP.

De cada 10 pedidos de remoção de conteúdo, 3 ocorreram em 2018, ano de eleições gerais. 

 

Fonte: Projeto Ctrl+X da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

Dados abertos: Acesse a planilha que serviu de base para a reportagem.

Nota metodológica: A base de dados Ctrl+X é alimentada pela Abraji por monitoramento ativo de sites do Judiciário brasileiro, por representantes de empresas intimadas e por jornalistas processados que entram em contato com o projeto. 

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

6

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

10

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana