Questões da Ciência

Cientistas em rede

Em tempos de web 2.0, os pesquisadores interessados em interagir com colegas de todo o mundo com quem dividem os mesmos interesses acadêmicos têm à sua disposição uma série de plataformas para trocar informações sobre novos estudos e congressos. O ecossistema das redes sociais para cientistas está cada vez mais diverso. Entre serviços parecidos com o Facebook e portais para o compartilhamento de arquivos, tem opções para todos os gostos – inclusive para quem busca uma alma gêmea num laboratório.

Bernardo Esteves
19ago2011_10h44

Em tempos de web 2.0, os pesquisadores interessados em interagir com colegas de todo o mundo com quem dividem os mesmos interesses acadêmicos têm à sua disposição uma série de plataformas para trocar informações sobre novos estudos e congressos. O ecossistema das redes sociais para cientistas está cada vez mais diverso. Entre serviços parecidos com o Facebook e portais para o compartilhamento de arquivos, tem opções para todos os gostos – inclusive para quem busca uma alma gêmea num laboratório.

Uma das redes para cientistas mais bem sucedidas é o ResearchGate (ou Portal da Pesquisa), iniciativa criada em 2008 e que ultrapassou no mês de maio a marca de um milhão de usuários. Trata-se de uma plataforma que lembra o Facebook, em que o usuário constrói um perfil no qual inclui sua foto e informações sobre sua universidade e seus interesses de pesquisa. Uma vez registrado, ele pode incluir em sua conta observações, imagens, links ou dicas de artigos científicos que deseja compartilhar com os colegas.

Cada usuário cria sua rede de contatos, podendo seguir as atualizações de outros pesquisadores. Como no Twitter, não é obrigatório que haja reciprocidade: um usuário pode receber as atualizações de um pesquisador sem que ele o siga de volta. Os usuários podem também se organizar em grupos de interesse comum, no qual são compartilhadas informações relevantes para a área.

Outro serviço popular que também já conquistou seu primeiro milhão de usuários é o britânico Mendeley, no ar desde o fim de 2007. Trata-se de um híbrido de gerenciador de arquivos e rede social acadêmica. Ao contrário dos concorrentes, essa plataforma requer a instalação de um programa que pode ser baixado de graça. O diferencial dessa iniciativa é permitir que o usuário faça o de artigos científicos em sua biblioteca pessoal. A plataforma reconhece os dados bibliográficos da maioria dos PDFs carregados e inclui um gerador automático de citações para os artigos, compatível com os editores de texto mais comuns.



Uma vez criada sua biblioteca – que funciona como um iTunes de artigos científicos –, o usuário pode acessá-la on-line de outros computadores. Com isso, os artigos com que o usuário costuma trabalhar estão sempre disponíveis, esteja ele onde estiver – inclusive a partir de dispositivos móveis, agora que o serviço tem aplicativos para iPhone e iPad. Paralelamente, os usuários podem criar redes de contatos, na qual monitoram e compartilham os artigos carregados por seus colegas.

Outra plataforma para o compartilhamento de artigos é o CiteULike, uma espécie de del.icio.us científico. Assim como esse popular agregador de favoritos on-line, o site permite que o usuário reúna em sua página links para seus artigos prediletos, classificados conforme as palavras-chave escolhidas por ele. Como no del.icio.us, os usuários podem ver quem mais marcou como favorito um determinado artigo e conferir os outros favoritos dessa pessoa. E podem, claro, construir uma rede de amigos com quem se mantêm em contato pelo site.

Como o Mendeley, o CiteULike reconhece os dados bibliográficos de um determinado artigo e já o classifica com eles. O reconhecimento funciona para a maior parte dos periódicos internacionais. Para os outros casos, o usuário é obrigado a cadastrar manualmente o artigo, o que pode ser desestimulante. A plataforma tem também um serviço de sugestões automáticas de artigos para os usuários, em função de seu perfil e das palavras-chave que usam. Outro aspecto interessante é a possibilidade de marcar um determinado artigo como já lido ou por ler, criando assim uma fila de leitura gerenciada em sua conta. Resta ao usuário programar-se para cumpri-la.

Há opções até para os usuários cujo interesse vai além da esfera meramente acadêmica. Se você está atrás de um parceiro para relações extracientíficas, sua rede é o portal Scientific Singles, que se define como um serviço de paquera para cientistas e amantes da ciência solteiros. A plataforma oferece chats entre usuários e promete conectar membros que tenham interesses comuns. Estudar e flertar, é só começar.

(Foto: sxc.hu/gerard79)

Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo É Dia de Ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Últimas Mais Lidas

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
3

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

4

Lucrativa como chocolate

Ex-investidores de Wall Street e os herdeiros de Bob Marley disputam os bilhões da cannabis legalizada nos Estados Unidos

5

O labor de Papai Noel

Papai Noel demais em uma única noite de Natal

6

Temer estuda pedir Estados Unidos em casamento para Brasil não quebrar

Uma ideia ousada surgiu numa reunião de Michel Temer com seus assessores mais próximos nesta tarde. Moreira Franco sugeriu que “já está na hora de o Brasil arrumar um esposo” para não correr o risco de quebrar.

8

A hora mais escura – exigências da verdade

O filme dirigido por Kathryn Bigelow a partir do roteiro de Mark Boal tem duas fragilidades – a legenda na abertura e o close final de Maya, a analista da CIA interpretada por Jessica Chastain. Entre esses dois extremos, porém, há duas horas e meia de bom cinema.

9

Kennedy esquece quem pagou o seu carro

No momento em que se celebra os cinquenta anos de um dos eventos mais traumáticos do século XX, o assassinato do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, o documento reproduzido nesta página permite evocar sua figura aos trinta e oito anos, quatro antes de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Filho de um empresário milionário que havia sido embaixador dos Estados Unidos na Inglaterra logo antes da guerra, Kennedy, apelidado Jack, foi o presidente eleito mais moço e o primeiro e único católico.

10

Numa tentativa de reavivar a carreira, Belchior vai para o Canadá

OTTAWA – Atento à tendência algo declinante da própria carreira, o cantor Belchior decidiu inscrever-se num curso de intercâmbio no estado de Manitoba, Canadá. O artista partiu ontem e, segundo sua assessoria de imprensa, espera para breve uma onda de publicidade envolvendo o seu nome.